A hora certa para a transição de carreira

Talvez você esteja pensando em uma mudança de carreira há muito tempo. Ou então trabalhar em casa durante a pandemia tenha despertado sua curiosidade sobre outras opções de carreira. Todos esses são motivos válidos, mas é preciso analisar de perto os motivos que estão te fazendo querer tomar essa decisão para não acabar tomando uma atitude precipitada. Começar uma nova carreira não é uma decisão que deve ser tomada da noite para o dia. Há muitos fatores a serem considerados, como finanças, dificuldades pessoais e estresse, estabilidade e longevidade. 

Você está tomando essa decisão por desespero?

A maioria das pessoas está experimentando níveis de estresse mais altos do que nunca, o que pode levar a decisões precipitadas com base apenas nas emoções. Nos sentimos desesperados para escapar da situação em que estamos e só vemos uma saída, mesmo que existam muitas outras opções.

Para ter certeza de que você não está tomando uma decisão simplesmente por desespero, dê um passo para trás e pense em como você se sentia em relação ao seu trabalho antes de começar a pensar em uma possível transição. As frustrações que você está sentindo agora são as mesmas que você sentiu naquela época? O que mudou no seu trabalho e na maneira como você se sente sobre ele nos últimos meses?

Embora a emoção certamente desempenhe um papel na tomada de decisão, ela não deve ser a força motriz por trás da escolha de fazer uma mudança de carreira. Você precisa ter motivos racionais suficientes para apoiar seus emocionais. 

Por que você quer um novo emprego?

É importante realmente cavar fundo e encontrar a resposta para esta pergunta. Tente colocar no papel o que espera dessa mudança e como isso vai satisfazer seus desejos.  Pense nisso quando estiver com raiva, feliz, entediado, contente, frustrado ou sentindo qualquer outra emoção. Você quer ter certeza de que seu raciocínio permanece o mesmo, independentemente do seu humor. Uma mudança de carreira precisa ser benéfica a longo prazo, não apenas uma solução rápida para o que você está sentindo agora.

O que você quer em uma nova carreira?

Normalmente é muito mais fácil identificar o que você não quer do que descobrir o que você quer. Use isso a seu favor e comece a fazer uma lista das coisas que você não quer fazer no próximo emprego, e isso vai liberar um pouco de espaço mental para você focar no que é importante em uma nova carreira.

Você quer pensar de forma ampla e específica, listando coisas como habilidades e responsabilidades, assim como o impacto geral. Talvez você sinta que não está fazendo diferença suficiente em sua carreira atual e queira fazer um trabalho que impacte mais diretamente as pessoas – essa é uma ideia ampla. Pode ser também que você esteja em uma função mais favorável e queira mudar para algo onde possa exercitar suas habilidades de liderança, ou esteja preso fazendo trabalho administrativo e queira fazer algo mais prático – essas são especificidades.

Por onde começar

Seja específico sobre o que não está funcionando.

Primeiro, reserve um tempo para entender o que exatamente está causando tanto sofrimento em seu trabalho. Sua insatisfação vem de fatores externos, como seus colegas de trabalho, chefe, cultura organizacional ou até mesmo o deslocamento? Em caso afirmativo, mudar de equipe ou deixar a empresa remediaria sua infelicidade, ou você ainda tem a mesma sensação de pavor ao pensar no trabalho que fará, independentemente de uma mudança de cenário? Se o seu descontentamento estiver relacionado com as responsabilidades funcionais inerentes ao próprio cargo, poderá ser necessária uma mudança mais drástica.

Identifique o que você gosta em sua função atual.

gestão de imagem

Pense em quando você começou em sua função atual. Quais foram suas motivações? Foram as responsabilidades do dia-a-dia? A promessa de crescimento na carreira? Em seguida, examine as partes do seu trabalho que você ainda acha agradáveis ​​e procure entender por que elas lhe interessam. É a criatividade que seu papel envolve? Pensamento estratégico? Trituração de números? Você ama a mudança constante… ou talvez anseie por estabilidade? Lembre-se desses temas ao procurar sua próxima função. Ao avaliar seus gostos e desgostos atuais, você terá uma melhor compreensão das áreas a procurar ou evitar em sua próxima mudança de carreira.

Considere seus valores fundamentais.

Em qualquer trabalho, é importante encontrar um bom ajuste cultural. Examine seus valores e entenda que tipo de cultura de empresa complementará sua personalidade. Você valoriza autonomia, comunidade, inovação? Ou talvez seja importante para você que esteja trabalhando em prol de uma causa benevolente.

Quaisquer que sejam seus valores, ao fazer esse tipo de autoavaliação, é importante ser honesto consigo mesmo. Pense nos empregos daqueles amigos que você cobiça. Você está realmente interessado no papel deles ou é realmente a liberdade e a cultura empoderadora que você deseja? Descubra o que faz você se sentir vivo, mesmo que não seja o que você (ou outros) acham que “deveria” estar fazendo. Pode ser que seus valores tenham mudado desde que você começou a trabalhar – e tudo bem. Apenas seja claro em suas prioridades hoje.

Avalie seus pontos fortes e lacunas de habilidades.

Se não fosse por dinheiro, tempo, localização ou qualquer outro motivo, o que você estaria fazendo? Agora é a hora de descobrir como fazer exatamente isso. Embora um total de oitenta não seja viável da noite para o dia, examine como sua função atual e sua função ideal se sobrepõem. Pense em suas habilidades transferíveis, experiência relacionada e conexões de rede que podem ajudá-lo a fazer a transição mais confiável, especialmente se seus empregos atuais e dos sonhos forem mundos diferentes.

Também é aconselhável mapear as lacunas em suas habilidades e experiências que podem atrapalhar. Você pode precisar ser criativo: comece um trabalho paralelo, participe de estágios de meio período ou até mesmo volte para a escola. Construir uma carreira gratificante e pagar as contas pode levar tempo, então seja paciente e desenvolva seu plano.

Conclusão

Encontrar uma carreira gratificante pode ser uma jornada longa e incremental. Poucas pessoas entram no mercado de trabalho sabendo exatamente o que querem fazer. Na verdade, aos 50 anos, a pessoa média já ocupou 12 empregos diferentes em um esforço para encontrar o “encaixe certo”. Para muitos, isso requer mudar completamente de carreira. 

Portanto, se você está considerando uma mudança de carreira, não está sozinho. Agir com base nesses pensamentos, no entanto, pode ser assustador. Para alguns, pode significar abandonar um emprego estável para seguir um caminho desconhecido. Para outros, mudar de função no meio da carreira pode significar um movimento lateral, que pode parecer um retrocesso – mas não precisa ser.

Cada estágio de sua carreira oferece uma oportunidade de aprender mais sobre você: seus talentos, interesses, desafios e valores no local de trabalho. As escolhas de carreira que você pode perceber como “erros” muitas vezes provam ser as mais informativas e transformadoras na jornada para uma carreira gratificante.

Além do mais, a noção de adequação à carreira é uma via de mão dupla. A maioria dos empregadores prefere que você se sinta entusiasmado, engajado e realizado em sua função, porque funcionários felizes são funcionários mais produtivos. Entender quando é hora de deixar sua função atual para buscar outras paixões pode ser vantajoso para todos.

autoconfiança na marca pessoal

Patricia Dalpra é Estrategista em personal branding e gerenciamento de carreira.

O trabalho que Patricia Dalpra desenvolve surgiu de uma vontade e de uma certeza: vontade de levar pessoas e empresas a crescer, alcançar seus objetivos de negócios e de imagem e se relacionar melhor com outras pessoas e empresas; e certeza de que um trabalho estruturado de gestão de imagem e carreira é um dos melhores caminhos para se chegar lá. Ao longo de mais de uma década, a Patricia Dalpra já trabalhou para centenas de profissionais, executivos, empresários, atletas, instituições e empresas.

Specialties: Gestão de imagem, gestão de carreira e coaching. Personal branding, branding executivo, brand on, brand off, estudo do dna pessoal e corporativo e comunicação.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *