caso-anitta-e-eleicao-2018

Ele não, mas e ela? Caso Anitta e a eleição 2018

“Diga quem você é, me diga
(…)
Tira a máscara que cobre o seu rosto
Se mostre e eu descubro se eu gosto
Do seu verdadeiro jeito de ser”

Quando falamos de marca, falamos exatamente disso: transparência.

Qual é a sua essência? Que valores defende? O público quer saber.

Em outro artigo que escrevi sobre a Anitta, também comentei sobre isso. Vamos relembrar alguns dados?

dado 1

dado 1

Cada dia mais as discussões sobre inclusão e direitos está maior. A desigualdade de gênero no ambiente profissional, por exemplo, é algo que está sendo altamente debatido pelas mídias e pelo mercado. Cada dia mais as marcas são obrigadas a reconhecer e enxergar de fato as minorias. Uma marca que ignora e escolhe se manter calada sobre as minorias está suscetível a críticas e a boicote. As marcas sempre tiveram medo de se posicionar, mas hoje elas também têm medo de se manter em silêncio (e devem mesmo).

A verdade é que ninguém mais quer ser representado por uma marca que não olha de verdade para o seu público. Então se a marca prefere se manter calada por medo de perder vendas, isso pode gerar um feedback negativo enorme. Algumas marcas resolvem fazer uma inclusão artificial das minorias na tentativa de se comunicar com elas, só para dizer que não as ignorou ou que se posicionou, o que se torna um tiro no próprio pé.

Como diz a pesquisa da TrendWatching, as pessoas hoje buscam marcas que sejam transparentes para manterem um “relacionamento” verdadeiro. Digo isso porque ninguém quer conversar com uma marca que só interessa pelo seu público na hora de vender algo. Queremos que ela nos conheça, nos enxergue, nos represente e esteja conosco nas horas boas e ruins.

Mas por que estou dizendo isto tudo? Porque Anitta é uma marca.

Ela vende um produto que são as suas músicas e vende um serviço que é o entretenimento. E recentemente teve uma grande polêmica envolvendo sua imagem. Grande parte do seu público começou a cobrar um posicionamento dela, questionando seu papel social como figura pública, acerca do candidato Bolsonaro após ela seguir um perfil de uma amiga que abertamente declara seu apoio ao candidato. Ela, no entanto, diz que tem o direito de não se manifestar sobre política e que não gostaria de ter sua imagem atrelada às eleições.

A grande questão é: ela deveria ou não se posicionar?

Veja bem, a questão vai muito além do fato dela ter seguido um perfil que declara apoio ao candidato ou sobre seu direito ao voto secreto.

No trabalho de gestão de imagem e carreira, temos que lidar com muitas situações diferentes. Nós sabemos que em situações de crise de imagem, é necessário que se tome uma posição. Às vezes, se tem que escolher entre dar uma resposta ao público ou manter-se calado. Mas tudo tem um preço e você está suscetível a críticas nos dois casos. No entanto, uma escolha errada pode custar uma carreira. De verdade.

Aqui Anitta escolheu não se posicionar nem contra e nem a favor do candidato, dando apenas uma declaração rasa sobre o assunto. No entanto, além do candidato em questão ir contra tudo que a cantora já defendeu publicamente, ele já deu muitas declarações homofóbicas e o público LGBT+ é o que mais iria sofrer consequências ruins se ele for eleito.

O público LGBT+ é o que mais gera lucro para a música pop, é o que chamamos de Pink Money. Além disso, grande parte do público da Anitta é LGBT+. A cantora, inclusive, já foi coroada rainha na Parada LGBT+. Ela já declarou publicamente apoio à comunidade e em seus stories (um dos mais vistos no mundo) sempre grita “um beijo para as POCS” (gíria LGBT+). Anitta, portanto, tem um relacionamento de longa data com este público.

O grande questionamento do seu público é: não queremos ser representados por artistas que estão conosco apenas quando a situação é favorável. Então, Anitta, você está conosco nesta luta? O país está passando por um momento muito difícil e a comunidade LGBT+ pode perder seus direitos se este candidato for eleito. Esta luta por direitos já causou a morte de muita gente e pessoas são hostilizadas todos os dias por causa da homofobia. Se a cantora se diz feminista, a favor das minorias, contra desigualdade em todos os níveis e uma defensora dos direitos LGBT+, é óbvio que ela não poderia votar em um candidato que vai contra tudo isto que ela defende. Então, qual é o problema de Anitta ser uma representante destes direitos se ela sempre fez isso durante a sua carreira? Agora que a situação está desfavorável ela não quer se posicionar? Isto é o que está sendo questionado.

Como marca ela não pode representar artificialmente, entende? Se ela sobe ao palco e grita junto com o seu público LGBT+ palavras de luta a favor de seus direitos em um momento feliz, também deve defender esses direitos em momentos desfavoráveis. O efeito desse silêncio é muito pior, especialmente para um artista.

A questão não é se ela é direita ou esquerda, vai além da política. Estamos falando de valores e toda marca tem “missão, visão e valores”. A questão aqui é dizer “eu, como pessoa defensora das diferenças, vou contra os valores que esse candidato prega, então #elenão”. Mas falar isso abertamente e não nas entrelinhas. A conversa tem que ser direta e transparente. É isso que o público pede das marcas hoje em dia. Transparência é tudo e a cantora Anitta sempre foi citada como tendo um de seus pontos fortes a transparência.

Uma pessoa que sempre se posicionou, não pode abrir mão do seu papel social quando a situação aperta. Não estamos falando aqui de uma partida de futebol em que às vezes o jogador é hostilizado pelo seu desempenho na partida e, às vezes, é melhor ficar quieto para a poeira abaixar. Estamos falando de valores, transparência, relação direta com o público.

Então, só para finalizar. É importante sim se posicionar. Não digo sobre política, mas sobre quais valores você defende. E deixar claro para o seu público se você está com ele até o fim ou não. Porque se for uma relação artificial… aí sinto te dizer que esse amor é tipo aquele amor de verão, ele passa e mesmo que voltem a se encontrar, a relação não será mais a mesma.

neymar-uma-historia-que-nao-toca-o-coracao

Neymar, uma história que não tocou o coração

Vinte e três dias. Este foi o tempo gasto por Neymar para se manifestar publicamente sobre a crise que se abateu sobre a sua imagem desde a questionável performance que o craque da Seleção Brasileira apresentou no Mundial da Rússia. No último domingo, o atacante voltou a ficar sob os holofotes ao se desculpar oficialmente através de um comercial da Gillette em horário nobre na TV Globo. Do ponto de vista da Gillette, não há dúvidas de que a campanha foi muito positiva para a marca, pois todos nós estamos vendo e comentando o comercial. Mas para Neymar, que foi o alvo da iniciativa, ela foi realmente positiva?

O fato é que, desde o vídeo feito pelo jogador, alguns dias depois da última participação da Seleção na Copa do Mundo, em ele aparecia ao lado de algumas crianças e brincava com a situação, Neymar demonstrava não se incomodar com as críticas que vinha recebendo e foi muito criticado pela atitude.  Acredito que todos nós, e não apenas eu que trabalho com Gestão de Imagem e Carreira, estávamos curiosos para saber qual seria sua primeira ação efetiva para trabalhar sua imagem.

Na campanha feita pela Gillette, a marca foi muito competente na ferramenta escolhida para fazer o “comunicado”. O storytelling, recurso usado pelo marketing da empresa, é uma forma muito inteligente e eficiente para trabalhar uma marca. Uma das bases do storytelling é criar emoção partindo da verdade.  Nós, seres humanos, estamos acostumados a contar e a escutar histórias há centenas de anos. Gostamos de ouvir histórias porque em algum momento da narrativa nos conectamos com algo que está sendo contado, e somos tocados no coração.

Neste caso, no entanto, apesar de uma ferramenta adequada para o comunicado, infelizmente não foi o que aconteceu com a história de Neymar.  Ela precisava ser potente, principalmente quando falamos de marca pessoal, e transmitir, para quem estivesse assistindo, uma história verdadeira.  Caso contrário, não emociona e acaba perdendo sua maior função. Toda a história possui um herói e neste caso o herói é Neymar. Mas por que será que não conseguimos nos conectar com ela?

Tenho a minha interpretação sobre o fato. Toda trajetória possui momentos difíceis, erros, quedas, frustações, sonhos interrompidos. E quando isto acontece nós sofremos, choramos e ficamos estirados no chão.  Toda história é feita de perrengues.  Heróis que reconhecem seus erros porque somos humanamente imperfeitos.  No caso da história de Neymar, contada pela Gillette, o jogador em nenhum momento demonstrou sofrimento, tristeza e arrependimento. Ele não saiu do pedestal. E foi exatamente neste momento que deixamos de acreditar naquilo que estava sendo contado.

Acredito que este comercial é um reflexo da comunicação feita por Neymar com a sua audiência em todos os meios que utiliza. Não traz a verdade. Ele está sempre olhando de cima para baixo. Ele não se humaniza. Ele cria um distanciamento, se coloca como inatingível.

A principal pergunta é: o que seria mais eficiente para o jogador conseguir chegar de forma verdadeira até seu público?  Uma mega campanha publicitária, como a que estamos vendo através da Gillette, ou Neymar fazendo um vídeo em seu Instagram, contanto a verdadeira história, reconhecendo seus medos, sofrimento, e, principalmente, o que aprendeu com tudo isto?

É possível, sim, gerenciar um momento de crise como este e reverter essa imagem negativa. Mas, o que estamos vendo, por ações pensadas e executadas de forma equivocada, é que ao invés de dissipar a crise, ela está aumentando cada vez mais.  Ao meu ver, sem verdade não há salvação. Uma coisa é certa, a campanha foi positiva para a marca Gillette e não para a marca Neymar.

como-reparar-uma-primeira-impressao-errada.jpeg

Como reparar uma primeira impressão errada?

“Você nunca tem uma segunda chance para fazer uma primeira impressão”, nos diz um velho ditado, e tanto a ciência, quanto a experiência cotidiana atestam a sua verdade. As primeiras impressões são rápidas, poderosas e duradouras, e por isso é tão importante fazer tudo o que puder para se criar uma boa.

Mas, às vezes, apesar de seus esforços para ser amigável, algo dá errado. Personalidades se chocam, piadas mal interpretadas, nervosismo e, assim, de algum modo o relacionamento começa sendo um fiasco.

Para o alívio de empresários, candidatos a emprego e afins, especialistas concordam que, embora a mudança de uma primeira impressão possa ser difícil, muitas vezes é viável. E, para isso, nesse post trouxemos as melhores dicas para transformar a situação. Acompanhe!

Identifique a causa da primeira impressão errada

É muito comum ficar nervoso diante de uma pessoa que você acaba de conhecer e, por isso, ter atitudes anormais, ainda mais se for alguma situação importante.

Caso você tenha agido de tal forma buscando impressionar alguém, o primeiro passo será ser honesto, assumindo o que de fato ocorreu. Isso acaba sendo um grande passo para corrigir aquela impressão errada, uma vez que é perceptível que seus comportamentos fugiram do padrão, mesmo para uma pessoa que você tenha acabado de conhecer.

Desculpe-se da melhor forma

Se começamos com o pé errado por causa de um simples tropeço, o melhor é pedir desculpas. “Às vezes más primeiras impressões são causadas por erros genuínos. Talvez você discutiu um assunto delicado, sem saber, ou confundiu seu novo contato com outra pessoa. Basta pedir desculpas por seu erro”, aconselha perito da carreira Heather R. Huhman.

Embora admitindo que um passo em falso pode deixar qualquer um muito nervoso e preocupado, você deve, no entanto, evitar o excesso de desculpas por uma primeira impressão. Afinal, dizer que está arrependido é importante, mas exagerar pode criar uma outra situação desconfortável. Isso coloca a outra pessoa na desconfortável posição de ter de tranquilizá-lo constantemente.

Articule a situação

Se um pedido de desculpas direto não parece se adequar à situação, você sempre pode tentar uma nova abordagem. Uma das melhores formas para se recuperar de uma má primeira impressão é a de virar o jogo, mostrando um lado diferente e mais favorável de sua personalidade.

Em outras palavras, se você tentou fazer uma piada e ela caiu mal, então, demonstre sinceridade. Ou se você tentou ser sincero e isso soou agressivo, então, demonstre compaixão. Se concentrar em um aspecto diferente da sua personalidade pode ajudar a remodelar a percepção de seu caráter e valor.

Seja persistente e consistente

Se você estiver realmente determinado a conquistar alguém depois de um começo difícil, esteja avisado que seus esforços podem demorar algum tempo. Um estudo da Harvard sugere que levará oito encontros positivos subsequentes para mudar o parecer negativo criado por uma pessoa. Neste contexto seja persistente e paciente.

O ponto focal também é que, simplesmente aguardar o tempo passar pode não ser o suficiente para que o quadro seja alterado. Você também precisa ser estável em seus futuros comportamentos. Afinal, superar uma má primeira impressão requer que todo o comportamento futuro seja consistente com a forma como você quer ser percebido.

Gostou desse nosso post? Quer ficar sempre por dentro de todas as novidades dos nossos canais? Então siga agora nossas redes sociais, estamos no Facebook, no Twitter e no LinkedIn!

4-dicas-de-especialistas-para-falar-em-publico-sem-medo.jpeg

4 dicas de especialistas para falar em público sem medo

Para um profissional fechar bons negócios e até mesmo construir uma imagem positiva, é necessário que ele possua uma boa comunicação. Mas nem todos têm segurança para falar em público e acabam não indo bem nas suas apresentações.

A boa notícia é que o nervosismo e ansiedade ocasionados por estar diante de uma plateia podem ser amenizados: existem algumas técnicas que podem ser utilizadas para melhorar o poder de comunicação.

Quer saber quais são elas? Continue a leitura e conheça 4 dicas recomendadas por especialistas para se expressar em público sem deixar o medo dominar você!

1. Pratique mais situações de falar em público

O sentimento de ansiedade é bastante comum e natural de acontecer durante apresentações. É o que explica a psicóloga brasileira Cláudia Lúcia Menegatti. O motivo apontado por ela é que, quando nos expomos para uma plateia, estamos abrindo a possibilidade de sermos julgados.

Ou seja, as pessoas que nos assistem podem criar juízos sobre a maneira que falamos e colocamos a postura do corpo. Mas é preciso conseguir lidar com essa experiência.

Por isso, Menegatti recomenda que os profissionais devem praticar mais situações de fala em público. Pois quanto mais vezes fizerem apresentações, mais fácil fica de se adaptar com esses momentos. Portanto, não negue convites para se apresentar em público. Essas são oportunidades para você se exercitar!

2. Crie um plano de contingência

Existem profissionais que se inibem ao falar em público porque simplesmente acham que algo vai dar errado. É o medo da apresentação do PowerPoint não funcionar ou o microfone pifar na hora.

Isso gera bastante ansiedade. E, para fugir disso, o consultor de marketing e comunicação britânico Simon Sinek recomenda criar um plano de contingência.

Isto é, pensar em alternativas para a apresentação. Caso algo dê errado, você utiliza o plano B para não perder a oportunidade.

3. Prepare diariamente o seu potencial de comunicação

Geralmente, as pessoas querem falar bem em público, porém, se esquecem de fazer isso no dia a dia. A fonoaudióloga especialista em comunicação, Cida Stier, argumenta que se expressar bem é um tarefa para ser praticada diariamente.

Sendo assim, ela recomenda que as pessoas invistam em métodos para melhorar a dicção e tenham uma maior empatia pelos outros. A especialista destaca que as capacidades de comunicação melhoram muito quando se está disposto a ouvir o outro.

4. Estude o tema antes de falar em público

As crises de ansiedade e a tremedeira ocasionadas pela fala em público, muitas vezes, ocorrem por falta de conhecimento do assunto. O profissional começa a titubear porque não domina o conteúdo que vai apresentar.

Para evitar isso, a coach Cibele Nardi indica estudar previamente o assunto. Segundo ela, isso traz bastante segurança e firmeza para poder fazer uma bela apresentação ao público.

Com essas dicas, sem dúvidas, falar em público vai ser algo mais fácil para você. Ao aplicá-las na sua rotina, as suas imagens pessoal e profissional tendem a ser positivas. No entanto, é preciso ficar de olho em como elas estão na internet. Então, conheça algumas sugestões de como evitar a crise de imagem nas redes sociais.

Gostou do post de hoje? Fique por dentro das novidades seguindo o nosso perfil no Facebook, Twitter e LinkedIn!

 

161652-estender-500-utilize-tecnicas-de-linguagem-corporal-para-melhorar-sua-argumentacao

Utilize técnicas de linguagem corporal para melhorar sua argumentação

Em diversos casos, não adianta muito ter um currículo extenso ou boas práticas profissionais. Em situações em que uma boa comunicação é necessária, a linguagem corporal torna-se um cartão de visita imbatível. Para encontrar novas oportunidades, é preciso uma boa articulação não só da fala, mas também do corpo.

Uma postura correta, um tom de voz agradável e um olhar penetrante fazem com que uma conversa de negociação, por exemplo, seja bem-sucedida. Além disso, essas características podem ser usadas nas estratégias de gestão de uma marca pessoal.

Quer saber mais? Acompanhe este artigo e descubra 9 dicas fundamentais para você ter uma boa linguagem corporal. Confira agora mesmo!

1. Tenha uma postura correta

Uma profissional que está sempre com uma postura inclinada ou se senta encurvada acaba chamando negativamente a atenção do interlocutor. Com isso, perde credibilidade na conversa.

Para fugir disso, sempre mantenha a postura ereta do corpo. Assim, você vai passar uma imagem de segurança e confiabilidade. É preciso ter essa postura enquanto estiver andando e quando estiver sentada.

Uma dica para melhorar a sua postura, caso você encontre dificuldades, é realizar exercícios. Você pode procurar uma academia para ajudá-la. Aliás, isso ainda trará benefícios para a sua saúde.

2. Cuidado com o tom de voz

Algumas profissionais, quando estão inseguras, acabam aumentando o tom de voz, achando que vão dominar o discurso. Na verdade, o efeito é inverso. Isso demonstra despreparo e falta de respeito para com quem se fala.

Sendo assim, mantenha um tom de voz natural. Nem muito alto, nem baixo demais. Quando você fala em um tom estável, o seu interlocutor tende a confiar mais em você e em seus argumentos.

Da mesma forma, procure falar pausadamente para que a pessoa que está conversando com você possa entendê-la com facilidade. Lembre-se de que a voz é algo muito avaliado em uma pessoa; por isso, você deve evitar ao máximo qualquer descuido.

3. Fixe o olhar no interlocutor

Uma profissional que não olha nos olhos da pessoa com quem se fala certamente não conquistará o que pretende. Isso pode até sugerir que está mentindo sobre o assunto, já que essa postura é totalmente inadequada.

Geralmente, é no olhar que se pode identificar uma mentira. Por exemplo, imagine um homem contando para a parceira que a ama e não a enganou quando não pode ir ao shopping com ela, mas que diz tudo isso sem olhar em seus olhos. Provavelmente, a namorada não acreditará nele.

Da mesma forma, para não passar essa impressão, mantenha o olhar na direção dos olhos do seu interlocutor. Isso é bom para você demonstrar que se interessa pelo que é dito. Também mostra que você tem seriedade durante a conversa.

4. Respire profundamente para ter uma linguagem corporal adequada

Uma das causas que aceleram os sinais de insegurança e ansiedade é a falta de uma respiração adequada. Quem respira muito rápido acaba demonstrando que é uma pessoa nervosa. Isso não é bom!

Portanto, tenha uma respiração mais natural. Antes de conversar com alguém, pratique alguns minutos de respiração profunda. Durante a conversa, respire lentamente e, ao mesmo tempo, preste atenção no que é dito a você.

Se possível, faça esse treinamento em casa, imaginando a pessoa com quem vai conversar; assim, você terá menos chances de errar depois.

5. Mantenha os braços descruzados

Em uma conversa ou apresentação, a profissional que fica com os braços cruzados sinaliza que não está interessada em interação social e demonstra que é uma pessoa fechada ou reservada. Isso fará com que você tenha dificuldades em seu relacionamento profissional.

Mude essa postura! Mantenha os seu braços livres, pois assim você mostrará ser uma pessoa interativa e comunicativa. Além disso, em momentos pontuais, junte suas duas mãos para encontrar um equilíbrio na postura. Dessa forma, as pessoas se sentirão muito mais a vontade para conversar com você.

6. Faça uma primeira impressão com o aperto de mão

O aperto de mão é outra parte da linguagem corporal que pode contribuir para o seu sucesso em uma conversa.

Na hora de cumprimentar uma pessoa, você precisa apertar a mão com firmeza, pois isso indica que você é alguém de confiança. Caso aperte a mão com fraqueza, isso indicará passividade e a desqualificará na comunicação.

Desse modo, a postura acertada para cumprimentar alguém é oferecer o aperto de mãos na altura da barriga. Além disso, lembre-se de que apertar as mãos com firmeza não significa que será com muita força, já que isso pode machucar a mão da pessoa, podendo afastá-la de você, e não contribuirá de forma alguma para a sua imagem.

7. Ouça com atenção

Uma das coisas em que as pessoas mais têm dificuldades, atualmente, é ouvir o que as outras têm a dizer. Todavia, quem está falando também percebe quando você não está atento ao que ela está dizendo.

Por isso, uma forma de usar a linguagem corporal para o seu benefício é ouvir, atentamente, o que o outro está falando. Isso demonstrará que você é uma pessoa confiante e tranquila, pois sabe esperar a sua vez de falar.

Além disso, é importante lembrar que ouvir com atenção fará com que você não interrompa a pessoa que está se comunicando com você, o que a deixará mais livre para desejar falar mais.

8. Sorrir para as pessoas

É muito importante sorrir em todos os contextos da vida. Uma pessoa sorridente transmite alegria ao ambiente e revela uma imagem gentil de si mesma. Além disso, estudos revelam que sorrir faz até mesmo bem à saúde.

Dessa forma, por exemplo, em uma entrevista de emprego, você passará uma imagem de ser uma pessoa animada. Isso também revelará a sua autoconfiança, o que a ajudará a ocupar a vaga oferecida.

No entanto, lembre-se de fazer tudo com moderação. Não é preciso sorrir exageradamente, pois isso também pode desqualificá-la. É muito importante ter equilíbrio.

9. Ter um pensamento positivo

Por fim, algo muito importante que determinará como você usará a sua linguagem corporal é a forma como você pensa de si mesma. Caso você pense que é fracassada e impotente, tenderá a usar mal todas as suas expressões corporais.

O seu corpo age de acordo com o que você pensa de si mesma. Dessa forma, não tem como você se sentir fraca, mas reagir de modo forte.

Por isso, é essencial que você tenha autoconfiança. Sendo assim, o seu corpo agirá dessa forma, pois você deseja alcançar o sucesso em sua comunicação, atraindo mais pessoas para conversar com você.

Além disso, não há significado em melhorar a argumentação corporal, se você não cuidar da sua autoestima e da forma como você pensa de si mesma primeiro.

Portanto, com essas técnicas de linguagem corporal, provavelmente, você passará uma ótima imagem de si e será bem-sucedida em seu ato de comunicação. Além dessas posturas, tenha cuidado com a sua imagem profissional: alguns comportamentos sabotadores precisam ser evitados.

Quer ficar sabendo sobre mais dicas para a gestão da sua carreira? Assine a nossa newsletter e receba outras informações interessantes em seu e-mail!

imagem-negativa-os-problemas-que-ela-pode-causar-em-sua-carreira.jpeg

Imagem negativa: os problemas que ela pode causar em sua carreira

Muitas vezes, uma pessoa quer se posicionar no mercado de trabalho de maneira diferenciada e busca diversas alternativas. Por exemplo, investe em cursos de atualização e idiomas para melhorar o currículo. No entanto, acaba não se preocupando com o poder que uma imagem negativa tem neste processo.

Isso porque se ela não se veste adequadamente, fala mal dos colegas ou faz piadas de mal gosto certamente está corroendo a sua carreira. E pior é que, às vezes, essa pessoa nem saber disso.

Ficou surpreso com o potencial da imagem? Acompanhe este texto e conheça três consequências que uma imagem negativa pode ocasionar na vida profissional.

1. Uma imagem negativa pode diminuir a rede de contatos

Imagine em um funcionário que sempre faz piadas de mal gosto com seus superiores e colegas. Ou pense naquele colaborador que se promove em cima de trabalho alheio, a qualquer custo. Em ambas situações a imagem negativa foi construída perfeitamente, concorda?

E mais, tudo isso interfere na rede de contatos do profissional que provocou essas situações. Isso porque a moralidade e o respeito parece não serem os valores  deste tipo de profissional. E essas características são bastante importantes na hora de firmar relacionamentos e construir credibilidade.

Como consequência, a rede de contatos deste profissional imoral acaba diminuindo. Afinal, ninguém mais quer manter ligação ou fazer indicações positivas de alguém que pouco se importa com a integralidade dos outros.

2. Uma imagem negativa pode impedir contratações

A pessoa  usa roupas inadequadas para o trabalho. Ela costuma sempre fazer fofocas sobre os colegas nas redes sociais e seus atrasos na empresa não são raros. Todas essas características edificam uma imagem negativa daquela pessoa. Impedindo que ela consiga ser bem-sucedida em processos de contratação.

Inclusive, um indivíduo que apresenta problemas na empresa atual justamente por questões relacionadas a sua imagem negativa, acaba procurando oportunidades em outras empresas.

Mas, como tem uma conduta desrespeitosa e sem empatia, deixa transparecer os seus hábitos ruins.

É comum nestes casos, por exemplo, durante uma entrevista de emprego, o candidato falar mal sobre seus últimos empregos. Ele não consegue destacar os pontos positivos, apenas diz sobre desavenças e pretende desqualificar seus colegas e chefes anteriores.

Dessa forma, este profissional carrega e revela sua imagem negativa para os recrutadores. Muito dificilmente vai ser contratado.

3. Uma imagem negativa arranha a reputação de toda a empresa

Uma organização bem reconhecida no mercado e que eventualmente possui um funcionário com imagem negativa vai acabar se desfazendo deste.

Isso porque, a percepção desfavorável que um cliente, por exemplo, tem sobre um colaborador pode danificar toda a reputação da empresa. Já que este cliente possivelmente vai fazer uma propaganda negativa sobre a empresa como um todo.

Por isso, as empresas não querem manter na organização alguém que esteja desalinhado com o comportamento positivo da corporação. Nestes casos, é melhor perder um funcionário do que um cliente.

Essas foram algumas das consequências de uma imagem negativa para a carreira de um profissional. Para evitar isso, tome cuidado com a roupa que você usa no trabalho. Escolha sempre a mais adequada para aquele ambiente. Não abuse no perfume ou na maquiagem. Assim, você garante algumas condições para não prejudicar a sua imagem.

Você tem alguma postura que não favorece a você? Descubra cinco atitudes sabotadores de imagem para um profissional.

207632-estender-500-palavras-conheca-5-sabotadores-de-imagem-para-um-profissional

Conheça 5 sabotadores de imagem para um profissional

Quem busca crescimento e reconhecimento profissional deve sempre fazer uma autocrítica em relação aos pontos que pode melhorar. Dentro do ambiente profissional, algumas pessoas ainda não entenderam a importância de cuidar da própria imagem.

A coerência entre a marca pessoal e o ambiente de trabalho deve existir, pois, em conjunto com seus conhecimentos, experiência e talento, ela aumenta suas chances de ser reconhecido.

O destaque, em relação à sua imagem profissional, deve ser feito com elementos que contribuam positivamente para o seu visual, caso contrário você pode sabotar a sua própria imagem no trabalho. Embora nem toda empresa estabeleça um uniforme ou dress code, identificamos alguns pontos comuns na maioria dos locais de trabalho.

Que tal repensar a sua imagem no trabalho? Conheça agora 5 sabotadores de imagem para um profissional! Continue com a leitura e fique por dentro!

1. Repetir a mesma roupa em dias seguidos

Usar a mesma roupa em dias seguidos envolve algumas questões relacionadas à limpeza e higiene. Quando você usa a mesma peça, seguidamente, encontra uma maneira fácil e silenciosa de ser estigmatizado no escritório. Em vez de usar as mesmas peças todos os dias, organize-se para usá-las em outras combinações, em dias diferentes.

Você não precisa gastar fortunas em roupas para ter opções de looks para vestir no trabalho. A chave é comprar peças que combinem entre si, com uma boa variedade de blusas e acessórios, para variar.

Um bom truque é investir em partes de baixo mais sóbrias e básicas, para misturar com blusas e casacos mais estilosos e charmosos. Lenços, óculos, sapatos e bijuterias complementam o visual.

Existem consultorias de moda e estilo que podem ajudar nessa questão. Procure também referências na internet, de pessoas com o estilo parecido com o seu, e vá atrás das lojas exibidas por elas. Também é importante contar com a opinião de pessoas próximas, que conheçam você, as suas características e preferências.

2. Não se vestir de acordo com o seu ambiente de trabalho

Nem todas as empresas possuem as mesmas regras de vestuário. Em ambientes mais informais, como no caso das startups e das agências de publicidade, os profissionais têm mais liberdade em relação ao visual. Jeans são permitidos, assim como camisetas.

Já nos ambientes mais formais, como no caso das multinacionais, bancos e empresas tradicionais, o profissional deve se adequar ao visual dos seus colegas de trabalho.

É bom observar a forma com que os seus colegas se vestem para definir quais as roupas você usará no trabalho. Evite a cópia e pegue as referências para transformá-las no seu estilo próprio.

Usar roupas muito inadequadas para o local de trabalho demonstra desconexão com o ambiente e a proposta, portanto, não deixe essa dica de lado.

3. Usar perfume e maquiagem em excesso

O perfume é algo muito pessoal, por isso ele deve ser discreto e é importante lembrar de não exagerar na dose. Já na maquiagem, os extremos também não são recomendáveis. Ao se maquiar muito, você tira o foco do que realmente importa, que é o seu trabalho. O ideal é optar por uma maquiagem mais leve e discreta.

Para o perfume, não tem jeito: é preciso prestar atenção no limite entre sair de casa sem nada e pesar a mão. Autocrítica e a ajuda de amigos ou familiares vão evitar que você exagere no perfume.

Já no que diz respeito à maquiagem, a dica da internet também vale. Existem inúmeras pessoas que produzem conteúdo, em blog ou vídeo, falando sobre maquiagem. Pesquise e encontre aquela que mais combinar com o seu estilo, preste atenção nas dicas e nos tutoriais.

4. Ir trabalhar com roupas desgastadas ou mal cuidadas

Roupas com botões faltando, barra da calça sem fazer, manchas, desgastes, rasgos, bolinhas nas malhas e sapatos sujos, são alguns dos exemplos que você precisa evitar para valorizar a sua imagem profissional. Esses detalhes podem fazer a diferença em como sua postura profissional é percebida.

Seja criterioso com o estado das suas roupas e acessórios. Não hesite em descartar o que não tiver mais conserto. E, caso seja possível reparar, conte com uma boa costureira para renovar a sua peça.

Tenha um espelho de corpo inteiro, e cheque com cuidado cada detalhe antes de sair para trabalhar. É um detalhe, mas que fará uma grande diferença para sua imagem no ambiente de trabalho.

5. Demonstrar falta de cuidados com o cabelo

O cabelo é outro ponto muito pessoal, pois cada pessoa tem características que divergem em relação aos demais. Alguns cabelos são mais volumosos, uns são lisos, outros são cacheados e há pessoas que nem cabelo têm. Diferenças existem e elas devem ser respeitadas, porém seu estilo capilar também faz parte da sua imagem e merece cuidados.

Tenha um cabeleireiro de confiança, que conheça o seu cabelo e as suas características para cuidar do seu cabelo. E faça visitas frequentes ao salão, para manter o corte, hidratar e cuidar dos fios. É um esforço que vale a pena.

Um dos principais sabotadores nesse sentido são as caspas. Não lavar o cabelo com frequência também pode prejudicar sua imagem, pois o cheiro ruim sempre chega até as outras pessoas.

Por mais competente que o profissional seja, aparentar desleixo no visual é negativo para a carreira. Pode parecer o fútil ou superficial, mas não é: cuidado com o visual e os cuidados pessoais denota comprometimento consigo mesmo.

E, mais importante que isso, andar alinhado, bonito e bem cuidado impacta diretamente na sua autoestima. Você vai se sentir melhor, e refletir isso no seu dia a dia: desempenhando sua função com maior dedicação e se relacionamento de uma forma mais positiva com os colegas e superiores.

Por isso, esse esforço de estar bem, tanto por dentro quanto por fora, é válido! Frequentar um cabeleireiro competente, comprar boas roupas, investir em cosméticos e perfumes de qualidade pode parecer menos importante do que outros aspectos, como a formação e a competência, mas não é: eles são sinais de uma pessoa em harmonia, feliz e bem cuidada. Aquele que todos querem em sua equipe!

Você precisa estar sempre de olho nos sabotadores de imagem que podem comprometer a sua aparência e interferir no seu trabalho. Quer mais dicas como essa? Então, que tal seguir nossas redes sociais? Estamos no FacebookTwitter e LinkedIn!

como-ganhar-visibilidade-e-projetar-seu-nome-no-exterior.jpeg

Como ganhar visibilidade e projetar seu nome no exterior

Que artista, atleta, executivo ou músico brasileiro não sonha em ganhar visibilidade mundo afora? Chegar lá não é um caminho rápido e muito menos fácil. É preciso investir na imagem pessoal, lapidar constantemente os talentos e vivenciar comportamentos adequados ao longo do histórico profissional.

E como ganhar visibilidade no exterior? É o que vamos abordar neste post por meio de cinco dicas imprescindíveis para quem quer projetar o nome em outros países.

1. Tenha visibilidade na internet

A busca por novos negócios, independentemente da sua área de atuação, começa com a visibilidade online. É importante criar estratégias de marketing para ampliar a presença em outros países por meio de conteúdos diferenciados e com qualidade.

Para isso, é preciso estabelecer prioridades e objetivos, com um planejamento muito apurado de onde se quer chegar. Por exemplo, produza em outros idiomas e tenha a estrutura do site aberta para várias línguas, ampliando o rol de visitantes.

2. Fortaleça seu networking

Enquanto artistas e músicos buscam parcerias para ganharem visibilidade no exterior, executivos e profissionais de outros ramos de atuação precisam fortalecer os relacionamentos para conquistarem espaço. Participe de conferências, seminários internacionais e não meça esforços para puxar conversas com os gringos.

Apresente seus produtos e troque informações. Agregue valor na troca de experiências e esteja presente em almoços de negócios e também em parcerias. Muitos projetos de cidades irmãs entre Brasil e outros países também podem ser aproveitados por meio de apoios ou patrocínios, aumentando a visibilidade de sua marca e também dos serviços prestados.

3. Foque em suas qualidades

Todo profissional tem qualidades que se destacam em seu perfil. Valorize e divulgue suas potencialidades. Faça cursos no exterior e conheça cada vez mais gente do mesmo ramo de atuação. Divulgue seus projetos em aplicativos de comunicação e mostre ideias inovadoras para instigar a curiosidades de outros empreendedores ou executivos.

Crie soluções para problemas corriqueiros enfrentados pelas empresas e otimize seu tempo em prol de sempre manter-se atualizado. É importante estar à frente do que vem sendo lançado em âmbito mundial no seu setor de atuação.

Faça um atraente cartão de visita e o distribua nos encontros com profissionais de outros países. Monte uma arte com contatos em idiomas diferentes, de acordo com suas pretensões.

Mostre-se interessado em obter experiências no exterior e deixe claro este posicionamento nas conversas de negócios ou informais. Seja entusiasmado e motivado a mudar de país. E deixe bem evidente esta opinião para que a informação atinja cada vez mais pessoas.

4. Fale com o Recursos Humanos

Procurar o Departamento de Recursos Humanos de sua empresa para demonstrar a sua vontade de obter experiências no exterior pode ser um bom caminho. Muitas multinacionais têm convênios de trabalho e também oferecem cursos ou treinamentos em outros países.

É uma maneira inteligente de melhorar o seu currículo e ainda pode abrir muitas portas por meio dessa visibilidade.

5. Tenha foco e siga seus líderes

Foco é uma palavra chave para quem quer alçar voos no Brasil e fora dele. Além disso, trilhar experiências de bons líderes também ajuda muito. Acompanhe a trajetória de profissionais que conquistaram a visibilidade no exterior e busque seguir os exemplos dos vencedores.

Geralmente, muitos aprendizados acontecem e você poderá, futuramente, inspirar outras pessoas a seguirem o mesmo caminho.

Depois de ler este post, certamente estará no caminho certo para saber como ganhar visibilidade. Aproveite e compartilhe este conteúdo nas redes sociais! Além de ajudar outras pessoas, você estará comunicando a todos sua vontade de projetar seu nome no exterior.

como-evitar-crise-de-imagem-nas-redes-sociais.jpeg

Como evitar crise de imagem nas redes sociais

As redes sociais são seu cartão de visita. Se alguém quer saber mais sobre a sua vida, logo acessa seu Facebook ou Instagram e encontra um mundo de informações. Isso pode influenciar diretamente em suas relações tanto pessoais quanto profissionais, pois há exposição direta de sua imagem.

Clientes nervosos, denúncias de publicações que contenham pensamentos diferentes, ameaças de processo judicial, comentários hostis… Várias consequências ruins podem surgir a partir de postagens e, com seus prints, um pequeno deslize pode virar um terremoto!

Para evitar esse tipo de situação constrangedora, trouxemos algumas dicas que te ajudarão a evitar uma crise de imagem nas redes sociais:

Atente-se às suas interações offline

O mundo real não foge aos olhos de ninguém. É importante se atentar não apenas a como você se apresenta no meio virtual, mas também a como são suas atitudes fora das telas. Se seu objetivo é ser respeitado e visto como uma pessoa séria, tome isso para a sua vida como um todo.

Pode ser que você não se exponha e consiga controlar a sua imagem, mas não há como controlar a câmera alheia. Vídeos e fotos em uma balada entre amigos ou de um momento simples de descontração podem desencadear uma grande crise de imagem!

Mantenha seu sangue frio

Você está navegando em suas postagens e, de repente, se depara com um comentário negativo. A vontade que bate na hora é falar poucas e boas com a pessoa, colocando-a em seu lugar. O problema é que não pensamos nas consequências futuras desse ato: dizer o que pensa na hora proporciona alívio devido ao desabafo, o que ameniza bastante um ataque de fúria. Mas e o que acontece a longo prazo? Sua reputação pode descer pelo ralo!

É sempre bom lembrar que as postagens são públicas — outras pessoas verão além de quem será atingido. Isso pode abalar completamente sua imagem diante de clientes, pois você está se mostrando como alguém que não sabe controlar suas emoções. Respire fundo, pare um pouco e, se necessário, saia da rede social. Elabore uma resposta fina, educada e neutra, sendo o mais imparcial possível. Use sua sabedoria.

Seja sempre educado

A educação é uma característica que deve fazer parte da sua imagem, como se fosse um membro do corpo. As pessoas se sentem mais seguras e confiantes quando estão lidando com alguém que as respeita, que tem ética e que sabe lidar com elas da melhor forma possível. A educação é uma das bases para que consigamos viver bem em sociedade.

Mostrar-se educado pode até ser um incentivo para um cliente solicitar seus serviços. Abuse do “senhor(a)”, do “obrigado”, do “por favor”, do “bom dia”, do “boa tarde” e do “boa noite”.

Evite ambiguidades

Seja claro e objetivo; não dê margem para que as pessoas interpretem as situações da forma como bem entenderem. Essa pode ser uma pedra que fará você cair em uma grande crise de imagem.

Mantenha uma comunicação que não gere dúvidas em relação ao que você quer passar para as outras pessoas. Caso seja viável, apresente provas sobre suas palavras, como links com notícias relacionadas, sites ou blogs que contenham uma explicação sobre o que quer passar.

Agora que você sabe como evitar uma crise de imagem no meio virtual, ajude seus amigos também compartilhando o post em suas redes sociais!

qual-e-a-diferenca-entre-perfil-e-fanpage-no-facebook.jpeg

Qual é a diferença entre perfil e fanpage no Facebook?

Você quer desenvolver um trabalho em redes sociais, mas está com dúvidas da diferença entre perfil e fanpage no Facebook? Fique tranquilo, esta é uma dúvida comum e este post é exatamente para esclarecer isso de uma vez por todas. E mais, você ainda vai ver qual o melhor meio pra você e como se utilizar dele para conseguir resultados expressivos no trabalho com a sua imagem profissional.

Apenas uma observação, o Facebook não é a única rede social que possui espaços próprios para empresas e profissionais liberais, outras redes, como o Instagram, também estão abrindo as portas e oferecendo algumas funcionalidades específicas para o desenvolvimento de negócios em sua plataforma. Fique de olho!

A diferença entre perfil e fanpage no Facebook

O perfil

Pessoas físicas que querem se utilizar do Facebook de forma pessoal, devem criar um perfil na rede. É como se fosse uma ficha de um arquivo onde constam todas as informações que o usuário deseja colocar, como: histórico pessoal; de estudo; de trabalho; interesses e rede de amigos (limitada a cinco mil usuários).

Todas as funcionalidades de um perfil do Facebook geram em torno da interação social, como: lembretes de aniversários; recordações; eventos; jogos; entre outras ferramentas.

Agora, o principal motivo de alguns profissionais tentarem desenvolver um perfil e não uma fanpage, está no fato de que pelo perfil, você mesmo pode entrar no perfil de outro usuário e convidá-lo a fazer parte da sua rede de contatos. Enquanto com a fanpage, é preciso motivar o interesse dos usuários a curtirem sua página.

Um caminho que parece mais fácil pode levar à sua ruína. Afinal, além de ter funcionalidades bastante limitadas, quando o gerenciamento do Facebook descobre o uso impróprio do perfil, ele exclui a conta e você perde todo o trabalho desenvolvido.

A fanpage

Fanpage é o nome dado às páginas para negócios do Facebook. E, ao contrário do que muitos pensam, ela não é exclusiva para empresas e marcas, mas profissionais liberais, atletas, artistas, políticos e outras pessoas que querem fortalecer sua imagem como uma referência na área de atuação também podem se utilizar deste espaço.

O conceito da fanpage é construir uma imagem sólida e apresentar para pessoas que possam ter interesse pelo que você faz. Além disso, a ideia é criar relacionamentos, aumentando a interação com o seu público e, assim, o alcance da sua imagem e proposta.

Toda fanpage precisa de um perfil que a gerencie, e pode haver até mais de um perfil que gerencie uma única página, inclusive, com cargos administrativos que restringem o acesso de cada um.

As principais vantagens e funcionalidades da fanpage

  • Número ilimitado de seguidores

Enquanto no perfil o limite é de até cinco mil amigos, na fanpage não há limite de seguidores.

  • Campanhas patrocinadas

​As postagens orgânicas (não pagas) são fundamentais para a criação da sua imagem e o relacionamento com os seus seguidores. Mas para conseguir um maior alcance de público, é preciso investir em campanhas patrocinadas, pelo Facebook Ads, que podem ser desenvolvidas com diferentes objetivos, como: mais curtidores na página; acesso ao seu site; download de materiais; cadastro etc.

  • Segmentação de público

​Ao desenvolver suas campanhas patrocinadas no Facebook Ads, você pode ter uma maior assertividade devido às possibilidades de configuração das campanhas e, uma delas, é a segmentação de público. Você pode escolher para quais perfis de usuários você gostaria que seus anúncios fossem exibidos, de acordo com características e histórico de navegação.

  • Métricas de resultados

​Diferentemente do perfil, na fanpage você pode contar com o Facebook Insights que lhe oferece relatórios sobre o desempenho da sua página e das suas ações especificamente. Nas próprias postagens, você já consegue visualizar facilmente o alcance, mas nos relatórios, você pode ir mais a fundo conhecendo quem é o seu público e quais conteúdos postados geraram melhores resultados.

Há muitas outras vantagens e funcionalidades da fanpage, mas, inicialmente, é importante que você saiba exatamente onde se posicionar. Não hesite em procurar um profissional ou agência de marketing digital para lhe ajudar.

E agora que você já sabe a diferença entre perfil e fanpage no Facebook, deixe um comentário no post nos contando alguma experiência ou suas dúvidas. Que tal iniciar um bate papo?