como-lidar-com-os-desafios-de-ser-uma-mulher-na-lideranca.jpeg

Como lidar com os desafios de ser uma mulher na liderança?

O empoderamento e a independência femininos são assuntos cada vez mais em pauta. Como resultado (e também como motivação para tal), a quantidade de mulheres que alcançam posições de liderança nas empresas em que trabalham, ou que se estabelecem como donas do próprio negócio, também cresce.

Entretanto, como ainda há muito para ser melhorado nesse aspecto, a mulher na liderança ainda enfrenta desafios particulares e baseados no preconceito, dos quais seus colegas masculinos estão isentos.

Como seguir em frente sem desistir ou fraquejar diante desses obstáculos? É o que mostramos no post de hoje! Continue a leitura e entenda melhor quais são e como lidar com os principais desafios enfrentados pela mulher na liderança. Vamos lá?

Falta de confiança do público masculino

Diante de dois profissionais, um homem e uma mulher, muitos clientes podem, sem nem pensar, classificar o homem como o mais competente da dupla. Assim, uma sugestão ou ideia pode ser melhor recebida quando oferecida pelo profissional masculino, mesmo que a mulher já tenha dito algo semelhante ou igual anteriormente.

Para lidar com esse desafio, que obviamente não tem nada a ver com sua competência ou postura profissional diante do cliente, é preciso saber se impor. Não deixe que seu colega ou que o cliente a interrompam, ou que simplesmente repitam o que você já disse com outras palavras.

Aproveite cada oportunidade para demonstrar sua capacidade, certificando-se de entregar o melhor resultado possível para o cliente. Dessa maneira, ele será “obrigado” a reconhecer sua competência e, logo, perceberá seus próprios preconceitos.

Além disso, trate seus subordinados com respeito, mas não deixe-os esquecer de que é você quem está no comando.

Microagressões no cotidiano

Toda forma de discriminação se revela de diferentes formas, algumas violentas, outras sutis. Essas últimas são as chamadas microagressões: situações que, de início, podem até parecer bobagem, mas que quando somadas e contextualizadas, facilmente revelam suas intenções discriminatórias.

Pense nas seguintes situações: um cliente ou colega que você conheceu há dez minutos se refere a você como “querida”; alguém faz um comentário sobre sua aparência que jamais faria a um homem na mesma posição; diante de uma reclamação, um colega sugere que você pode estar de TPM; alguém insiste em lhe explicar algo que você obviamente já entende (talvez, até, muito melhor do que o homem em questão).

É muito difícil lidar com as microagressões porque, se você contá-las para outra pessoa, provavelmente ouvirá um “deixa para lá”, como se não fosse nada. Entretanto, enfrentá-las todos os dias é cansativo, ofensivo e, muitas vezes, humilhante.

As situações podem ser pequenas, mas tornam impossível esquecer que, para muitos, a mulher na liderança é vista com inferioridade em relação ao homem. Mais uma vez, a resposta é se impor.

Diante de uma atitude incômoda, diga que não gostou e exija não ser tratada assim novamente. Logo, os homens ao seu redor entenderão que você não está para brincadeira, e que quer apenas ser tratada da mesma maneira que todo mundo.

Estereótipos e clichês

Você, mulher na liderança, provavelmente conhece aquela velha ideia da mulher profissional e workaholic, que se dedica integralmente ao trabalho porque não tem sucesso com os homens ou esperança alguma de casar-se e ter filhos para “acertar sua vida”.

Esse estereótipo, obviamente, é ofensivo de diversas formas: o valor de uma mulher não está aliado a sua vida amorosa ou condição de mãe, assim como é perfeitamente possível ter sucesso tanto na profissão quanto como mãe e esposa.

E para acabar com estereótipos, nada melhor do que dar o exemplo e provar que as mulheres na liderança são muito mais do que um clichê. Lembre-se de que esses preconceitos são um reflexo de quem a outra pessoa é, e não de você.

Ao continuar avançando na carreira e, enquanto líder, levando a empresa cada vez mais longe, você ajuda ativamente a construir um futuro em que, esperamos, uma mulher na liderança seja tão comum — e tão respeitada quanto — um homem.

E então, pronta para continuar quebrando o teto de vibro e ascendendo cada vez mais como mulher na liderança? Para isso, conte com a gente: assine nossa newsletter gratuita e receba todo o conteúdo do blog diretamente na sua caixa de entrada!

Artigos Relacionados

Patricia Dalpra é Estrategista em personal branding e gerenciamento de carreira.

O trabalho que Patricia Dalpra desenvolve surgiu de uma vontade e de uma certeza: vontade de levar pessoas e empresas a crescer, alcançar seus objetivos de negócios e de imagem e se relacionar melhor com outras pessoas e empresas; e certeza de que um trabalho estruturado de gestão de imagem e carreira é um dos melhores caminhos para se chegar lá.

Ao longo de mais de uma década, a Patricia Dalpra já trabalhou para centenas de profissionais, executivos, empresários, atletas, instituições e empresas.

Specialties: Gestão de imagem, gestão de carreira e coaching. Personal branding, branding executivo, brand on, brand off, estudo do dna pessoal e corporativo e comunicação.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *