Posts

saiba-como-manter-uma-boa-imagem-do-atleta-em-negociacao.jpeg

Saiba como manter uma boa imagem do atleta em negociação

Tentativas para trocar de equipe são períodos muito delicados na carreira de um profissional do esporte. São diversos os detalhes envolvidos no processo, como negociação de valores, adaptação, contratos, entre outros. E além de tudo isso, é fundamental saber manter uma boa imagem do atleta em negociação.

Afinal de contas, o comportamento e a postura do futuro contratado seguem em observação durante as conversas e acertos. Por isso, é importante cuidar da reputação, demonstrar bom desempenho e cuidar de todos os detalhes para evitar desistências por parte do contratante.

Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue lendo o post e preste atenção nas dicas a seguir!

Entenda a importância da imagem do atleta

Não é porque determinado clube demonstrou interesse no jogador que tudo está resolvido. A imagem do atleta segue em análise durante o período de acertos, por isso é importante manter todas as precauções alinhadas.

Nesse contexto, evitar escândalos de mídia, manter o regime rigoroso de treinos e condicionamento físico e seguir desempenhando bem a posição no time atual são atitudes fundamentais para uma boa negociação.

Além disso, convém evitar comentários em público sobre a troca, comparações entre as equipes ou os colegas, enfim, tudo aquilo que possa ser mal interpretado nesse momento. E, em hipótese alguma, faça críticas ao time atual.

Veja algumas dicas práticas para seguir

Não se envolva em polêmicas públicas

Cair na tentação de se envolver no assunto polêmico do momento, seja relacionado ao esporte ou não, deve ser evitado no período de negociações — tendo em vista que esse tipo de exposição traz repercussões imprevisíveis.

Além do mais, opiniões sobre política, questões sociais e quaisquer tipos de assuntos delicados normalmente trazem muitas reações, tanto positivas quanto negativas para o atleta. O clube com o qual se está negociando pode não querer se vincular a algum profissional nesse contexto. Portanto, é preciso ter muita cautela.

Esteja atento ao que fala nas redes sociais

E além dos posicionamentos polêmicos nas redes sociais, também convém evitar comentários extremamente pessoais, compartilhamento de fotos de festas ou comemorações etc. para evitar qualquer tipo de burburinho. No entanto, é extremamente positivo manter-se ativo na internet, mas com preferência a conteúdos relacionados ao esporte, certo?

Evite se relacionar com pessoas que não estejam com a imagem tão boa

Ser visto na companhia de pessoas que tiveram exposição negativa recente é um assunto muito delicado. Para evitar associações, especulações e até mal-entendidos que, com certeza, vão prejudicar e desvalorizar um atleta durante a negociação, convém evitar esse tipo de embaraço.

Invista no planejamento e na gestão da sua imagem

Por fim, não se esqueça: contar com uma equipe especializada em planejamento e gerenciamento de carreiras no esporte é a melhor opção para evitar qualquer chance de erro, que pode custar oportunidades de ir mais longe na carreira.

Saiba que profissionais de personal branding voltados para o esporte podem ajudar a conduzir a sua trajetória com vistas a conseguir os melhores contratos e possibilidades. E, é claro, manter uma imagem positiva, saudável, produtiva e campeã!

A PD Imagem e Carreira conta com um serviço voltado para o esporte, está sempre por dentro das novidades do cenário e tem expertise em manter uma boa imagem do atleta em negociação. Que conhecer mais sobre a empresa? Então, entre em contato com a nossa equipe!

neymar-uma-historia-que-nao-toca-o-coracao

Neymar, uma história que não tocou o coração

Vinte e três dias. Este foi o tempo gasto por Neymar para se manifestar publicamente sobre a crise que se abateu sobre a sua imagem desde a questionável performance que o craque da Seleção Brasileira apresentou no Mundial da Rússia. No último domingo, o atacante voltou a ficar sob os holofotes ao se desculpar oficialmente através de um comercial da Gillette em horário nobre na TV Globo. Do ponto de vista da Gillette, não há dúvidas de que a campanha foi muito positiva para a marca, pois todos nós estamos vendo e comentando o comercial. Mas para Neymar, que foi o alvo da iniciativa, ela foi realmente positiva?

O fato é que, desde o vídeo feito pelo jogador, alguns dias depois da última participação da Seleção na Copa do Mundo, em ele aparecia ao lado de algumas crianças e brincava com a situação, Neymar demonstrava não se incomodar com as críticas que vinha recebendo e foi muito criticado pela atitude.  Acredito que todos nós, e não apenas eu que trabalho com Gestão de Imagem e Carreira, estávamos curiosos para saber qual seria sua primeira ação efetiva para trabalhar sua imagem.

Na campanha feita pela Gillette, a marca foi muito competente na ferramenta escolhida para fazer o “comunicado”. O storytelling, recurso usado pelo marketing da empresa, é uma forma muito inteligente e eficiente para trabalhar uma marca. Uma das bases do storytelling é criar emoção partindo da verdade.  Nós, seres humanos, estamos acostumados a contar e a escutar histórias há centenas de anos. Gostamos de ouvir histórias porque em algum momento da narrativa nos conectamos com algo que está sendo contado, e somos tocados no coração.

Neste caso, no entanto, apesar de uma ferramenta adequada para o comunicado, infelizmente não foi o que aconteceu com a história de Neymar.  Ela precisava ser potente, principalmente quando falamos de marca pessoal, e transmitir, para quem estivesse assistindo, uma história verdadeira.  Caso contrário, não emociona e acaba perdendo sua maior função. Toda a história possui um herói e neste caso o herói é Neymar. Mas por que será que não conseguimos nos conectar com ela?

Tenho a minha interpretação sobre o fato. Toda trajetória possui momentos difíceis, erros, quedas, frustações, sonhos interrompidos. E quando isto acontece nós sofremos, choramos e ficamos estirados no chão.  Toda história é feita de perrengues.  Heróis que reconhecem seus erros porque somos humanamente imperfeitos.  No caso da história de Neymar, contada pela Gillette, o jogador em nenhum momento demonstrou sofrimento, tristeza e arrependimento. Ele não saiu do pedestal. E foi exatamente neste momento que deixamos de acreditar naquilo que estava sendo contado.

Acredito que este comercial é um reflexo da comunicação feita por Neymar com a sua audiência em todos os meios que utiliza. Não traz a verdade. Ele está sempre olhando de cima para baixo. Ele não se humaniza. Ele cria um distanciamento, se coloca como inatingível.

A principal pergunta é: o que seria mais eficiente para o jogador conseguir chegar de forma verdadeira até seu público?  Uma mega campanha publicitária, como a que estamos vendo através da Gillette, ou Neymar fazendo um vídeo em seu Instagram, contanto a verdadeira história, reconhecendo seus medos, sofrimento, e, principalmente, o que aprendeu com tudo isto?

É possível, sim, gerenciar um momento de crise como este e reverter essa imagem negativa. Mas, o que estamos vendo, por ações pensadas e executadas de forma equivocada, é que ao invés de dissipar a crise, ela está aumentando cada vez mais.  Ao meu ver, sem verdade não há salvação. Uma coisa é certa, a campanha foi positiva para a marca Gillette e não para a marca Neymar.

imagem-profissional-e-reputacao-quais-as-principais-diferencas.jpeg

Imagem profissional e reputação: quais as principais diferenças?

Você sabe quais são as diferenças entre imagem profissional e reputação? Para que o seu negócio possa decolar e sua marca se tornar forte no mercado, é fundamental que sua imagem como profissional seja positiva e sua reputação seja a melhor possível diante dos clientes. Com isso, sua empresa se torna mais atraente, gerando mais valorização para seus produtos e serviços.

A fim de alcançar os resultados desejados, é relevante que você conheça as diferenças entre imagem profissional e reputação e saiba sobre a importância delas para a sua carreira. Então, acompanhe nosso texto para entender mais sobre esse assunto!

O que é imagem profissional?

A imagem profissional é como as pessoas conseguem enxergar você. Quando observamos um indivíduo, geralmente analisamos suas qualidades e seus defeitos; sua forma de agir e de se comportar em reuniões sociais; seu jeito de vestir; seus gestos; sua maneira de se expressar e diversos outros detalhes que compõem a figura que estamos vendo.

Na vida profissional não é diferente. Os consumidores, assim como a concorrência, verificam cada comportamento, ressaltando não apenas o lado bom, mas também o lado negativo. É por isso que a imagem profissional deve ser a mais adequada para a sua carreira.

Por exemplo: você se sentiria seguro em usar os serviços de um advogado caso ele se comportasse de maneira inadequada em uma audiência, usando gírias e vestimentas impróprias? Provavelmente não!

E reputação, o que é?

Já a reputação vai além de uma boa roupa ou de colocação corporal. Ela é visada de acordo com sua forma de conduzir um negócio. A reputação está ligada mais ao caráter do profissional, em como ele atende e honra seus compromissos, entre outros aspectos.

Nesse sentido, quando as pessoas pensam sobre sua reputação, são a sua honestidade e o seu comportamento que estão sendo considerados. Se você falha ou não cumpre com algum compromisso, é sua reputação que está em jogo.

Quais são as principais diferenças entre imagem profissional e reputação?

A imagem está na cabeça do público e do consumidor de uma empresa. São percepções criadas individualmente quando há um contato direto ou indireto com o profissional. Já a reputação não exige uma proximidade com a marca, na medida em que ela pode ser moldada apenas com o que é ouvido ou visto sobre algo.

Somado a isso, a reputação leva mais tempo para ser construída, pois precisa de maior consistência e intensidade. Por sua vez, a imagem é formada a partir do momento em que uma pessoa entre em contato com a empresa ou com o profissional.

Muitos profissionais possuem uma imagem, mas nem todos consegue alcançar a reputação que desejam, pois trata-se de um processo mais demorado.

A imagem pode trazer uma sensação de qualidade e eficiência. Além disso, reflete a competência do profissional e, consequentemente, a sua marca. Vale lembrar que é possível mudar a imagem conforme as necessidades da profissão.

Contudo, a reputação, depois de consolidada, dificilmente será mudada. Por isso, é essencial dar a devida atenção para como seu negócio está sendo visto, pois uma má reputação pode ser o fim de uma carreira.

O maior responsável por criar boa imagem profissional e reputação é você mesmo. Assim, cuide da sua marca e de como você é visto no mercado, de modo a colher bons frutos no futuro.

Para alavancar ainda mais sua carreira, aproveite que está por aqui e leia este outro artigo sobre como melhorar sua imagem pessoal com 5 mudanças de comportamento! Até mais!

unnamed

Você tem uma má reputação? Descubra agora

A sua reputação é algo que aumenta (ou diminui) a cada dia e que você leva para qualquer lugar onde for. Podemos dizer que um sinônimo de reputação seria a confiabilidade. E você sabe o que isso quer dizer? Aliás, você sabe se tem uma boa ou má reputação?

É importante considerar que a reputação pode determinar quem você é como pessoa. Logo, precisamos prestar muita atenção e fazer constantemente autoavaliações! Reflita sobre as perguntas a seguir e descubra como anda a sua reputação.

1. Sou fiel a meus princípios éticos?

Suponhamos que você tenha que trair um princípio pessoal para resolver uma situação de emergência. Ao fazer isso, alguém facilmente pode vir e apontar o dedo para suas contradições.

“Não faça ao outro o que não gostaria que fizessem com você”: essa máxima é usada em inúmeras situações, inclusive para a construção de uma boa reputação. A ética deve ser sempre sua referência para alcançar uma reputação bem consolidada.

Por exemplo, se você gosta de aproveitar a ausência de uma pessoa para falar mal dela ou fazer você parecer melhor, você está sendo antiético. Não caia no erro de achar que as pessoas não estão percebendo. A sua confiabilidade é diretamente afetada, uma vez que seu interlocutor poderá pensar: “o que será que ele faz ou fala de mim pelas minhas costas?”.

2. Estou constantemente trocando de emprego?

A troca frequente de empregos pode indicar que você é uma pessoa instável. Muitas empresas sequer incluem em seus processos seletivos pessoas que não permanecem em empregos por muito tempo.

Cinco empregos diferentes nos últimos dez anos já são suficientes para determinar a sua inconstância. Isso porque a não-permanência pode ser sinônimo de projetos e aprendizados incompletos.

As empresas têm grandes encargos ao contratar e treinar novos funcionários. Sendo assim, elas terão receio de investir em um funcionário que em pouco tempo pode acabar “abandonando o barco”.

Entenda que ninguém é obrigado a ficar em uma empresa que não esteja satisfeito ou feliz. Porém, quando isso começa a acontecer sistematicamente, pode ser que o problema seja você.

3. Tomo cuidado com o que posto na internet?

Muitos recrutadores dizem que uma das primeiras ações feitas em um processo seletivo é investigar as redes sociais. Em uma entrevista, você pode até fingir ser alguém que não é, entretanto, a internet acaba revelando seus deslizes eventualmente.

Se você é empregado, pergunte-se antes de postar qualquer coisa nas redes: “eu teria vergonha se meu chefe visse isso?”.

Um problema ainda maior é quando você revela onde trabalha e mostra comportamentos inadequados no mesmo perfil. Querendo ou não, quem acessar o seu perfil associará uma coisa a outra.

4. Sei aceitar críticas?

Sempre se questione se o que está fazendo é certo e, quando errar, assuma seus erros. Uma reação desmedida a uma crítica pode gerar discussões desnecessárias que, logicamente, afetam sua reputação.

Por exemplo, se você for criticado e não reagir bem, as pessoas podem ficar receosas de comentar quando você cometer um erro. Assim, você continuará errando, diminuindo sua reputação sem se dar conta.

5. Me atraso com frequência?

Imprevistos acontecem com todo mundo de vez em quando. Porém, é difícil ser compreensível quando um imprevisto acontece com você quase todo dia. Atrasos constantes passam a ideia de que você não é uma pessoa comprometida.

Enquanto a confiança pode envolver anos de trabalho para ser construída, um pequeno erro pode afetar sua fama por muito tempo. Apesar disso, lembre-se sempre de que o maior responsável por sua boa ou má reputação é você e não os outros.

Se você quer continuar recebendo dicas sobre como ter uma boa imagem, siga a gente nas redes sociais — estamos no Facebook, Twitter e LinkedIn.

x_comportamentos_que_mancham_a_reputação_no_ambiente_de_trabalho.jpg.jpeg

5 comportamentos que mancham a reputação no ambiente de trabalho

Quase todo mundo conhece alguém que não tem uma fama tão boa no trabalho. Alguns são conhecidos por serem rígidos demais, os famosos “carrascos”; outros apresentam certo desequilíbrio emocional, refletindo nas relações de trabalho; entre outras características mais.

Todavia, nem todas essas pessoas que possuem uma má reputação são capazes de reconhecer o que no seu comportamento gera essa imagem negativa.

Quando não temos o hábito de praticar a autocrítica, corremos o risco de ser essa pessoa e estar atrapalhando tanto o nosso próprio desempenho quanto o de outros colegas de equipe.

Para facilitar essa tomada de consciência, destacamos cinco comportamentos que mancham a reputação de uma pessoa no ambiente de trabalho.

1. Atrasos frequentes

Chegar atrasado uma vez ou outra, a ponto de ninguém notar que isso acontece, é absolutamente normal, já que passamos a maior parte da semana trabalhando. No entanto, se a dificuldade em ser pontual se excede, tornando-se um padrão de comportamento, tendo muitas vezes prejudicado a equipe por ausência em horas importantes, certamente isso já foi notado e pode ter se tornado um alerta acerca da sua conduta profissional.

2. Dificuldade em separar o pessoal do profissional

É natural que os acontecimentos da vida façam parte dos assuntos no ambiente de trabalho. Porém, uma dica para perceber quando isso está demais é fazer uma divisão imaginária do percentual de assuntos pessoais e profissionais falados em 100% do tempo que se está trabalhando. Ser sincero consigo mesmo nessas horas é indispensável para trazer mudanças positivas. Se os assuntos pessoais ocuparem grande parte desse tempo, é sinal de que você precisa voltar mais a sua atenção para o trabalho durante o horário de expediente, pois isso deve estar atrapalhando o andamento das tarefas, além de poder incomodar quem não está interessado em saber como foi seu fim de semana.

3. Comportamento inadequado nas redes sociais

Um problema contemporâneo que vem dando o que falar nas empresas é o comportamento de colaboradores na internet. As redes sociais, embora sejam pessoais, servem para mostrar como você é. Portanto, parte da sua imagem é transmitida através de seu perfil virtual. É preciso estar mais atento ainda quando se utiliza o nome da empresa no campo “emprego” publicamente, afinal, você se torna um representante dela.

4. Descontrole emocional

Levar discussões até as últimas consequências, aumentar tom de voz constantemente, xingar, chorar toda vez que receber um feedback e dar em cima de colegas de trabalho são alguns dos comportamentos indesejáveis em qualquer ambiente, principalmente se tratando de um local de trabalho. A responsabilidade sobre o próprio equilíbrio emocional é individual. Ninguém precisa saber o tempo todo o que está passando pela sua cabeça ou o que você está sentindo.

5. Falta de ética

Ética e cooperação andam juntas. Veja essas situações: no momento em que se discute a substituição de uma pessoa, eu me esquivo; quando um membro do grupo tem dificuldade, eu me aproveito da situação para aparecer; meu gestor visa promover alguém e eu passo a ficar próximo dele. Essas são algumas situações em que a ética passou longe.

Não importa o quanto uma atitude imoral possa parecer me beneficiar, todos estão vendo que há em mim um excesso de individualismo. Mais cedo ou mais tarde, essa conduta manchará minha reputação e ninguém vai querer trabalhar comigo, muito menos me indicar para algum cargo. Essa característica precisa ser trabalhada e, no lugar dela, devemos exercitar a empatia. Por isso, não economize no autoconhecimento, que é tão importante quanto o desenvolvimento intelectual.

Essas dicas te ajudaram? Comente no post e diga o que achou!

Dicas para construir uma boa reputação

A boa reputação de um profissional sempre foi um dos itens mais perseguidos por empresas e profissionais em processos seletivos. Afinal, é a partir dela que será possível aos que estão ao seu redor incluir elementos fundamentais para relações produtivas e duradouras, como o respeito e a confiança.

A questão é conseguir extrair desse amplo conceito elementos que permitam a você entender como ele pode funcionar como forma de impulsionar cada vez mais a sua carreira. Para tanto, selecionamos conceitos e dicas que certamente vão ajudá-lo nessa jornada.

O poder da boa reputação

Falamos logo na abertura do texto que a boa reputação é um aspecto procurado por todos no universo profissional – e até mesmo no pessoal. A questão é saber o porquê disso.

A reputação é a constituição e manutenção de uma imagem positiva sobre você, frente às suas ações e seu comportamento. Não se trata de uma tarefa isolada nem um projeto. Na verdade, ela deve fazer parte do caminho que você trilhou, ou seja, uma escolha das atitudes que serão tomadas por você.

O público e a clientela – até os concorrentes! – percebem esse cuidado e passam a responder com respeito e confiança, uma vez que eles têm a certeza de que aquele profissional, além de ter vontade de crescer, ele faz por merecer.

Construindo a imagem de uma pessoa

A questão é entender como isso funciona. Na verdade, uma forma interessante é pensar na boa reputação como uma receita ou fórmula. Ela possui ingredientes que devem ser usados na ordem e quantidade corretas para que você chegue ao resultado esperado.

O primeiro item é o tempo de carreira, que representa a sua consolidação no mercado de trabalho. Somamos a ele os resultados alcançados, que devem ser medidos e avaliados para comprovar a eficácia e a experiência, isto é, o seu retorno como profissional.

A segunda parte dessa fórmula traz dois itens que vão além dos muros do escritório: o investimento e a imagem. Investir em você significa buscar formas de ampliar os seus conhecimentos, manter-se atualizado por meio de leituras, cursos e troca de experiências com os diversos tipos de profissionais.

A sua Imagem, por sua vez, é o reflexo do seu conteúdo. Educação, conhecimento, jogo de cintura, o trato com as pessoas e como você age em situações diversas. Aqui entram diversos itens que serão decisivos para uma boa reputação. Fazendo uma analogia, este elemento pode ser considerado o “fermento da receita”, já que, sem ele, o bolo simplesmente não crescerá.

Quais os maiores e desafios e cuidados

Quantas vezes ouvimos sobre um profissional que alcança resultados, que se atualiza, mas que não desenvolve sua autoconfiança para assumir novos desafios? Ou que é um bom profissional, mas que não se atualiza constantemente, investindo em seu próprio conhecimento?

O maior desafio é aprender a equilibrar os fatores que contribuem para uma boa reputação. O equilíbrio vai depender de sua área de atuação, da empresa na qual você trabalha e do tempo que você está no mercado de trabalho. Pode até parecer uma atividade trabalhosa, mas ela não é impossível de ser realizada.

Esse investimento é uma forma de aproveitar o seu caminho profissional para sempre aprender com o momento atual, consertar os erros do passado e planejar melhor o seu futuro. O mais interessante da boa reputação é que ela só depende de você para poder ser conquistada e preservada. Em poucas palavras: o sucesso está nas suas mãos!

Ficou com vontade de estar sempre informado com as novidades que produzimos, além de poder compartilhá-las em seu círculo social? Então não deixe de curtir a nossa página no Facebook.