Dicas para construir uma boa reputação

A boa reputação de um profissional sempre foi um dos itens mais perseguidos por empresas e profissionais em processos seletivos. Afinal, é a partir dela que será possível aos que estão ao seu redor incluir elementos fundamentais para relações produtivas e duradouras, como o respeito e a confiança.

A questão é conseguir extrair desse amplo conceito elementos que permitam a você entender como ele pode funcionar como forma de impulsionar cada vez mais a sua carreira. Para tanto, selecionamos conceitos e dicas que certamente vão ajudá-lo nessa jornada.

O poder da boa reputação

Falamos logo na abertura do texto que a boa reputação é um aspecto procurado por todos no universo profissional – e até mesmo no pessoal. A questão é saber o porquê disso.

A reputação é a constituição e manutenção de uma imagem positiva sobre você, frente às suas ações e seu comportamento. Não se trata de uma tarefa isolada nem um projeto. Na verdade, ela deve fazer parte do caminho que você trilhou, ou seja, uma escolha das atitudes que serão tomadas por você.

O público e a clientela – até os concorrentes! – percebem esse cuidado e passam a responder com respeito e confiança, uma vez que eles têm a certeza de que aquele profissional, além de ter vontade de crescer, ele faz por merecer.

Construindo a imagem de uma pessoa

A questão é entender como isso funciona. Na verdade, uma forma interessante é pensar na boa reputação como uma receita ou fórmula. Ela possui ingredientes que devem ser usados na ordem e quantidade corretas para que você chegue ao resultado esperado.

O primeiro item é o tempo de carreira, que representa a sua consolidação no mercado de trabalho. Somamos a ele os resultados alcançados, que devem ser medidos e avaliados para comprovar a eficácia e a experiência, isto é, o seu retorno como profissional.

A segunda parte dessa fórmula traz dois itens que vão além dos muros do escritório: o investimento e a imagem. Investir em você significa buscar formas de ampliar os seus conhecimentos, manter-se atualizado por meio de leituras, cursos e troca de experiências com os diversos tipos de profissionais.

A sua Imagem, por sua vez, é o reflexo do seu conteúdo. Educação, conhecimento, jogo de cintura, o trato com as pessoas e como você age em situações diversas. Aqui entram diversos itens que serão decisivos para uma boa reputação. Fazendo uma analogia, este elemento pode ser considerado o “fermento da receita”, já que, sem ele, o bolo simplesmente não crescerá.

Quais os maiores e desafios e cuidados

Quantas vezes ouvimos sobre um profissional que alcança resultados, que se atualiza, mas que não desenvolve sua autoconfiança para assumir novos desafios? Ou que é um bom profissional, mas que não se atualiza constantemente, investindo em seu próprio conhecimento?

O maior desafio é aprender a equilibrar os fatores que contribuem para uma boa reputação. O equilíbrio vai depender de sua área de atuação, da empresa na qual você trabalha e do tempo que você está no mercado de trabalho. Pode até parecer uma atividade trabalhosa, mas ela não é impossível de ser realizada.

Esse investimento é uma forma de aproveitar o seu caminho profissional para sempre aprender com o momento atual, consertar os erros do passado e planejar melhor o seu futuro. O mais interessante da boa reputação é que ela só depende de você para poder ser conquistada e preservada. Em poucas palavras: o sucesso está nas suas mãos!

Ficou com vontade de estar sempre informado com as novidades que produzimos, além de poder compartilhá-las em seu círculo social? Então não deixe de curtir a nossa página no Facebook.

Como o networking ajuda a promover a marca pessoal?

Desde os primórdios da humanidade, o ser humano procura meios de relacionar-se com seus pares e formar grupos onde os interesses mútuos são elos significativos para o convívio em harmonia. E mesmo após milhares de anos e de mudanças enormes, ainda mantemos essa prática de coexistência em sua mais genuína forma — mas agora, usufruindo também dos progressos tecnológicos, a remodelamos e passamos a chamá-la de networking.

Apesar das inúmeras e complicadas definições sobre o que significa tal expressão, ela é basicamente o que descrevemos no parágrafo inicial: uma rede de contatos ou conexões interpessoais que tem como base a troca de informações, interesses e/ou habilidades entre os envolvidos, de forma sistemática e dinamizada.

Ninguém é autossuficiente; a busca pelo outro é uma forma de sobrevivência, de completar-se e completar ao outro de maneira a gerar benefícios para todas as partes envolvidas. E, em sua carreira, o networking é uma excelente maneira de promover sua marca pessoal. Quer saber como? Continue a leitura!

Aplicando o networking como ferramenta de gestão

Uma vez composta sua rede interpessoal — e mantendo-a sempre ativa —, você possuirá em mãos uma poderosa ferramenta de gerenciamento pessoal, seja qual for a finalidade a qual você se proponha a criá-la.

Mas para entendermos melhor o uso dessa cadeia interpessoal como um instrumento de gestão, é preciso compreender uma diferença importante, que trata justamente sobre a celebração de uma única rede de amigos, oficializando-a como um networking.

Com toda a certeza, é comum nos afeiçoarmos às pessoas quando as conhecemos e, ao passar do tempo, criar laços de amizade. E na conjuntura do networking, esse estreitamento de intimidades também pode ocorrer — mas não se faz como critério obrigatório a criação de um vínculo onde se visa intenções comerciais.

Obviamente, você não deve visionar uma rede exclusivamente baseada em seus interesses profissionais. Relacionamentos são sempre vias de mão dupla, e o contato humano, a cumplicidade, o interesse e o envolvimento são fatores importantes para que você também seja lembrado. Suas atitudes e seu comportamento diante do outro fará com que sua marca pessoal seja — ou não — aceita em um ou mais distintos meios.

Logo, sejam quais forem suas intenções, não se esqueça de que a manutenção complacente e amistosa da sua aliança é tão importante quanto saber gerenciá-la de forma recíproca e harmoniosa. Assim, recorremos a um jargão que se encaixa bastante no que foi dito até aqui: “Uma mão lava a outra, e as duas lavam o rosto”.

Utilizando o networking para promover sua marca pessoal

Um sólido networking é, de fato, uma ferramenta formidável para alcançar objetivos. Mas há algo ainda mais importante por detrás de toda essa corrente: você. Afinal de contas, sua autopromoção fará com que você também seja lembrado; é a definição de sua marca pessoal.

Utilize isso a seu favor e promova-se, ou seja, mostre aos outros quem você é, suas habilidades, seus prós, seus contras e seus interesses. Saiba valorizar suas virtudes, mas não crie uma propaganda enganosa como sua marca pessoal. Não há nada mais prejudicial para sua imagem do que quebrar a confiança daqueles que confiam em você!

Formando conexões sinceras através do networking

Invista em socializar-se e envolver-se com sua rede de contatos, mostrando a eles que você está aberto a manter relações saudáveis e sinceras. Torne-se próximo das pessoas com quem você se relaciona e preze pela qualidade desse envolvimento, e não apenas pela quantidade de pessoas e benefícios que você irá angariar com essa aproximação.

Uma ótima maneira de dar um upgrade em sua marca pessoal é viabilizar formas de ser visto, como participar de eventos e envolver-se com novos projetos. Networking trata de conectar-se com outros em níveis substanciais, além de ser uma ferramenta importantíssima para um convívio em sociedade. Mas o que a faz ser ainda mais eficaz é você mostrar-se, vender-se de forma autêntica e agir da forma como quer ser visto.

Sua marca pessoal é seu reflexo. Trabalhe-a para que os outros a enxerguem tal qual você quer se ver e ser visto! E então, gostou de saber mais sobre o networking? Tem outras dúvidas, sugestões ou experiências sobre o assunto? Deixe seu comentário e conte pra gente!

Branding online e offline: entenda as diferenças

Você cuida bem da sua imagem? Na era digital, é preciso gerenciar com cuidado cada detalhe referente à sua empresa ou carreira profissional. Não basta aplicar uma fórmula segura no branding offline, assim como não é possível  ter uma presença digital bem elaborada e deixar de lado as ações presenciais e em outras mídias. Nesse artigo, mostraremos quais são as principais diferenças entre elas, agindo da maneira ideal para manter e aumentar a base de clientes fiéis.

O branding offline

Quando falamos de branding offline, os primeiros veículos que nos vêm à mente são a televisão, o rádio ou os jornais. Mas elas vão além. Os eventos patrocinados pela marca ou a presença física podem ser importantes aliados na prospecção de fãs. A estratégia offline deve compreender o cliente, adaptando-se à suas necessidades, tanto em questões de comunicação, quanto produto, operações, etc.

A utilização das mídias tradicionais devem estar alinhadas com as estratégias online, onde, de fato, as informações circulam de maneira instantânea e há possibilidade de interação e recolhimento de dados.

O branding online

A presença digital de uma marca precisa ser forte. Mas isso não significa que criar um perfil nas redes sociais será suficiente para engajar o público. As estratégias devem se basear nos valores da marca, seja ela uma empresa ou uma figura pública. Caso a marca possua um nicho de fãs que admiram o trabalho e as ações por ela proposta, é preciso identificar e aliar os objetivos com as ações offline. As ferramentas online dão a chance de a marca interagir com o cliente, coletando informações sobre a segmentação do público e interagindo, trazendo a sensação de proximidade.

Vejamos alguns casos positivos e negativos de branding online e offline:

Caso Ed Motta

Em Abril de 2015, o renomado cantor Ed Motta declarou em seu Facebook: “Não falo português em show”, criticando o comportamento de seus fãs brasileiros no exterior. O texto, onde alega também que seu público é mais culto e informado, gerou polêmica nas redes e o artista, mais tarde, se viu obrigado a pedir desculpas à legião de fãs brasileiros em um show. Essa é uma situação típica em que a imagem de uma celebridade aclamada pode ser devastada com uma má escolha na estratégia de branding online, reparada presencialmente pelo artista em questão.

Caso Dráuzio Varella

Em novembro de 2015, em comemoração aos 50 mil seguidores em seu canal do YouTube, o médico e escritor brasileiro decidiu fazer um vídeo lendo os tweets de seus seguidores. De maneira bem-humorada, Varella sorria mesmo nas críticas e agradecendo os elogios, além de tentar se adequar à linguagem jovem. O resultado foi a perfeita execução das estratégias de branding online, aliada à sua já carreira de sucesso, onde a interação se mostrou um excelente recurso para engajar seus seguidores, e o público foi compreendido.

A importância das estratégias tanto online quanto offline trazem resultados efetivos para qualquer tipo de empresa ou pessoa. Quando o assunto é o mix dessas duas estratégias, é necessário análise e planejamento para executá-las com sincronia e garantir o sucesso e a rentabilidade dos negócios.

E você, como gerencia o branding online e offline da sua empresa? Queremos saber sua opinião! A barra de comentários está logo abaixo, então não se esqueça de deixar uma mensagem, certo?