jogador de vôlei Douglas Souza

Douglas Souza, o jogador de vôlei que virou a Juliette das Olimpíadas

Já imaginou ganhar 1 milhão e meio de seguidores da noite pro dia? Foi isso que aconteceu com o jogador de vôlei Douglas Souza. O atleta que chegou no Japão com 200 mil seguidores e já passa da marca de 2 milhões e seiscentos mil, após um de seus vídeos viralizarem. Ele já é o jogador de vôlei mais seguido no instagram e o sucesso é tanto que a empresa da cantora Preta Gil já fechou com o atleta para gerenciar sua carreira

Indo para sua segunda olimpíada, o jogador de vôlei Douglas Souza vem conquistando várias pessoas com seu jeito simpático e irreverente. Após um de seus vídeos viralizar, ele se tornou o queridinho das celebridades e vem ganhando milhares de seguidores a cada hora. Com apenas 25 anos e indo em busca da sua segunda medalha de ouro olímpica, o atleta tem chamado atenção não somente pelo seu lado humorado, mas também por levantar a bandeira LGBTQIA +. Douglas foi o primeiro jogador de vôlei da seleção brasileira a se assumir gay e falar abertamente sobre o assunto. 

Tokyo 2021 já começou antes mesmo dos primeiros apitos dentro de quadra. Que os jogos vão ser fechados para o público todos já sabem, mas nem por isso os amantes do esporte estão chateados. Atletas de todas as nacionalidades têm enchido suas redes sociais de registros mostrando cada detalhe das instalações e rotina olímpica. Por que então, Douglas Souza teve extremo sucesso em meio a tantos outros atletas postando o mesmo conteúdo?

A fama repentina não é algo incomum nessa era de redes sociais, como foi o caso de Juliette e Gil, ambos participantes do reality show Big Brother Brasil, que alcançaram números impressionantes em seus perfis durante o programa. Mas, o que faz algumas pessoas se destacarem entre tantas outras?

Num mundo onde muito se copia, a autenticidade é algo que vale muito. Se pegarmos todos esses fenômenos da web, o que eles têm em comum é justamente o fato de serem eles mesmos e conseguirem muito bem trabalhar suas identidades e entregar aos seus seguidores uma persona consistente. O jogador de vôlei tem mostrado o dia-a-dia na vila olímpica com muito bom humor e criatividade, Douglas Souza tem dado visibilidade a artistas como Pabllo Vittar e encantado grupos que não teriam costume de assistir aos atletas brasileiros.

A estrada para o ouro ainda é longa, mas se a competição fosse nas redes sociais, essa medalha já era brasileira. A facilidade em arrancar sorrisos das outras pessoas já faz com que o jogador de vôlei Douglas Souza seja sensação das olimpíadas, e agora é só esperar para ver aonde essa estrela vai chegar fora das quadras. Enquanto isso, vamos continuar acompanhando os posts e ficando por dentro dos jogos em Tokyo de uma forma leve e espirituosa.

falta-de-planejamento

Tem problemas com a falta de planejamento de carreira? Saiba como se organizar

Escolher os melhores caminhos é sempre um desafio, que está presente não apenas na nossa vida pessoal, como na profissional também. Você se identifica com essa situação e está tendo problemas com a falta de planejamento de carreira? Então você precisa conferir esse post no qual daremos algumas dicas úteis de como se organizar.

O fato é que, com um pouco de paciência, autoconhecimento e estratégia, é possível reverter esse cenário e utilizar as suas demandas, necessidades e seus pontos fortes em prol dos cargos, posições e salários que você deseja em curto, médio e longo prazos. Continue lendo e veja como fazer isso!

Invista em autoconhecimento

O primeiro passo para organizar o seu planejamento de carreira consiste em ampliar os seus níveis de autoconhecimento. Isso é essencial não apenas para que você entende quais são as posições disponíveis que estão em sintonia com as suas principais competências, mas também o que você mesmo espera e deseja do seu futuro.

Além disso, essa é uma maneira de ganhar mais equilíbrio e inteligência emocional, visto que você passará a saber quem você é de verdade. Você pode fazer isso de forma autônoma, buscando livros e conteúdos que auxiliem nessa jornada ou, se desejar resultados mais expressivos, contar com uma consultoria profissional.

Trace objetivos e metas claras

Agora que você já aumentou os seus níveis de autoconhecimento, o próximo passo consistirá em traçar os objetivos que você deseja alcançar. Dependendo das suas escolhas, você também precisará investir em aprimoramentos, cursos, treinamentos, aquisição de novas habilidades ou até mesmo em uma fase de transição de carreira.

No entanto, independentemente das suas metas, um bom plano traçado tudo será mais fácil e simples. Vale lembrar também que o planejamento bem definido tem o papel de tornar você um colaborador mais produtivo e eficaz, evitando uma série de atitudes negativas, como atrasos, esquecimentos e procrastinação.

Não abra mão da tecnologia

Por fim, para fazer um bom planejamento de carreira, você pode (e deve) fazer da tecnologia uma poderosa aliada. Por meio dos aplicativos corretos, você poderá aumentar a produtividade no dia a dia e ganhar mais organização, o que permitirá até mesmo que você assuma mais compromissos, sem riscos de esquecimento.

Dependendo do app, você poderá anotar os seus objetivos, o que pode ser feito, inclusive, de acordo com as datas e prazos que você estipulou. Opções não faltam no mercado, muitas das quais totalmente gratuitas, como blocos de anotações, agendas inteligentes, softwares de gestão, programas de controle financeiro e assim por diante.

Agora você já sabe como se organizar e resolver o seu problema com a falta de planejamento de carreira. Siga esses passos e trace seu plano, pois essas ações simples ajudarão você a se alavancar profissionalmente e, de quebra, contribuirão para que você alcance não apenas o sucesso profissional, mas também a satisfação pessoal que você sempre sonhou!

Gostou de aprender um pouco mais sobre o planejamento de carreira? Ainda ficou com algum questionamento ou tem uma sugestão? Então não deixe de fazer um comentário aqui no post!

Os temíveis ruídos na comunicação e o que fazer para evitá-los

Conseguir passar uma mensagem de forma adequada e fazer com que nossos interlocutores nos compreendam é algo essencial para evitar problemas, tanto na vida profissional quanto na pessoal. No entanto, isso nem sempre é fácil de ser feito e, por isso mesmo, preparamos um post falando sobre os temíveis ruídos na comunicação e o que fazer para evitá-los.

Falar com clareza e competência ajuda a ter uma boa imagem e pode ser um dos seus pontos fortes dentro de uma organização. Por outro lado, não fazer isso pode atrapalhar bastante o seu caminho para o sucesso e até mesmo ofuscar outras competências que você tenha. Continue lendo e aprenda mais sobre o tema!

Afinal, o que são os ruídos na comunicação?

Os ruídos na comunicação podem ser entendidos como qualquer falha ou interferência indesejada, que acabe atrapalhando a compreensão de uma informação a ser transmitida. Como resultado, a mensagem passada ao interlocutor pode não assimilar o conteúdo e, com isso, uma série de consequências indesejadas podem ocorrer.

Esse tipo de circunstância pode ocorrer na vida pessoal, entre amigos, familiares, vizinhos e assim por diante. No entanto, no ambiente corporativo, tal situação é ainda mais indesejável, pois pode acarretar prejuízos, conflitos, impedir que oportunidades sejam aproveitadas ou até mesmo trazer problemas de gestão.

Quais problemas os ruídos na comunicação podem causar?

São inúmeros os problemas que os ruídos na comunicação podem causar. Um dos mais notáveis é causar dificuldades no aprendizado, uma vez que colaboradores que não compreendam bem os feedbacks fornecidos ou mesmo que não entendam as informações que estão sendo passadas em treinamentos terão dificuldades em se desenvolver.

Outro ponto problemático é a ocorrência de conflitos interpessoais, que podem ter um grande poder destrutivo sobre o trabalho em conjunto. Até mesmo a estabilidade emocional de uma equipe pode ser afetada, sobretudo quando houver um mal-entendido sobre algo que foi dito ou quando não houver o devido cuidado com a troca de informações.

Como evitar os ruídos na comunicação?

Como você viu, os ruídos na comunicação podem ser bastante nocivos no ambiente corporativo. No entanto, existem muitas maneiras de evitá-los e algumas práticas são bastante simples de serem adotadas. O primeiro passo é definir quem vai receber a mensagem, pois entender quem será o receptor ajuda a escolher o melhor tipo de abordagem.

Depois, é hora de escolher a forma de comunicação, decidindo como transmitir as ideias e informações, sabendo o momento certo e o meio mais adequado para isso. No caso de empresas e equipes, uma boa ideia é proporcionar o treinamento das habilidades comunicacionais, pois a qualidade no diálogo pode ser um grande diferencial para o negócio.

Como você viu, os ruídos na comunicação podem ser um grande problema, mas é possível evitá-los por meio da adoção de algumas medidas simples e que melhorem a capacidade dos interlocutores.

Gostou de aprender mais sobre os ruídos na comunicação? Quer conferir mais conteúdos como esse? Então, não deixe de nos seguir no Facebook, no Twitter e no LinkedIn!

Manual de como fazer um plano de ação que funciona

Muitas pessoas falam sobre os seus grandes sonhos e objetivos, mas poucas delas sabem como fazer um plano de ação para realmente colocar tudo em prática. Inclusive, a maior parte delas nem sequer inicia qualquer coisa e, por isso, é importante se destacar da multidão e realmente colocar a mão na massa.

A princípio, um plano de ação deve ser conciso e extremamente prático. Nele estarão seu principal objetivo e todas suas metas menores para alcançá-lo. Logicamente, as coisas podem mudar ao longo do caminho, mas, a ideia é ter um direcionamento claro que facilite a implementação de uma rotina produtiva.

Nesta postagem, falaremos sobre algumas medidas que podem ajudar você a criar esse planejamento de maneira totalmente prática. Ao término da leitura, temos certeza que você se sentirá mais motivado e pronto para colocar suas ideias em ação. Gostou da ideia? Vamos em frente!

Identifique seu objetivo

O primeiro passo para qualquer plano de ação, é a definição de um objetivo. Esse objetivo é o ponto final, a linha de chegada. Imagine que seu objetivo é ser doutor em um curso de nível superior, ou um empresário com uma empresa que atinge uma receita anual de 7 dígitos.

Não importa o que seja, a ideia aqui é simplesmente traçar uma direção, o ponto de partida para começar um planejamento. Importante dizer que seu grande objetivo deve ser realista e, preferivelmente, estar relacionado com seus maiores interesses, paixões e aptidões.

Entenda o que é necessário para alcançá-lo

Definiu seu objetivo? Ótimo! Mas agora é hora de refletir se é realmente isso que você busca. Ser doutor em qualquer área do ensino superior, por exemplo, é um trabalho e tanto. São milhares de horas de estudo e uma busca constante por novas informações, isso sem mencionar todas as dificuldades para criação de uma tese acadêmica de nível mais elevado.

O mesmo vale para quem deseja ser um grande empreendedor ou atingir o mais alto nível profissional. Os grandes cargos também representam enormes desafios e, por isso, é preciso analisar se os sacrifícios realmente compensam.

Separe seu objetivo em metas alcançáveis e mensuráveis

Se após a reflexão, você permanece firme e ainda mais motivado. Chegou a hora de realmente montar a base do seu plano de ação, e essa base são suas metas. Elas devem ser alcançáveis, ou seja, atingíveis dentro da sua realidade atual e, além disso, devem ser mensuráveis.

Isso significa que você deve ser capaz de enumerar uma ação clara e objetiva que te deixará mais próximo do seu objetivo final. Essa abordagem se assemelha bastante ao método SMART, amplamente conhecido e utilizado ao redor do mundo como uma ferramenta de coaching.

Você perceberá que serão inúmeras metas, mas, por segurança, coloque-as separadas em curto, médio e longo prazo para fins organizacionais e operacionais.

Veja seu progresso periodicamente

Definir metas é ótimo. Agir em direção a elas, melhor ainda. Mas, sem medir os resultados, não há como saber se os esforços estão sendo recompensados ou até mesmo suficientes para garantir seu objetivo.

Por isso, veja seu progresso periodicamente. Veja o que mudou e quais são os pontos negativos e positivos dos seus esforços. Essa análise deve ser feita de maneira periódica para garantir uma aproximação entre planejamento e realidade. Havendo necessidade, as metas devem ser redefinidas para que haja conformidade entre o plano de ação, seus frutos e seu objetivo.

Reforce seu objetivo inicial

Por fim, não se esqueça de reforçar seu objetivo frequentemente. No mundo moderno é importante manter o foco. Afinal, quase sempre estamos atarefados com nossas responsabilidades e ainda por cima enfrentamos uma realidade com frequentes interrupções.

Tirar alguns momentos para refletir e relembrar a razão pela qual o trabalho está sendo tão árduo é um exercício essencial para ajudar a manter a direção e principalmente a cabeça no lugar certo. Sem essas pausas conscientes, corremos o risco de navegar de acordo com a maré, sem nunca chegar a lugar nenhum. Isso quando não acabamos desistindo pela falta de propósito no meio do caminho. Por isso, muita atenção com seu plano de ação e tenha equilíbrio para conseguir perseverar a rotina.

Gostou do post? Baixe nosso infográfico sobre trabalho com propósito e amplifique seus conhecimentos sobre o tema!

Por que descobrir sua identidade profissional pode influenciar no sucesso da carreira?

Muitos pensam que a identidade profissional, relacionada a marca deixada que ajuda as pessoas a nos identificarem, é construída apenas com o início do mercado de trabalho e nas relações com outros profissionais. Porém, essas características são construídas desde a entrada na Universidade, projetos de pesquisas, contatos com demais profissionais da área e muito mais.

Assim, a partir de como você se mostrou dentro desse contexto de trabalho é possível definir uma identidade profissional, que pode envolver pontos positivos como paciência, dedicação, liderança, criatividade etc.) ou negativos (como desatenção, falta de ética, insegurança, inflexibilidade e correlatos.). Seja como for, essas características vão sendo moldadas aos poucos, de acordo com as experiências vividas e os aprendizados coletados.

Conseguiu perceber a importância da identidade profissional para ter uma trajetória de sucesso? Preparamos este post para falar sobre o assunto. Continue a leitura!

O que significa ter identidade profissional? 

Sabe quando você associa um ator ou atriz a um bordão utilizado por uma personagem em alguma produção? Podemos chamar isso de uma das identidades profissionais do artista, que corresponde a marca deixada para quem trabalha com ele ou simplesmente acompanha o trabalho.

Quer dizer, a identidade profissional é que torna o indivíduo único, seja por algo positivo ou negativo que tenha feito. Pense agora em um contexto de contratação dentro de uma empresa. 

Por exemplo, ambas as opções do recrutador podem ter uma formação de alto nível, mas enquanto um tem facilidade em trabalhar em equipe, o outro prefere o individualismo. Essas características contam muito na hora do recrutamento ou indicação para determinado cargo e não precisam necessariamente ter relação direta com a área de atuação ou cargo ocupado.

Qual a importância de ter identidade profissional?

Conforme mencionado, a identidade profissional contribui para que os recrutadores e colegas de trabalho conheçam você e façam uma escolha e/ou indicação mais direcionada em cargas de trabalho. 

Além disso, isso também é indispensável para o autoconhecimento profissional, já que ao saber suas características fica mais fácil entender o que precisa ser melhorado e quais os pontos fortes, por exemplo. Esse conhecimento é fundamental na hora de tomarmos uma decisão no campo profissional.

Lembre-se que passar por momentos de decisões e até os que são necessários optar por um ou outro colaborador é extremamente comum na vida profissional. Por esse motivo, a identidade profissional funciona como um indício de quem você é para facilitar na tomada de decisão e aumentar a credibilidade diante do mercado.

Como descobrir a identidade profissional?

Diante da importância desse assunto, é preciso investir tempo em métodos que contribuam para a descoberta da identidade profissional. Assim, você tem um melhor direcionamento de ações, aumenta a credibilidade com os recrutadores, não se limita nas escolhas e muitos outros benefícios.

Identifique habilidades

Pense em sua formação profissional até aqui, tente identificar os aspectos mais agradáveis e que você mais teve facilidade de lidar. Aprender com as experiências obtidas é um passo importante para que você se conheça. 

Além disso, não se limite apenas ao que já foi feito: converse com seus mentores, pesquise em sites de carreira e de discussão profissional para continuar essa descoberta. Tudo isso contribui para que você identifique suas habilidades e entenda o que mais desperta o seu interesse.

Destaque suas habilidades

Ao identificar suas habilidades é importante relacioná-las com seus objetivos e metas profissionais. Assim, você trabalha os pontos fortes para que ele seja mais perceptível e trabalha para melhorar os pontos fracos que podem afastar dos seus planos.

Por exemplo, se você futuramente quiser ser o gestor de uma empresa, mais do que falar sobre isso é preciso demonstrar sua vontade e capacidade para tal. Isso pode ocorrer ao trabalhar as principais características de um líder lidando com os membros de uma equipe, como empatia, autocrítica, saber tomar decisões, adaptabilidade etc. 

Desenvolva habilidades

É preciso deixar claro que as características que formam você não precisam necessariamente serem inatas. Muitas das mais valorizadas, como a criatividade, só existem quando exercitamos nosso cérebro para tal e temos repertório suficiente para gerar ideias inspiradoras, o que exige uma constante busca.

Assim, se você é bem-visto por ter determinada qualidade, a ponto disso ser associado como marca sua, não acha que não é necessário continuar desenvolvendo tais habilidades. Da mesma maneira, é possível se livrar ou atenuar pontos negativos quando se conhece e batalha para afastá-los. 

Nesse sentido, uma das habilidades mais importantes a ser desenvolvida é a comunicação, que pode auxiliar para que sua mensagem seja transmitida da maneira correta, para as pessoas corretas e no local adequado. 

Trabalhe sua rede de contatos

A rede de contatos tem um papel fundamental não apenas para direcionar seu futuro profissional a partir do que conhecem da sua identidade profissional, mas também para contribuir com o seu autoconhecimento. Isso porque, conselheiros acadêmicos, supervisores e colegas podem ajudar no desenvolvimento de suas habilidades e até no conhecimento de cada uma delas.

Assim, é importante conversar com essa rede de contatos e saber filtrar as críticas e opiniões emitidas por cada um deles. A partir disso, é possível classificar seus interesses, caminhos por onde encontrar oportunidades etc. 

Invista em capacitação

Para conseguir se preparar e desenvolver habilidades que auxiliam na construção da identidade profissional e do marketing pessoal, investir em capacitação é indispensável. Esse passo prepara você para os desafios que surgirão. 

Um exemplo disso é a pandemia do coronavírus, que pegou muitos de surpresa e exigiu capacidade de inovação e rápida adaptabilidade. Os mais preparados para o mundo digital, especialmente quem investiu em capacitação, teve mais vantagem ao lidar com esse desafio surgido.

Como você pôde perceber, a identidade profissional permite que você se destaque e abra oportunidades no mundo do trabalho que são imprescindíveis para a sua carreira. Afinal de contas, trata-se da marca transmitida para outras pessoas. Você queira ou não, ela causará uma impressão nos outros. Assim, para que essa impressão seja positiva, investir em um profissional especializado é indispensável.

Conseguiu entender a relevância do assunto? Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudá-lo!

Como dar feedback negativo para um colaborador?

O feedback negativo pode ser associado pelo senso comum a um processo prejudicial que inibe e constrange os colaboradores. Entretanto, a verdade é que, dependendo da maneira como você executa o feedback, o desempenho do colaborador e consequentemente da empresa, pode ser otimizado.

Da mesma maneira, o feedback negativo pode atrapalhar a motivação e produtividade da sua equipe, o que também leva ao baixo desempenho empresarial. Tudo vai depender de como esse processo é executado pelos gestores, além do empenho dos colaboradores em transformar isso em evolução. 

Ou seja, considerando que o feedback negativo pode resultar em dores ou delícias dentro de um negócio, de acordo com a forma com que é aplicado, é importante conhecer as melhores práticas para dar retorno. Assim, confira nosso post!

1. Tenha clareza

É preciso considerar que o momento de receber feedbacks costuma ser tenso para a maior parte das pessoas, que podem não se sentir confortáveis com a ideia de serem avaliados e terem os esforços questionados. Por isso, é comum que o nível de concentração diminua, assim como a confiança para pedir melhores explicações do que foi dito pelos superiores.

Dessa maneira, prezar pela clareza é uma das estratégias mais importantes para evitar ruídos na comunicação e diminuir as chances dos colaboradores fazerem interpretações diferentes do que foi dito, o que dificultaria a evolução de cada um, como a identificação de forma coletiva do que pode ter contribuído para erros ou desempenhos insuficientes.

Para isso, é válido ser didático e utilizar recursos visuais, se necessário, como gráficos e dados mensuráveis que contribuem para apresentação do feedback com mais clareza. Estruturar ideias, fornecer exemplos e sugestões também são maneiras de colocar o procedimento em prática.

2. Seja gentil

Constranger o colaborador não apenas pode não ter resultado nenhum na melhoria do desempenho, como pode contribuir para a queda na qualidade do trabalho, já que o profissional pode se sentir desmotivado para tentar o seu melhor. 

Então, seja gentil e comece falando sobre os pontos positivos, como o bom desempenho de cada um em determinada atividade, e depois fale sobre o que precisa ser aprimorado, reforçando que existe potencial para alcançar a evolução.

Quer um exemplo? Fale dos motivos que levaram a contratação do colaborador. Isso aumenta a confiança e diminui a tensão do momento, o que também é importante para aumentar a busca pela solução de problemas.

3. Utilize a Comunicação Não-Violenta

A CNV é um conceito desenvolvido por psicólogos que visam uma relação de mais parceria e cooperação, em que a comunicação predominante é sem violência e com empatia. Saber fazer isso contribui para um melhor clima organizacional, o que deve evitar críticas pessoais e grosseiras. Além disso, o princípio dela também inclui saber ouvir o colaborador, para que o feedback seja aplicado com mais eficácia.

Como você pôde perceber, a comunicação adequada pode ser a chave para que o feedback negativo passado aos colaboradores tenha bons frutos tanto do ponto de vista individual quanto coletivo, aumentando o potencial da empresa, que pode se tornar mais produtiva e alinhada com as propostas do negócio. 

Por esse motivo, que tal continuar aprendendo sobre o assunto? Confira o nosso post sobre estratégia de comunicação!

Estes são os principais tipos de liderança. Veja como identificar a sua!

Saber quais são alguns dos principais tipos de liderança é importante para o autoconhecimento, permitindo que você trabalhe seus pontos fortes e fracos, a partir do tipo de líder que descobriu ser e os diferentes cenários que ela mais se encaixa.

Afinal de contas, a atuação do líder pode ser significativa para que uma organização e equipe aumentem a motivação e produtividade, tendo maiores chances de alcançar os objetivos e metas estabelecidas. Isso porque o líder é o responsável por gerenciar os demais colaboradores para que tudo ocorra conforme o planejado.

Então, sentiu interesse no assunto e quer saber mais sobre os diferentes tipos de liderança para otimizar suas ações? Continue a leitura e saiba mais!

Líder autocrática

Como o próprio nome sugere, este tipo de liderança é focado no próprio líder (‘’auto’’ é um termo grego que significa ‘’relativo a si mesmo’’), que é o responsável por toda a tomada de decisões e pouco inclui os colaboradores no processo de decisão. Assim, as sugestões e intervenções são pouco consideradas, apesar de os resultados serem cobrados com maior intensidade.

Possivelmente, você já começou a imaginar que esse tipo de liderança não prova bons resultados, já que cobrança em excesso e pouco poder de decisão nas ações tende a causar tensões e um ambiente hostil, em que os colaboradores não se sentem motivados no trabalho, com pouca perspectiva de crescimento na carreira e valorização dos talentos. Assim, não é estranho que a autocrática leve a um maior índice de turnover.

Esse tipo de liderança costuma aparecer mais em pequenas e médias empresas, já que é comum uma maior sobrecarga de trabalho. Por isso, a flexibilidade da tomada de decisões diminui e o foco é em manter boas relações com os fornecedores e reestruturação de gastos, por exemplo. 

Líder situacional

Sabe quando o gestor da empresa atua de acordo com as demandas e necessidades específicas do momento? Esse é o líder situacional, cuja uma das principais qualidades é saber se adaptar a diferentes situações com rapidez e inteligência. 

Dessa maneira, é possível lidar com mais tranquilidade com os desafios surgidos no dia a dia, o que no mundo dos negócios não são poucos. Um exemplo disso foi a pandemia do coronavírus, que por medidas de segurança, exigiu o distanciamento social e transição para o home office em muitas empresas. Líderes que não sabem se adaptar a mudanças tiveram desvantagens em momentos assim.

Líder liberal

É como se esse perfil de liderança fosse o oposto do mencionado anteriormente, o autocrata. Nesse caso, a líder defende a liberdade e integração da equipe no processo de decisão, por acreditar que esse é o caminho mais recomendado rumo à resolução de problemas. Afinal, ele entende que os profissionais são qualificados o suficiente para tal ou precisam se tornar, sem que haja a necessidade de supervisão intensa e direta.

Então, conseguiu se identificar com algum dos tipos de liderança que foram citados? Além delas existem outros, como o líder democrático, coach, técnico, carismático etc. Conhecer diferentes perfis ajuda na busca pelo desenvolvimento pessoal, que deve ser constantemente trabalhado.

Aproveite a visita e aprenda mais sobre o assunto. Baixe o nosso e-book sobre liderança 360º!

A influência da autossabotagem no trabalho e como evitá-la

A autossabotagem no trabalho é uma vilã da produtividade e do foco. Como todos sabemos, alcançar novas metas é quase sempre um ato desafiador e, quando atrapalhamos nosso próprio caminho, a frustração é garantida.

Essa frustração pode se alastrar para vida pessoal e, ao longo do tempo, minar a sua qualidade como profissional. Muitas pessoas perdem o amor pela sua atividade e frequentemente não sabem a razão para isso e, ao fazer uma análise mais profunda, podemos observar que a autossabotagem está sempre relacionada a estagnação e insatisfação no trabalho.

Nessa postagem, falaremos mais sobre o tema além de informar como você pode identificar o problema e resolvê-lo de uma forma prática. Ficou interessado no assunto? Continue sua leitura até o final!

Entendendo o que é a autossabotagem

A autossabotagem está caracterizada quando um indivíduo age de maneira contrária aos seus principais objetivos. Muitas das vezes essas ações são sutis, e pode ser que, em alguns casos ,você nem sequer esteja totalmente consciente de parte delas.

Sabe a procrastinação? Aquela vez que você ficou vendo vídeos em vez de trabalhar? Ou quando optou por um momento de lazer em vez de cumprir suas principais obrigações no escritório? Pois bem, todos esses são sinais claros da autossabotagem. Note que a maior parte desses comportamentos são escolhidos e, quase sempre, eles estão acompanhados de “boas” justificativas.

Como esses comportamentos impedem seus maiores objetivos

Os comportamentos da autossabotagem impedem seus maiores objetivos de maneira sorrateira. Você nem percebe. O que acontece é que, ao optar por várias outras coisas que não estão alinhadas com seus objetivos, você começa a adiá-los de maneira indefinida.

No longo prazo, só sobra o desejo de conseguir alguma coisa, mas, no fundo, você nunca age para alcançar essa meta. Isso pode minar sua autoconfiança, sua qualidade de vida e satisfação profissional, como já mencionamos.

Ao longo dos anos, isso pode gerar uma crise ocupacional profunda, uma vez que eventualmente surgirão questionamentos sobre a própria aptidão ou até mesmo sobre as condições mercadológicas que envolvem sua área.

O que fazer para resolver esse problema

Resolver a autossabotagem não é fácil. A princípio, requer um controle mental e certa disciplina. Não é preciso ficar completamente obsessivo, mas adotar algumas regras é fundamental para não fracassar.

A primeira delas é terminar o que começou. Esse pequeno hábito, quando bem instaurado, garante milagres na produtividade. Outra “norma” muito eficaz é a de nunca escolher o lazer antes da obrigação, essa ordem quando invertida, sempre causa problemas.

Por fim, é preciso manter um planejamento claro sobre sua carreira e definir metas claras, alcançáveis, mensuráveis e objetivas. Revisitar esse planejamento com frequência é importante para evitar o “esquecimento”, uma vez que a vida pessoal (e até mesmo profissional) podem abafar esses anseios.

Para quem deseja ir mais a fundo e deseja derrotar a autossabotagem no trabalho de forma incisiva, é recomendado um trabalho profundo na autoimagem e a busca consciente da positividade e otimismo, mesmo em momentos de crise. Apesar de não ser fácil, conseguir ver o copo meio cheio garante uma vida plena e com maior desenvolvimento da inteligência emocional, habilidade cada vez mais importante para o crescimento na carreira e como pessoa.

Gostou do conteúdo? Sugerimos a leitura do nosso post sobre gestão de tempo — você não se arrependerá!

Por que a identidade de marca é tão importante para a carreira?

Nos últimos anos, a forma pela qual os profissionais se relacionam com o mercado e buscam as melhores posições disponíveis nas empresas mudou drasticamente. Ter apenas uma boa formação ou um currículo bem-feito não é mais um diferencial. Por isso, você não pode deixar de entender como a identidade de marca é tão importante para a carreira.

Esse é um aspecto fundamental para a construção do branding pessoal, que mostra para a própria pessoa e para o mundo o quanto ela é única e o que ela tem a oferecer, ajudando a causar uma boa impressão para contratantes, empregadores, gestores e clientes. Continue lendo o post e aprenda mais sobre o assunto.

Afinal, o que é a identidade de marca?

Quando falamos de uma empresa, a identidade da marca nada mais é do que um conjunto de elementos visuais e até mesmo abstratos, que tem a finalidade de representar essa instituição perante o público, direcionando a percepção das pessoas, preferencialmente, de uma maneira positiva e que gere vantagens para o negócio.

Uma marca, conceitualmente, deve ter uma personalidade própria, estruturada e que seja identificada sem dificuldades, se tornado um dos pontos fortes das estratégias de marketing e causando uma boa impressão nos clientes, estabelecendo um posicionamento único no segmento de mercado em questão.

Como é formada a identidade da marca de uma empresa?

Via de regra, a identidade da marca de uma empresa é montada em consonância entre os gestores e a equipe de marketing, considerando algumas características importantes. Para traçar elementos visuais, sensitivos e estratégias de comunicação, é preciso conhecer o negócio como um todo, assim como seus objetivos em curto, médio e longo prazos. 

Um dos pontos avaliados é a visão da organização, que pode ser entendida como o futuro, o estado que se deseja alcançar. Isso inclui, também, em que direção os esforços devem ser apontados, como o empreendimento se relaciona com a sociedade na qual está inserida e as aspirações que existam em relação a isso. 

Já a missão de uma empresa é uma espécie de declaração do propósito fundamental da instituição, a finalidade pela qual ela atua. É comum uma espécie de DNA, que não muda com o passar do tempo. É muito importante compartilhar isso com os colaboradores e parceiros, para que todos laborem em favor desse propósito.

Por fim, temos outro item fundamental, que são os valores. Esse é um termo bastante comum, pois qualquer pessoa tem os seus e os mais briosos não abrem mão deles. No universo corporativo, ele está relacionado com as crenças que guiarão o comportamento e as decisões, de maneira que a missão e a visão sejam exercidas.

O que a identidade da marca faz por um profissional?

Como dissemos, o conceito de identidade da marca é muito aplicado por empresas em todo o mundo, como uma forma de gerar uma impressão assertiva e otimista, sobretudo no seu público-alvo. No entanto, isso não quer dizer que um profissional não possa utilizar essa estratégia, desde que adapte alguns aspectos e pontos para si mesmo. 

Quando interagimos com clientes, parceiros, colegas de trabalho ou com o líder da nossa equipe, todos têm a sua própria interpretação sobre a gente, que pode ser positiva ou negativa. Felizmente, por meio de algumas ações pontuais e atitudes corretas, é possível direcionar essa percepção, de forma vantajosa para nossas carreiras e relações.

A identidade da marca gera senso de originalidade, mostra para as pessoas quem e o que a empresa é. Também é uma maneira de fazer com que o mercado compreenda a capacidade e as intenções da marca, contribuindo para mais reconhecimento, maior fidelização e até uma longevidade mais extensa dentro do respectivo setor.

Como suas características formam sua identidade?

Você já compreendeu como a identidade da marca de uma empresa é montada, mas pode estar se perguntando como aplicar isso na sua vida profissional. Felizmente, os princípios são bastante similares e você deve extrapolar para a sua realidade. É muito importante, por exemplo, conhecer e considerar os seus próprios valores.

Em termos de missão e visão, você também deve compreender as razões pelas quais você está no ramo que atua e onde você quer chegar no futuro. Lembre-se que tudo isso é transmitido, em nível pessoal, pela sua postura e maneira de se comportar, por meio da sua personalidade, capacidade de comunicação, tom de voz e assim por diante.

Como a identidade da marca se relaciona com seu branding pessoal?

Não é difícil perceber como a identidade da marca se relaciona com o branding pessoal, que nada mais é do que a forma como você se posiciona como profissional, em um esforço consciente, intencional e direcionado para influenciar a percepção que as pessoas têm de você, se posicionando como uma autoridade e elevando a própria credibilidade.

Confira abaixo como construir o seu branding pessoal.

Aja sempre com transparência

A forma pela qual você age com os outros define o seu branding pessoal, assim como influencia na identidade da marca, no caso de uma empresa. Por isso, ser transparente é muito importante no curso do desenvolvimento da sua história profissional, transmitindo a sua perspectiva, enquanto indivíduo, de uma maneira autêntica e acessível.

Comunique-se com clareza

Pessoas que conseguem se comunicar bem com as outras têm uma espécie de marca pessoal positiva, que contribui para o seu branding. Por isso, você deve investir nesse quesito, apostando na qualidade do diálogo e no desenvolvimento desse atributo. Se for o caso, não hesite em buscar uma consultoria para ajudar nesse aspecto, pois os resultados costumam ser excelentes.

Dê valor à sua reputação

Por fim, você não pode deixar de valorizar a sua reputação. Mesmo que você tenha um perfil mais pacífico ou calado, é importante que você reconheça e, no momento oportuno, deixe claro o valor agregado que você tem enquanto profissional. Isso é ainda mais crucial em algumas fases, como em processo de contratação, transição de carreira, entre outros.

Como você pôde ver, a identidade da marca e o branding pessoal são fortemente relacionados, sendo essenciais para a carreira de qualquer profissional. Uma consultoria especializada ajuda a reconhecer essas características, assim como a transmitir sua mensagem para quem realmente deve receber.

Gostou de aprender mais sobre a identidade da marca? Quer contar com uma consultoria especializada de alta qualidade? Então entre em contato conosco.

Precisamos conversar sobre as habilidades profissionais que te levarão a outro nível

Se você cresceu em um contexto em que para ser contratado no mercado de trabalho bastava ter um curso superior, possivelmente já percebeu que a situação fica cada vez mais desafiante e a busca por habilidades profissionais permanentes.

Em boa parte das vezes, não aprendemos a buscar essas habilidades profissionais nas instituições escolares e acadêmicas, é o caso da liderança e inteligência emocional, por exemplo. Seja como for, você precisa aprender a buscar e desenvolver cada uma delas para ter maiores chances de ser contratado e com o tempo, subir no cargo.

Então, sentiu curiosidade e quer entender mais sobre o assunto? Continue conosco!

Qual a importância de desenvolver habilidades profissionais? 

Tente se colocar no lugar do empregador: considerando que, quando um colaborador não conta com as habilidades profissionais necessárias para o cargo, é natural a necessidade dele ser substituído por outro que preenche essa lacuna — essa rotatividade pode custar até 16% da renda anual do trabalhador.

Assim, quando o colaborador já se apresenta durante o recrutamento com as habilidades profissionais necessárias, a empresa entende que há menores chances de precisar trocar a força de trabalho, pelo menos no curto prazo, e aumenta as chances de sua contratação ser efetuada. 

Além disso, desenvolver as habilidades profissionais ajuda na eficiência e produtividade, para que o trabalho desempenhado seja cada vez melhor e você possa contribuir para que a empresa alcance melhores resultados. Isso aumenta as chances de haver uma promoção para um cargo mais elevado e lucrativo, que deve ser objetivo de qualquer colaborador.

Quais as principais habilidades profissionais que o colaborador deve ter?

As habilidades profissionais variam de acordo com o cargo e empresa, mas no geral, qualquer empregador busca as mencionadas a seguir:

  • resiliência: a capacidade de se adaptar rapidamente em situações adversas, como a pandemia do coronavírus, por exemplo;
  • liderança: mesmo que a primeira contratação não seja um cargo de gerência, o potencial de liderar ao motivar equipes, delegar tarefas, ser exemplo e até se autoliderar é sempre bem-vindo;
  • comunicação: saber ouvir e se expressar com clareza é fundamental para que a mensagem não tenha ruídos e isso não leve a problemas;
  • trabalho em equipe: é a habilidade de se relacionar positivamente no trabalho para conseguir atingir metas e objetivos de forma conjunta;
  • resolução de problemas: os problemas precisam ser analisados de diferentes ângulos para que seja construída a melhor resolução;
  • perseverança e motivação: o mercado de trabalho apresenta inúmeros desafios e é preciso ter profissionais capazes de não se abalar com facilidade diante disso.

Como investir em habilidades profissionais? 

Algumas pessoas já têm algumas das habilidades profissionais citadas sem precisar fazer muitos esforços. Seja como for o seu caso, a recomendação é que a busca pela evolução seja constante. Assim, peça sempre feedback de quem trabalha com você, crie metas, tenha um mentor para melhor orientação etc.

Como você pôde perceber, as habilidades profissionais são indispensáveis para contratação no mercado de trabalho, não basta apenas se dedicar aos estudos acadêmicos. Assim, faça uma avaliação de quais são as habilidades mais requisitadas no seu momento atual e busque evoluir nisso.

Gostou do nosso post? Então confira também sobre as softs skills e continue se atualizando no assunto!