Patricia Dalpra para o site Inteligência & Inovação sobre a importância do personal branding na gestão de carreira

O futuro do trabalho sinaliza mudanças sensíveis num cenário muito próximo. Como comunicar de forma mais eficiente e transparente seu verdadeiro potencial ao mercado e, consequentemente, fazer a diferença num ambiente altamente competitivo.

É cada vez maior o impacto da Inteligência Artificial sobre algumas profissões. O futuro do trabalho sinaliza mudanças ainda mais sensíveis num cenário muito próximo, já que cada vez mais as máquinas ocuparão o lugar dos humanos em inúmeras posições. Um estudo do McKinsey Global Institute revela que 5% das atividades profissionais podem desaparecer em pouco tempo e que 60% delas podem ter um terço das tarefas automatizadas. E o que isso quer dizer na prática? Que o cenário será muito diferente muito antes do que imaginamos e que processos e formas de pensar o trabalho precisam ser revistos por empresas e profissionais.

Assim como aconteceu com o movimento de globalização, ocorrido na década de 1990, no qual acreditava-se que aconteceria uma homogeneização em função da “queda” das fronteiras geográficas, o que se viu foi um movimento contrário. A diferenciação, ou seja, a singularidade surgiu como um contramovimento muito forte.

Estrategista em Gestão de Imagem e Carreira, Patrícia Dalpra explica que ao mesmo tempo em que o movimento de globalização se consolidava, o Branding – conjunto de ações alinhadas ao posicionamento e valores de uma marca – também começava a ganhar força. O objetivo era descobrir o que cada marca – de uma pessoa, empresa ou mesmo de um país – apresentava de singular para posicioná-la no mercado diante de uma nova realidade.

“Atualmente, percebemos novamente um contramovimento. Ao contrário do que se espera em um cenário em que a inteligência artificial ganha força, características mais humanizadas tornam-se um grande diferencial, um valor determinante dentro do mundo profissional”, afirma a estrategista, referindo-se à valorização das chamadas Soft Skills.

Para aqueles que ainda não estão familiarizados com a expressão, Soft Skills são habilidades comportamentais que diferenciam um profissional no ambiente de trabalho e a forma como ele reage a determinadas situações do cotidiano profissional. Neste momento, características como inteligência emocional, criatividade, empatia, curiosidade e proatividade são altamente valorizadas na hora de uma empresa contratar um profissional.

“Uma vez ouvi o publicitário e administrador de empresas Walter Longo falar sobre o seu processo de seleção de candidatos. Ele contou que nos últimos anos tem buscado profissionais que sejam sustentáveis, ou seja, que saibam reciclar ideias, conceitos e visão de futuro e CEOs. De uma forma mais simples, o que ele e muitas empresas buscam no momento são profissionais mais criativos, engajados e otimistas”, ressalta Patrícia Dalpra.

A estrategista em gestão de imagem e carreira enfatiza que no mercado de trabalho atual, especialmente com o prolongamento da pandemia, habilidades técnicas e acadêmicas não são mais as determinantes para uma contratação. As soft skills passaram a ter um peso muito importante para as empresas na hora de escolher um profissional para o seu time de colaboradores.

Diante desse cenário, o autoconhecimento torna-se fundamental. Conhecer sua marca pessoal, identificar suas forças, talentos inatos, pontos fracos e habilidades a serem desenvolvidas é fundamental. Todo e qualquer profissional que pretende ser protagonista da sua carreira, e fazer parte da revolução do novo em uma economia criativa, precisa descobrir sua marca pessoal. Nessa nova evolução disruptiva, é necessário ser diferente para fazer a diferença.

“O momento é efêmero, tudo é fugaz. Para se viver, e não apenas sobreviver neste cenário, é preciso se conhecer profundamente, entender seu potencial, e, principalmente, se comunicar de forma adequada. O mercado tem demonstrado que, no que se refere à carreira, esses movimentos são fundamentais e estratégicos”, orienta a especialista.

Na opinião de Patrícia Dalpra, a gestão de carreira hoje precisa ser muito mais “Waze” do que “GPS”. No GPS, basta que se coloque o local em que se quer chegar. O aparelho traça uma rota e segue o caminho que foi definido. Com o Waze, o destino é conhecido, mas, muitas vezes, não se sabe como chegar lá. O trajeto vai mudando e o condutor precisa se adaptar às transformações de cenário até chegar ao seu objetivo. A única condição é não perder o foco de onde se pretende chegar. É um cenário que exige flexibilidade, adaptabilidade, velocidade de reação e alinhamento não linear.

Para ler mais acesse o site Inteligência & Inovação.

pop up pd autoconhecimento na gestão de carreiras

Patricia Dalpra é Estrategista em personal branding e gerenciamento de carreira.

O trabalho que Patricia Dalpra desenvolve surgiu de uma vontade e de uma certeza: vontade de levar pessoas e empresas a crescer, alcançar seus objetivos de negócios e de imagem e se relacionar melhor com outras pessoas e empresas; e certeza de que um trabalho estruturado de gestão de imagem e carreira é um dos melhores caminhos para se chegar lá. Ao longo de mais de uma década, a Patricia Dalpra já trabalhou para centenas de profissionais, executivos, empresários, atletas, instituições e empresas.

Specialties: Gestão de imagem, gestão de carreira e coaching. Personal branding, branding executivo, brand on, brand off, estudo do dna pessoal e corporativo e comunicação.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *