Posts

como-descobrir-o-seu-mercado-ideal.jpeg

Como descobrir o seu mercado ideal?

Quase todo mundo tem um sonho na gaveta. Às vezes não se trata nem de um sonho, mas de uma habilidade ou inclinação para determinada tarefa que, em algum momento, foi deixada para trás por simplesmente não acreditar que seria funcional.

No entanto, quando se percebe que dificuldades existem em todos os caminhos, e o peso de trabalhar com o que não gosta se torna insuportável, algumas pessoas tomam coragem e resolvem acreditar no sua intuição.

Esse reconhecimento é o primeiro passo para uma carreira de sucesso, porém, existem muitas outras etapas para descobrir, dentro do que se busca, o seu mercado ideal e tornar o seu negócio lucrativo.

Vamos aos outros passos:

1 – Localizar o seu negócio no mercado

Todo projeto demanda uma pesquisa prévia. Quanto mais você souber sobre o meio que está se inserindo, melhor será seu desempenho.

Em contextos diferentes, mas seguindo a mesma lógica, um candidato deve conhecer a empresa para a qual está se candidatando antes de ir para a entrevista. Caso contrário, poderá ser pego de surpresa e provavelmente terá uma performance inferior a quem já está informado.

Quando o assunto é um novo empreendimento, estudar nunca é demais.

Primeiramente, é preciso conhecer o que os futuros concorrentes, ou empresas de nichos semelhantes, estão fazendo. Após isso, compreender de forma mais profunda seu público-alvo, para, posteriormente, adotar estratégias para atingi-lo. Essas duas tarefas são essenciais para um bom começo.

2 – Identificar o que o seu empreendimento oferece para esse mercado

Muitas pessoas têm ideias gerais do que gostariam de fazer, do ramo, das atividades que querem exercer, etc. Porém, é preciso encontrar uma maneira de sintetizar essa vontade em uma função específica.

Por exemplo, há quem goste de escrever e queira viver de Literatura. Dentro disso, para tornar esse desejo possível, é preciso identificar o que necessariamente será feito com essa inclinação para a área de Letras. A pessoa vai abrir uma editora? Dentro desse trabalho, ela se voltará para um determinado gênero?

Esse exercício de filtrar atividades até chegar em um objetivo é importante para identificar o foco do negócio e o que ele irá oferecer para o mercado.

3 – Começar com o que tem

Já reparou que a gente sempre acha que precisa de alguma coisa para começar um novo projeto? Pode ser que realmente você precise de muitas coisas, mas isso não significa que você precise estar pronto desde o início.

Dessa forma, você estará sempre parado no mesmo lugar, esperando a oportunidade ideal, o momento certo, etc.

O escritor José Saramago define bem o equilíbrio quando fala para não perdermos tempo, mas, também, não termos pressa. Ele mostra nessa afirmação que é preciso estar atento ao que acontece em volta, assim como é importante não se perder no próprio ritmo.

O mais importante para encontrar seu mercado ideal é estar em movimento e, é claro, não esquecer do seu objetivo. Foco é a palavra-chave para um caminho de sucesso.

Para finalizar, outra frase que pode ilustrar esse momento é de uma famosa monja do budismo tibetano, Jetsnuma Tenzin Palmo, que diz: “Vamos começar de onde estamos. E vamos começar com o que somos.”

Esse conteúdo te ajudou? Deixe um comentário e conte-nos o que mais você gostou no texto!

5_dicas_de_como_se_posicionar_no_mercado_de_trabalho.jpg.jpeg

5 dicas de como se posicionar no mercado de trabalho

Posicionar-se no mercado de trabalho significa estar no lugar que deseja dentro da sua área de atuação profissional. Ao definir esse posicionamento, você decide automaticamente a maneira como será reconhecido pelos seus parceiros, clientes e até concorrentes no segmento em que atua.

Quando você não define um posicionamento diante do mercado de trabalho, tende a se perder na carreira. Isso acontece porque, sem foco, atira para todos os lados e acaba concentrando a sua energia no que não deve. O bom posicionamento no mercado de trabalho proporciona reconhecimento e mais chances na hora de se tornar referência no segmento no qual atua.

Saiba agora quais são as cinco dicas para se posicionar no mercado de trabalho.

1. Ousadia

Chacrinha, um dos maiores comunicadores que o Brasil já teve, dizia o seguinte: “Quem não se comunica, se trumbica.” Isso significa que, se você não ousar, provavelmente não vai alcançar aquela meta desejada. A ousadia é uma das premissas básicas para quem deseja alcançar bons resultados.

Se o medo dominar as suas atitudes e você deixar de arriscar, é certo que as grandes oportunidades serão perdidas. Ousadia requer sabedoria — saber também a quais riscos você estará suscetível nas mudanças encaradas. Aceitar desafios e ousar é abrir portas para muitas chances e oportunidades.

2. Comunicação

A comunicação é fundamental para que possamos estabelecer relações, sejam pessoais, sejam profissionais. Quem se comunica bem consegue transmitir sabedoria, habilidades e tem bom poder de convencimento. Por vezes, o que faz com que o profissional se destaque não é o seu imenso conhecimento em torno de um assunto, mas a sua capacidade de mostrar isso por meio da comunicação.

3. Humildade

O crescimento profissional está atrelado àquilo que você aprende com as demais pessoas. O bom profissional que deseja se posicionar no mercado de trabalho aprende com todos os seus colegas, independentemente da hierarquia deles. Como ninguém detém todo o conhecimento existente, há sempre o que aprender. Os seus colegas de trabalho podem cooperar com você por meio do conhecimento e, além do aprendizado, essa divisão de inteligências gera bons resultados por causa da sua atitude.

4. Excelência

Lembra-se de quando a sua mãe lhe pedia algo e já dizia “Se é para fazer malfeito, não faça!”? Isso é excelência. É para fazer? Então, faça o melhor! Dê o seu máximo e vá atrás do reconhecimento para a sua capacidade e a sua competência. Lembre-se de que o conhecimento é um processo contínuo. Portanto, por mais que você seja muito bom em algo, sempre há o que melhorar. Mantenha-se atualizado em relação às novidades da sua área de trabalho e busque sempre aprender coisas novas.

5. Autoconhecimento

Você sabe quais são os seus limites? Você sabe até onde pode chegar? O autoconhecimento é muito importante para quem deseja se posicionar melhor no mercado de trabalho. Diante de uma possibilidade de promoção para ganhar o salário dos seus sonhos, você precisa de autoconhecimento para saber se será capaz de enfrentar os desafios e se é isso mesmo o que quer.

As suas virtudes, os seus valores e as suas principais características devem ser repensadas na hora de se diferenciar no mercado de trabalho. São elas que vão diferenciar você dos demais.

Deixe o seu comentário no post e nos conte quais são os seus desejos em relação ao seu posicionamento profissional. Aonde você deseja chegar?

Saiba_como_usar_o_storytelling_a_favor_da_sua_carreira.jpg.jpeg

Saiba como usar o storytelling a favor da sua carreira!

A psicologia presente em pequenos e aparentemente inocentes hábitos do dia a dia pode ser impressionante. Quando nos damos conta do seu efeito e poder, pensamos: “como não percebi isso antes”? E é com esse intuito que criamos o artigo de hoje!

A arte de contar histórias

Em 2013, um palestrante participou de um dia especial para um grupo da terceira idade, num evento no Rio Grande do Sul. Ele fez truques de mágica, palestrou e contou histórias sobre as suas experiências pessoais.

O foco da palestra era motivacional, sobre a importância da felicidade. Ao dividir suas histórias, de maneira apaixonada, incentivando os espectadores atentos a lutarem pela felicidade, frente a todas as dificuldades, ele arrancou lágrimas dos presentes. Ao final do evento, um deles disse: “Obrigado. Tenho 85 anos e você acabou de me devolver uns 20”.

Você acabou de ler um exemplo real e efetivo de um storytelling. Uma prática de forte cunho psicológico que tem o poder de influenciar ouvintes sobre uma situação, uma marca ou sobre você.

O conceito de storytelling

Storytelling é uma ferramenta com grande poder de direcionar pessoas para que elas enxerguem uma situação sob um ponto de vista, construindo um pensamento favorável, através de uma história. Os benefícios desta prática são incríveis:

  • Humaniza aquele que conta a história, quebrando uma barreira invisível que fica entre o apresentador e o ouvinte, quando apenas estatísticas e teorias são utilizadas como argumentos.
  • Serve de exemplo e comprovação de uma determinada ideia que é foco central da história contada. É algo como dizer: “viu como é verdade?”
  • Cativa sentimentos de participação, que faz com que o ouvinte deseje vivenciar algo semelhante ao que escutou.
  • Liga a chave que ativa a propaganda boca a boca, afinal, uma boa história tem que ser passada adiante! Quem não reconta algo motivador, que lhe causou admiração?

A construção de uma imagem profissional

Profissionais da gestão de carreiras descobriram o poder do storytelling: seu efeito sobre o personal branding é incrível. A história se liga imediatamente à imagem de seu protagonista. O profissional deixa de ser visto como um “currículo formal”, uma coleção de adjetivos que pode ou não ser real (“quem garante que ele é o que diz?”) e passa a ser a certeza de que ele realmente é aquela pessoa, porque tem uma história que comprova isso.

Histórias familiares ou pessoais com forte apelo emocional são muito efetivas, pois de imediato trazem a ideia inconsciente para o ouvinte: “ele realmente é o que diz, o que ele contou comprova essa característica!”.

As estratégias do storytelling e sua ligação com os objetivos

Claro, é preciso ter cuidado e planejar o storytelling para construção dessa ideia, porque ela — mesmo se mal utilizada — grudará na imagem de quem conta a história. E fica difícil se desfazer disso. Por isso, tenha atenção a alguns aspectos:

  • Use doses calculadas de bom humor, que quebram o gelo. Além de um ritmo envolvente que conquista o ouvinte, isso cria a sensação de expectativa por um desfecho, um clímax, que é a mensagem principal do storytelling.
  • Essa mensagem precisa ser clara sobre o seu significado e contribuir para a imagem que se quer passar: alguém que não perde as oportunidades, que está sempre disponível, preocupado com a sociedade, etc. Independente de qual for, ela deve estar límpida no desfecho.
  • Faz parte do tempero do storytelling um toque emocional. A emoção conquista, envolve e desperta vontade de passar adiante a história ouvida, de compartilhar a mesma mensagem.
  • Pense em quem vai ouvir. Leve em consideração a crença, cultura, os aspectos sociais, corporativos e seus preconceitos. Seja cuidadoso selecionando as ideias e palavras apropriadas para destacar sua história.
  • Pratique antes. Conte a história para si mesmo, diante do espelho e para pessoas de confiança. Garanta que ela surtirá o efeito desejado e passará a imagem esperada.
  • Envolva-se, comprometa-se, olhe nos olhos, expresse emoções aos seus ouvintes.
  • Pense em nome de grandes e convincentes palestrantes e você encontrará ocasiões em que ouviu as suas histórias e como elas ficaram impregnadas na personal branding dele.

Gostou do conteúdo? Tem alguma experiência com storytelling que gostaria de compartilhar? Deixe o seu comentário!

Saiba_porque_fazer_o_planejamento_de_carreira_em_2016.jpg.jpeg

Saiba porque fazer o planejamento de carreira em 2016

O planejamento de carreira é uma atividade muito importante para quem quer alcançar objetivos e crescer profissionalmente. Como em todo começo de ano, as pessoas se sentem mais dispostas a fazer uma lista de resoluções. Porém, como algumas delas nem sequer colocam no papel o que pretendem fazer ou deixam a desejar no planejamento, as metas geralmente não são alcançadas. Para não fazer parte desse quadro, veja, a seguir, dicas de como fazer o planejamento de carreira para 2016:

Comece com um balanço

Em primeiro lugar, faça uma avaliação do atual estágio da sua vida e veja se ele corresponde ao que você esperava. Se sim, aproveite para tirar as lições dessa trajetória e tente repeti-las no futuro. Caso contrário, busque descobrir o que fez com que você não alcançasse o patamar desejado. Nesse sentido, analise se a não conquista de metas esteve mais ligada a fatores individuais ou externos, como crise econômica, posicionamento da empresa etc.

O uso da matriz SWOT, que serve para analisar forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, pode ajudar nesse balanço. A partir da sua atual fase de vida, passe a fazer de fato o seu planejamento de carreira para 2016.

Defina objetivos

Uma vez que você sabe onde está, é hora de traçar o patamar que você pretende atingir. Para tanto, faça uma lista do que almeja para a sua carreira. Por mais que o planejamento seja para o ano de 2016, pense em metas em curto, médio e longo prazo. Registre as resoluções num papel, como agenda, num aplicativo ou numa planilha digital, mas faça o seu cérebro se comprometer com o que está escrito, para que assim ele busque formas de concretizar as metas. Para isso, visualize essa lista ao menos uma vez por mês ao longo do ano.

Mensure para um planejamento de carreira eficiente

Na hora de planejar, grande parte das pessoas chega somente até o passo anterior, que é definir os objetivos. Depois, deixam o tempo passar e se esquecem do que foi planejado. Para que você tenha êxito no alcance de suas metas, é importante acompanhá-las periodicamente.

Você deve se perguntar: o que eu estou fazendo para conquistar tal objetivo? Alguém pensa em trabalhar no exterior, por exemplo, deve fazer um curso de idiomas, e por aí vai. Portanto, acompanhe o andamento das metas e faça a mensuração dos resultados, afinal, nem sempre a meta é cumprida de uma só vez. O que importa é você não perder de vista o foco nos seus objetivos.

Entenda por que planejar

Muitas pessoas questionam os resultados do planejamento de carreira e, para isso, usam exemplos de personalidades que conseguiram algum êxito com pouco planejamento. Porém, essas pessoas se esquecem de que o planejamento dá fundamentos sólidos para um crescimento sustentável e não para algo esporádico, que tem a ver com sorte.

Quando alguém se prepara para uma mudança positiva de vida, fica mais aberto a oportunidades de sucesso e tem mais chances de aproveitá-las. Nesses casos, uma vez que se sobe de patamar, as probabilidades de voltar atrás são menores, já que o indivíduo adquiriu o know how de determinação ação.

Você já fez o seu planejamento de carreira para 2016? Qual metodologia utilizou? Conte pra gente aqui nos comentários. Participe!

X_erros_comuns_ao_se_traçar_um_planejamento_de_carreira.jpg.jpeg

6 erros comuns ao se traçar um planejamento de carreira

Atingir uma posição de sucesso no mercado de trabalho é uma tarefa que exige muito esforço e dedicação. Diante dos diversos obstáculos, tanto internos quanto externos, e de uma concorrência feroz, ter um bom planejamento de carreira se torna essencial para quem deseja se manter sempre bem colocado e seguir crescendo profissionalmente.

Estar com seus passos bem delineados é tão importante que essa já é a principal preocupação da grande maioria dos jovens que estão chegando ao mercado. Segundo pesquisa do site de empregos Infojobs com 2 mil pessoas de 18 a 24 anos em 2014, 72% delas já aspiram a um cargo de gerência ou diretoria. Ainda assim, é muito comum que aconteçam erros durante a elaboração deste plano e por isso, listamos aqui 6 deslizes que você não pode cometer no seu planejamento de carreira.

Não conhecer a si mesmo

Antes de qualquer coisa, é preciso que você tenha em mente qual é o seu perfil, suas habilidades e afinidades. Elas são o ponto de partida para traçar onde você quer estar no futuro. Saiba reconhecer quais de suas competências são seus pontos fortes e quais precisam ser mais bem trabalhadas. Suas preferências comportamentais também têm um peso importante. Não adianta seguir uma carreira ou estar em um emprego no qual você não se sente bem e não consegue produzir.

Ter pressa e não planejar bem

Se você está traçando o planejamento de sua carreira, você também precisa saber aonde quer chegar. Tenha objetivos muito bem definidos e estabeleça metas de curto, médio e longo prazo. Por outro lado, faça com essas metas sejam realistas. Ser muito agressivo e ficar trocando de empregos em busca de cargos ou salários melhores, mas sem entregar resultados, pode enfraquecer seu currículo. Entenda que nada acontecerá do dia para a noite.

Perder o foco

Manter o foco é essencial para garantir que seu planejamento de carreira siga nos trilhos. É ele que garante que sua produtividade não caia e que você consiga alcançar as metas estabelecidas. Perder a concentração resulta também em perda de tempo e mais dificuldade para atingir seus objetivos. Seja determinado, trabalhe duro e nunca deixe de entregar aquilo que você se comprometeu a fazer.

Não se atualizar

Um dos piores erros que se pode cometer é não se atualizar. No início da carreira, ser mais generalista pode ser um trunfo, mas depois de um tempo, é necessário achar seu foco profissional e se especializar. Estar atrasado em relação ao que o trabalho exige é um dos maiores motivos de estagnação na carreira e hoje, um simples inglês ou MBA não o diferencia de ninguém. Saiba que características suas precisam ser trabalhadas e procure cursos e outras fontes de aprimoramento. Procure o que mercado valoriza e invista nisso.

Desajuste de suas metas

O planejamento de carreira é um artifício que visa elevar suas chances de alcançar seus objetivos, mas é apenas uma projeção. Por isso, ele precisa ser dinâmico e se ajustar conforme os dados se atualizam. Seja capaz de reconhecer seus erros e reajustar suas metas para seguir crescendo. Avalie o que está entregando e esteja pronto para receber críticas e assumir responsabilidades.

Não saber como funciona o mercado

Por fim, conheça bem o negócio onde você atuará. Conheça as especificidades do mercado, a dinâmica do seu local de trabalho e quem são as pessoas influentes na sua área. Seja capaz de trabalhar em equipe, o que é muito importante no ambiente corporativo atual, e dê uma importância especial para o networking. Ter contatos expressivos te ajuda a entender o comportamento do mercado e é um fator importante no desenvolvimento de sua carreira.

Um bom planejamento de carreira é uma forma segura de aumentar as chances de atingir o sucesso profissionalmente. Invista nisso e busque crescer e se destacar no mercado.

Gostou das nossas dicas? Tem mais alguém erro para adicionar? Deixe seu comentário e nos conte suas experiências com seu planejamento de carreira.

Depositphotos_107489430_m-2015.jpg.jpeg

Carreira: maximize o diferencial competitivo com o personal branding

O que faz com que um profissional seja conhecido fora do seu círculo de amizades ou de trabalho? Para construir uma carreira de sucesso, comprometimento e habilidades são fundamentais. Mas também é necessário saber criar uma marca pessoal e administrá-la, fazer sua personal branding de forma inteligente e planejada.

O termo categoriza o profissional como uma solução a ser desenvolvida, cuidada e com a qual se deve explorar o mercado e as relações sociais. A finalidade é a exposição de habilidades e competências, geração de destaque entre a concorrência e criação de oportunidades com o trabalho apoiado nos valores da pessoa.

Quer saber como se destacar na multidão? Confira neste post o que o gerenciamento da marca pessoal pode fazer por você e o que é importante nas ações.

Autoconhecimento

Desenvolver uma personal branding é, sobretudo, uma viagem ao seu interior. Quais são seus pontos positivos e negativos? Como administrar essas nuances para intensificar seu potencial competitivo no mercado de trabalho? São esses aspectos que o gerenciamento da marca pessoal ajuda a identificar, mensurar e direcionar para a criação de um nome inesquecível para clientes em potencial e adquiridos.

Parece um desafio muito difícil? Utilize como ponto de partida o motivo pelo qual você decidiu seguir a área na qual está hoje. Gostando realmente do que faz, será mais fácil de enxergar a si mesmo como alguém que deve ter a imagem reconhecida e protegida.

Singularidade em evidência

Ninguém se lembra de uma empresa que oferece o mais do mesmo. A ideia vale para a sua carreira também. Para destacar-se, é preciso ir além do bê-à-bá e chegar às necessidades de seus clientes e no que eles nem sabem ainda que precisam.

Quais são as novas demandas do mercado? Analise o que a concorrência oferece e faça diferente e melhor, porém com resultados igualmente bons ou superiores. Obtenha cursos específicos em pontos da área que estejam em expansão ou tenham carências.

Coloque-se no lugar do contratante e se pergunte: eu faria negócio com esse profissional? Trabalhe para que a resposta seja sempre “com certeza”.

Um exemplo de singularidade evidenciada é o sucesso de crescimento da rede de franquias Doutor Resolve. O empresário David Pinto constatou que havia uma carência em prestação de serviços a residências. Então, empreendeu com foco na falta visando supri-la com valores acessíveis. Tendo em mente o seu diferencial, e que ele poderia ser copiado – até mesmo pelos seus contratados -, criou o selo de qualidade próprio. Fidelizou clientes e já vendeu unidades em vários países da América Latina.

Comunicação também a nível social

Você já sabe qual caminho específico deseja seguir dentro carreira e de que maneira será lembrado pelo cliente. Agora, é hora de colocar a cara no mundo. E a internet é ótima para isso. Portanto, mantenha seus perfis nas redes sociais sempre atualizados, mas tenha cuidado com o que você compartilha.

E lembre-se que sua reputação e relacionamento precisam ser criados e disseminados também fora da web. Crie cartões de visita e distribua em eventos do seu setor. E estabeleça boas relações com seus colegas de trabalho e parceiros. Eles também podem ser um canal de divulgação do seu potencial e de você.

Todos conhecem o ex-tenista Guga, já aposentado. No esporte, fez sucesso e chegou ao topo do mundo por suas habilidades. Mas nem todos sabem o que conquistou como pessoa Gustavo Kuerten.

O catarinense, com a exploração de quesitos pessoais pela sua agência de gestão de imagem e carreira, percebe rendimentos até hoje em produtos. Seu carisma, a devoção e a gratidão ao público e o perfil filantrópico em evidência durante a jornada no tênis ainda garantem patrocinadores. Empresas investem dinheiro em seu projeto social para crianças de baixa renda e vendem mercadorias em grande escala que levam seu apelido de esportista.

Amostra de potencial e busca de confiança

Faça um portfólio, crie um blog compartilhando seu conhecimento na área e suas conquistas e trabalhos. Torne-se uma referência como for possível.

Um bom exemplo dessa prática é o autor e presidente da rede Mundo Verde, Carlos Martins Wizard, cujo nome virou sinônimo de confiança no empreendedorismo e sucesso nos negócios. E é exatamente esse tipo de assimilação que você deseja e que potencializará a sua marca pessoal no mercado.

A manutenção de uma carreira de sucesso requer uma estratégia de personal branding bem planejada e inteligente, envolvendo complexamente os pontos positivos do profissional.

Então, como você quer ser lembrado no mercado? Já está fazendo algo para isso? Deixe seu caso ou sua opinião nos comentários.

Depositphotos_101923620_m-2015.jpg.jpeg

Vida de atleta: como se preparar para a transição de carreira?

Nem todo atleta profissional inicia sua carreira na infância, mas a maioria se vê obrigada a fazer transição de carreira ainda jovem. Os anos de dedicação exclusiva ao esporte fazem com que a maioria deles não pense no impacto que a aposentadoria trará em suas vidas.

Portanto, planejar a transição de carreira quando ainda está na ativa é essencial para que o processo seja gradual, proporcione novas possibilidades profissionais e não tenha grandes impactos emocionais e financeiros.

No cenário internacional, a entrada para a profissionalização do esporte são os programas universitários que oferecem infraestrutura adequada para os treinos e bolsas de estudos para a formação acadêmica. Essa associação do esporte e da formação acadêmica movimenta um mercado de patrocínio e cria oportunidades pós-carreira fundamentais aos atletas estrangeiros, o que infelizmente não acontece no Brasil.

Boa parte dos talentosos atletas brasileiros são descobertos em programas sociais ou por clubes, mas eles não contemplam ou enfatizam a formação acadêmica e a importância do projeto de transição de carreira para a aposentadoria.

Vamos discutir neste artigo como um atleta brasileiro pode lidar com sua transição de carreira e encontrar novas oportunidades de carreira.

Como fazer a transição de carreira no Brasil?

Buscar esta resposta antes da efetiva aposentadoria é o primeiro passo, pois muitos atletas acabam declarando falência ou problemas emocionais quando finalizam suas carreiras sem ter um planejamento prévio.

É possível identificar habilidades pessoais e profissionais no atleta, que podem ser exploradas em um plano de negócios de longo prazo. Neste caso, a gestão de carreira do atleta começa com o foco na valorização do gerenciamento de sua imagem, o seu maior ativo para o futuro. Vejamos alguns detalhes:

Fazer o correto gerenciamento de imagem

Sabemos que nem todas as modalidades esportivas possuem a mesma visibilidade no Brasil, e, por isso, conquistar patrocinadores e investidores para um atleta nem sempre é fácil.

Ao fazer a gestão da imagem e carreira do atleta, é preciso analisar e usar toda a essência comportamental e não só a imagem de “campeão”. Disciplina, garra, humildade, perseverança. Todas essas características fazem parte do DNA do atleta e também do indivíduo fora do ambiente de competição e podem ser a imagem que será explorada em sua futura carreira e em seus negócios.

Uma imagem consolidada positivamente é uma ferramenta para negócios indiscutível. Basta observar o sucesso de atletas como Gustavo Kuerten, que, mesmo depois de anos aposentado como atleta de um esporte pouco popular no Brasil, ainda tem presença forte com o público infantil e popular, fazendo propagandas de macarrão e lojas de departamento. Seu carisma é seu maior atributo e foi escolhido para ser explorado em seu pós carreira junto com sua personalidade simpática e humilde que foi evidenciada ainda quando tenista e virou seu maior ativo.

Buscar um gestor de carreira referência no mercado

Os atletas não possuem apenas habilidades relacionadas ao esporte e, para descobrir suas outras potencialidades, precisam de um gestor de imagem e carreira que saiba identificá-las. Um gestor de carreira e imagem é capaz de traçar com o atleta um plano de carreira pós-aposentadoria direcionado a partir de suas outras habilidades identificadas.

Esse trabalho pode contemplar, inclusive, um plano de comunicação junto às mídias sociais, preparando o atleta para se comunicar de forma profissional e efetiva, evitando erros comuns em redes sociais que podem atrapalhar a marca pessoal do atleta.

Ou seja, ele terá um acompanhamento e será orientado sobre como se pronunciar em redes sociais e ao público, estabelecer um networking produtivo usando sua imagem e também sobre como corrigir as tomadas de decisão quando elas não forem de encontro com o projeto criado.

Compreender que a aposentadoria não é um fato, e sim uma transição de carreira

Enquanto atleta, um indivíduo desenvolve o gosto pela competição e controle do estresse para momentos cruciais do jogo. Totalmente imerso nesse mundo, ele pode sentir o choque do final da carreira. Mesmo ainda focado em sua performance como atleta, é necessário planejar aonde quer chegar e corrigir a rota sempre que os rumos não estiverem de acordo com o esperado para sua transição de carreira.

O acompanhamento de um gestor de imagem e carreira para um atleta atuante permite que sua marca pessoal seja trabalhada adequadamente perante o público e empresas patrocinadoras, focando estrategicamente nos projetos de curto e longo prazo que também contemplem a transição de carreira.

Não é apenas em palestras e por meio da participação como comentarista que um atleta pode apostar sua aposentadoria. Existem possibilidades infinitas que trarão satisfação e bom retorno financeiro. Para que aconteçam, não basta pular de paraquedas nelas, é preciso construir o caminho aproveitando os ventos que sopram quando o atleta ainda está em evidência e, por isso, um gestor de carreira é tão importante.

Você já pensou sobre a transição de carreira? Deixe seu comentário!

103400-estender-500-planejamento-de-carreira-voce-esta-fazendo-isso-certo

Planejamento de carreira: você está fazendo isso certo?

Não é comum encontrar profissionais que tenham um sólido planejamento de carreira e, menos ainda, pessoas que tenham o colocado em prática. O perfil do brasileiro típico indica que somos um povo que dá pouca importância para qualquer tipo de comportamento metódico, o que faz desse hábito algo ainda longe da nossa realidade.

Por esse e outros motivos, você deve focar muito no planejamento de carreira, que destaca profissionais no mercado de trabalho e viabiliza uma série de possibilidades que outros não conseguem. Se você está lendo este artigo, provavelmente já deu início ao seu planejamento de carreira. Mas, será que está fazendo isso corretamente?

Entender a necessidade de uma carreira planejada já é o primeiro passo do caminho certo. Agora, é preciso fazer uma série de considerações para alinhar o seu plano e continuar na direção do sucesso profissional. Veja a importância do planejamento de carreira e saiba se você está na direção correta.

Você sabe o que você deseja para o futuro?

Os seus anseios profissionais devem guiar e orientar todas as etapas do seu planejamento de carreira, mas é bom expandir o pensamento e considerar também o que você quer para a sua vida pessoal e familiar, relacionamentos, hobbies e outros.

Isso significa levar em conta fatores ligados à sua posição de trabalho almejada: local, ambiente, colegas, possibilidade de crescimento, de qualificação e horários, por exemplo.

Há carreiras que incluem muitas viagens e rotinas extremamente pesadas, lidando com equipes de muitas pessoas diferentes. Já outras exigem que você se mude de cidade, de estado e até de país.

E também há oportunidades de trabalho solitárias, como pesquisadores que vivem em locais isolados e sem contato com amigos e família. Considere essas variáveis e não abra mão dos seus sonhos por alguma dificuldade que se apresente pelo caminho. Planejar uma carreira é entender que nada na vida é fácil e, por isso, o melhor é se preparar para enfrentar o que vier.

Ah, e não se esqueça de avaliar a sua carreira e entender os motivos dos seus erros e acertos a serem considerados no seu plano. O ideal é que, pelo menos uma vez por ano, você reverse um tempo para analisar o próprio progresso. E como fazer isso?

Liste os pontos positivos e negativos do seu atual emprego, juntamente com seus objetivos profissionais e com as ferramentas necessárias para atingi-los. Dessa forma, você vai enxergar a própria situação com clareza e conseguirá seguir com aquilo que é positivo e mudar o que estiver incomodando.

Conte com ajuda profissional nesta etapa também! Falaremos mais sobre os serviços que podem colaborar com o seu planejamento de carreira logo mais.

Conhece seus pontos fortes?

Além de saber o que você quer para a sua vida e o seu futuro, você precisa entender suas próprias qualidades e defeitos, suas habilidades e hábitos, a forma como se relaciona com as outras pessoas e com o mundo ao seu redor. Sua marca pessoal tem papel fundamental nas bases do seu planejamento de carreira.

Por isso, tenha sempre em vista o seu próprio aprimoramento, tanto pessoal quanto profissional. Informe-se, leia bons livros, faça cursos e invista nas relações pessoais.

Como está o seu networking?

Sabendo os seus pontos fortes e investindo em sua marca pessoal, você deve partir para uma importante prática em qualquer período de sua vida de trabalho: o networking. Construir uma poderosa rede de contatos é crucial para conseguir dar bons passos na sua trajetória profissional.

Tire proveito de seu networking, analise o mercado de trabalho e a economia do país para saber onde você pode ser melhor aproveitado e desempenhar um papel mais eficiente, produtivo e satisfatório.

Sabe a quem recorrer?

Planejamento de carreira pode se tornar bastante complexo à medida que formos abrindo as possibilidades e entendendo as variáveis que podem influenciar as decisões e atitudes profissionais. E, imerso em sua rotina de trabalho e vida pessoal, talvez você não consiga enxergar oportunidades e necessidades que estão bem à sua frente.

Como tudo na vida, é bom contar com a ajuda de alguém para que você possa tomar as melhores decisões que vão ecoar por toda a sua vida. Uma pessoa de fora, que analise a conjuntura com você, tendo em foco os ganhos e melhorias possíveis.

Há profissionais especializados em gestão de carreira que possuem metodologias e técnicas adequadas para fazer a avaliação de perfis e sua relação com a carreira desejada. Quem sabe não é essa a ajuda que você precisava?­­

Tem um plano de ação?

Saber o que fazer é uma das principais vantagens de realizar um bom planejamento de carreira. Um plano de ação deve ser baseado no seu DNA pessoal, para ser relevante de acordo com o seu perfil e seus desejos profissionais. Dessa forma, fica muito mais fácil seguir à risca o planejamento, pois é um guia para você saber como chegar aonde quer.

Este plano pode ser baseado em períodos da vida, por exemplo: até os 30 anos concluir a pós-graduação, até os 40 virar gestor, e assim por diante. Ou ainda em objetivos pessoais: abrir o próprio negócio, conquistar uma vaga naquela multinacional de topo de linha em sua área ou até mesmo conseguir um trabalho fora do país.

O importante é você pensar em planos possíveis e correr atrás de tudo o que for necessário até chegar lá! Somente o fato de ter um plano já vai tornar você mais comprometido e focado.

Está de olho nos exemplos bem-sucedidos?

É claro que mesmo os melhores planos de ação não garantem 100% da eficiência no desenvolvimento profissional, em certos casos. Então, aprenda com as experiências alheias! Às vezes, entender como pensa uma pessoa de destaque ou ter ideias de como agir em situações adversas pode salvar o seu planejamento de carreira.

Conheça os cases e exemplos de metas profissionais que deram certo e estude a trajetória de nomes relevantes em várias áreas. Sim, a ideia brilhante ou o estopim que você precisa pode estar na história de um profissional de humanas, mesmo que você trabalhe com exatas. Aprender com a experiência dos outros: esta é uma oportunidade sem igual.

Tira proveito do seu emprego atual?

Faça com que a sua posição atual seja positiva para o seu progresso profissional. O que isso significa? Que você deve procurar se destacar na equipe, demonstrar liderança, acumular muita experiência, expandir contatos e usar todos estes benefícios para trilhar o seu caminho de progresso na carreira.

Isso vale tanto para quem quer continuar na atual empresa, mas crescendo de posição, quanto para quem procura novas oportunidades e também para aqueles cujo objetivo é empreender.

O seu desempenho é um patrimônio que você carrega em sua trajetória profissional. Seus ex-chefes e colegas darão boas recomendações, seu portfólio estará recheado, suas experiências serão o seu diferencial.

Portanto, ao pensar no futuro, não deixe de lado o presente. A vida profissional é uma cadeia de acontecimentos: o que acontece hoje é determinante para o que virá amanhã.

E a qualificação? Você não deixou esta etapa de fora, certo?

Bons empregos exigem qualificação. E manter-se atualizado é vital para desempenhar seu papel na empresa de forma satisfatória, afinado com as últimas tendências e inovações da sua área. Só por estes dois motivos você já deveria estar correndo atrás de cursos de aprimoramento.

Mas, isso não é tudo. Estudar mantém você focado, amplia o networking (lembra que falamos dele?), oferece novas oportunidades e ainda pode representar um salário mais recheado no fim do mês. No atual mercado, diversificado e competitivo ao mesmo tempo, especializar-se é sinônimo de maiores chances.

É verdade que estudar é trabalhoso e cansativo, mas encare cada curso como um passo dentro do seu planejamento.

Quer se aprofundar mais ainda naquilo que você pode fazer pelo planejamento de sua carreira? Então confira nosso e-book “Cinco passos para criar sua marca pessoal“. Lembra-se que falamos, no segundo item, da importância de valorizar sua marca pessoal? Então, o que está esperando? Baixe já o e-book!

Businesswoman Addressing Meeting Around Boardroom Table

Entenda o que é DNA Pessoal e como ele pode impactar sua carreira

Todos os dias você se relaciona com com uma grande e variada quantidade de pessoas: família, colegas de trabalho, amigos, chefes, prestadores de serviços. Você já parou para pensar quais são as suas maiores qualidades e qual é a imagem que cada uma dessas pessoas têm de você? Já ouviu falar em DNA Pessoal? Esse é um conceito que irá ajudar você a administrar melhor suas habilidades profissionais. Não sabe o que ele significa? Fique tranquilo. A seguir apresentaremos o DNA Pessoal e sua importância para a gestão de sua imagem e carreira.

Desmistificando o DNA Pessoal

O DNA Pessoal é aquele conjunto de características que tornam você um indivíduo único, é sua essência, a base de sua marca pessoal. Diferentemente do marketing pessoal, esse DNA Pessoal não tem o objetivo de representar uma identidade, apresentando uma imagem que muita vezes não corresponde à realidade.

Vamos tornar a diferenciação mais clara. Imagine que você esteja participando de um processo seletivo de uma empresa. Qual das posturas a seguir você adotaria? Encarnaria um personagem que você sabe que vai encantar os recrutadores, apresentando apenas aquelas características que você sabe que eles procuram em um candidato, ou ressaltaria seus melhores atributos pessoais, aquilo que você pode acrescentar àquela instituição?

O risco de optar pela primeira situação é que você nem garantiu a vaga e já adotou uma postura típica do marketing pessoal e difícil de ser sustentada a longo prazo. No segundo exemplo, utilizando as habilidades que você dispõe graças ao DNA Pessoal, você vai impactar positivamente seus recrutadores, mostrando o que você tem de melhor. Essa é a atitude de um profissional que pensa em sua carreira à longo prazo.

Por tratar da procura da identidade pessoal de cada indivíduo, o DNA Pessoal corre o risco de ser confundido com autoajuda. Apesar de ambos terem entre seus objetivos o aprimoramento individual o trabalho de gestão do seu DNA Pessoal não envolve apenas a análise e fortalecimento de pontos fortes, mas busca em sua história e experiência de vida o fortalecimento das habilidades que você já dipões, elaborandoum plano estratégico de carreira, de crescimento profissional e visibilidade no mercado.

Impactos do DNA Pessoal em sua carreira

Podemos enumerar pelo menos 3 vantagens do DNA Pessoal para a construção de sua marca pessoal e o desenvolvimento de sua carreira.

Quando você conhece quais são as ferramentas, forças e habilidades que tornam você único, fica mais fácil encontrar as oportunidades que permitirão que você faça o seu melhor. Consequentemente, seu planejamento de carreira torna-se mais estratégico e focado nas áreas nas quais há maiores possibilidades de sucesso.

A segunda vantagem que você obtém a partir de seu DNA  é que, ao entender suas habilidades únicas e melhor desenvolvê-las, você consegue se destacar dos outros concorrentes. Em um mercado cada vez mais competitivo, você precisa mostrar suas características que o tornam único e mais qualificado para o trabalho em questão.

Por último, temos o impacto organizacional de uma pessoa que conhece e aplica os recursos disponíveis em seu DNA. Esse impacto mostra que o DNA Pessoal não contribui apenas para o desenvolvimento do indivíduo como também empresas, afinal um profissional que reconhece suas habilidades consegue prever as necessidades e oferecer as soluções para os problemas.

Reconhecer a importância do seu DNA Pessoal é o primeiro passo para impactar sua carreira. Se você ficou interessado e quer conhecer mais sobre desenvolvimento de carreira e gestão de imagem, clique aqui.

4159323_x720

O que é ser um campeão?

Passada a Copa do Mundo e cada vez mais próximos da realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, o cenário torna-se ainda mais favorável para se debater os valores do esporte, suas simbologias e aplicações, tanto pela ótica do mercado como da sociedade em geral.

Embora país sede dos maiores eventos do mundo, nossa interpretação do potencial do esporte enquanto fenômeno social e de transformação parece ainda limitada, enraizada numa visão cartesiana do simples ganhar e perder.

No futebol já tachamos a “conquista” de um vice-campeonato mundial, em 1998 na França, como fracasso histórico. Criamos até uma CPI para procurar aceitar um dos ensinamentos mais básicos e nobres do esporte: saber perder.

Já no recente 7 a 1 em terras tupiniquins, toda comoção pré-semifinal de repente se transformou numa inércia quase que silenciosa dos anunciantes. Como se não houvesse relacionamento a ser mantido e conteúdo a ser gerado após uma derrota, por mais traumática que tenha sido.

No mundo olímpico, onde os valores deveriam ser ainda mais destacados, permitimos que uma geração única do vôlei mundial encerrasse uma década de inúmeras vitórias através da perda da medalha de ouro, e não da conquista da prata durante os Jogos de Londres em 2012.

Agora com a pressão de competir em casa, fica a apreensão em ver se muitas serão as histórias de derrotas que a mídia transformará heróis em vilãos e expectativas em fracassos.

Então vem a reflexão: afinal, o que é ser um campeão?

Na primeira maratona feminina olímpica da história, nos Jogos de Los Angeles em 1984, a suíça Gabrielle Andersen emocionou o mundo ao chegar na 37ª colocação. Sim! Ela estava entre as últimas colocadas.

Com 39 anos, a atleta que cruzou a linha de chegada no seu limite físico e mental, literalmente cambaleando, é considerada uma grande campeã por muitos. E porque não seria?

Após a prova ela disse que sua força veio do fato daquela ser sua única oportunidade de disputar uma Olimpíada. E completar a maratona era o seu grande objetivo, principalmente porque se falava que as mulheres não tinham condições para tal – fato que justificava a demora da inclusão desta modalidade no programa feminino.

Histórias como essas nos fazem questionar até quando continuaremos deturpando o lema olímpico que diz que o mais importante é competir. A questão não é deixar de lado a vitória, muito pelo contrário. Afinal, é exatamente isto que nos motiva a superar desafios, a buscar a excelência e a sermos melhores, principalmente, que nós mesmos.

Entretanto, atribuir o rótulo de vencedor apenas aos primeiros colocados é uma forma de restringir os feitos dos atletas a medidas de distância, tempo e força. E todos nós sabemos que não é possível medir persistência, determinação e superação, entre tantos outros admiráveis valores.

O nosso próprio César Cielo chegou a afirmar em algumas situações que sua felicidade ao ganhar a medalha de ouro não era plena porque ele não havia feito seu melhor, atingido seu objetivo pessoal.

Fato para fazer dele menos campeão? Lógico que não! Apenas mais um exemplo para justificar que ser campeão é, acima de tudo, um estado de espírito.

Depende das suas metas. Depende de você.

E considerando o mundo conectado em que vivemos, depende também de como e o que se fala de nós.

Bruno Teixeira