Saiba como receber feedbacks verdadeiros da sua equipe de liderados

Dar e receber feedbacks é fundamental para o desenvolvimento de líderes e também de seus liderados. Com a ajuda dessa ferramenta, é possível reconhecer pontos positivos e também aqueles que precisam melhorar.

Assim, no decorrer de uma carreira profissional, esse processo deve ser visto como algo natural e que faz parte do desenvolvimento de qualquer profissional.

Nesse cenário, saber lidar com os feedbacks, sejam eles positivos ou negativos, é essencial para a construção de uma liderança sólida e também eficaz.

Ficou curioso e quer saber como receber feedbacks verdadeiros da sua equipe de liderados? Então, continue a leitura!

Ensine a forma correta de fazer uma avaliação

A avaliação de desempenho é uma forma bastante eficiente de dar e receber feedbacks dentro de uma organização. Assim, é preciso orientar o time para que eles sejam capazes de fazer a avaliação da liderança levando importantes questões em consideração, como capacidade de comunicação do líder, empatia, capacidade de resolver problemas e mediar conflitos, entre outras questões.

Aprenda a lidar com as informações

A depender do tamanho da empresa, o número de subordinados pode ser bem alto, e isso também reflete no número de informações que você recebe todos os dias.

Por isso, ser seletivo e lidar com a comunicação de forma eficiente, evitando informações não oficiais, é fundamental para se alcançar o sucesso.

Além disso, é preciso checar as informações e verificar se as circunstâncias relatadas de fato aconteceram.

Não leve para o lado pessoal

Aceitar um feedback negativo, principalmente vindo dos subordinados, pode ser algo bastante desafiador, não é mesmo?

Assim, a melhor maneira de lidar com essa situação é procurar ser maduro para entender o retorno oferecido, propondo-se a fazer os ajustes necessários, e também não levar as questões para o lado pessoal.

Isso inclusive evita transtornos como perseguições, o que afeta de forma bastante negativa o clima organizacional na empresa. Logo, absorva o que fizer sentido e entenda que não é algo pessoal.

Esteja receptivo

Estar aberto para receber feedback é imprescindível para que você possa se desenvolver enquanto líder. Esse pode não ser um processo fácil para muitas pessoas. No entanto, tendo em mente que todos estamos em constante aprendizado, fica mais fácil superar essa barreira.

Lembre-se de manter o diálogo com todos, a fim de alinhar a comunicação e evitar ruídos que possam comprometer o desempenho de todos.

Faça todas as anotações

Por fim, anotar os feedbacks positivos e negativos da sua equipe permitirá que você reflita com mais calma a respeito das situações e atitudes relatadas. Com isso, ficará mais fácil traçar um plano de ação para melhorar a sua postura ou desempenho, o que traz vantagens para você e para a sua equipe.

Como vimos, receber feedbacks é algo extremamente necessário para o desenvolvimento do líder. Logo, estar aberto para fazer uma autoanálise após o recebimento do feedback e se comprometer a realizar as mudanças necessárias é indispensável para que você se torne um líder cada vez melhor.

Se você gostou deste artigo sobre receber feedbacks, curta a nossa página no Facebook para acompanhar mais conteúdos como este!

O que é comunicação corporativa e quais as vantagens de otimizá-la?

Naturalmente, empresas são ambientes que reúnem um grande número de pessoas e acabam contando com personalidades, egos e objetivos diferentes. Isso pode resultar em uma série de problemas ou situações conflituosas com o passar do tempo. Por isso, aprender o que é comunicação corporativa e quais as vantagens de otimizá-la pode ser muito importante.

Trata-se de uma maneira estratégica e inteligente de fazer com que os profissionais se entendam entre si e com a gestão, alinhando ideias, minimizando ruídos e evitando o surgimento de mensagens que poderiam ser mal compreendidas. Quer descobrir como fazer isso? Então, continue sua leitura!

O que é comunicação corporativa?

A comunicação corporativa pode ser definida como um conjunto de práticas e ações voltadas para que os integrantes de determinada empresa possam se comunicar com mais eficiência. Ou seja, a ideia é impactar os diferentes públicos e personalidades que atuam em uma companhia, bem como a forma pela qual a instituição interage com o público.

Mais do que meras estratégias de marketing ou propaganda, a comunicação corporativa é uma atividade muito mais complexa, tanto interna quanto externamente. Entre os seus objetivos principais, podemos destacar a melhora na percepção de valor de uma marca junto a seus públicos, focando em posicionamento e em uma postura clara no mercado.

Qual a importância da comunicação corporativa?

Como dissemos, a comunicação corporativa compreende aspectos internos e externos, o que torna fácil perceber que ela é relevante para gestores, colaboradores e para o público. Sua importância se dá em assegurar que todos os envolvidos com a instituição estejam a par de aspectos como posicionamento, desempenho, ações, produtos e serviços oferecidos.

Além disso, uma boa comunicação corporativa permite utilizar melhor os recursos humanos presentes na empresa, melhorando o ambiente e fortalecendo a imagem da marca. Afinal, pouco adiante pensar apenas no contato com os consumidores e não se comunicar bem com os funcionários, não é mesmo? É imprescindível abranger tudo e a todos.

Quais as vantagens da comunicação corporativa?

Agora que você já aprendeu o que é comunicação corporativa e qual a sua importância dentro de uma empresa, vamos aprofundar os nossos conhecimentos e elencar algumas das principais vantagens que contar com esse tipo de estratégia, tanto por ações internas quanto externas, pode proporcionar para o seu negócio. Acompanhe.

Melhora do clima organizacional

Uma das maiores vantagens da comunicação corporativa é a melhora do clima organizacional. Não é novidade que, dentro de uma empresa, esse é um dos maiores desafios, especialmente se considerarmos que o local conta com diversos profissionais distintos, com diferentes anseios, demandas, personalidades, expectativas, egos, características e objetivos pessoais.

Por isso, quando todos se comunicam bem, inclusive a gestão, o trabalho fica mais simples e a equipe se sente mais engajada, por conta da transparência da instituição. Outro ponto crucial é que isso reduz a distância entre os departamentos e evita os famosos burburinhos ou rumores, que poderiam gerar confusões e atritos desnecessários.

Mais desempenho e produtividade

Qualquer ação que promova o desenvolvimento da produtividade e do desempenho dos profissionais de uma empresa deve ser muito bem-vinda, não é verdade? Por isso, é interessante saber que esses também são benefícios que podem ser proporcionados por uma boa comunicação corporativa, dependendo da forma pela qual a estratégia é implantada.

A gestão pode apostar, por exemplo, em treinamentos, memorandos internos e reuniões de alinhamento, que fazem com que os colaboradores se sintam mais valorizados e integrados à instituição. São medidas bastante simples, mas que podem trazer ótimos impactos, sobretudo relacionados a um aumento de motivação e no engajamento da equipe.

Redução da taxa de rotatividade

Um dos maiores desafios das empresas atuais está relacionado com a retenção de talentos. Pela própria dinâmica que o mundo moderno vem experimentando, as pessoas estão mais propensas a mudanças e isso influencia, naturalmente, na vida profissional. No entanto, é preciso ressaltar que um dos benefícios da comunicação corporativa é a redução da taxa de rotatividade.

Na prática, isso quer dizer que quem atua em um ambiente no qual há um maior entrosamento entre a equipe, independentemente de cargos e posições, tende a se sentir mais satisfeito e confortável em fazer parte da organização. Como consequência, as possibilidades de que aceitem outras propostas ou uma transição de carreira são menores.

Melhor alinhamento das informações

Não dá para falar em benefícios da comunicação corporativa sem citar que ela proporciona um melhor alinhamento das informações. Afinal, esse é um de seus objetivos mais básicos, tanto para dentro quanto para fora da empresa. Por isso, é sempre importante prezar pela transparência e deixar os funcionários a par de tudo o que for relevante.

Por outro lado, quando a gestão esconde estratégias ou situações da sua equipe, pode haver uma perda em relação à sensação de pertencimento, o que não é nada bom para a produtividade e o ambiente. Ser honesto e direito, sobretudo em momentos de crise ou especulação, contribui para a consolidação da imagem e pode até atrair novos parceiros.

Atração e fidelização de clientes

Por fim, não podemos deixar de citar que uma boa comunicação corporativa permite melhores resultados na atração e fidelização de clientes. Entre outros pontos, a prática permite conhecer melhor a persona da empresa e desenvolver conteúdos mais relevantes para o público-alvo, o que é uma excelente estratégia de marketing.

Com tais informações, é possível apostar em ações assertivas, como a criação de blogs, acertar o tom nas redes sociais, ter uma melhor elaboração de anúncios e assim por diante. Trata-se de algo fundamental para aproximar a marca das pessoas e transformá-las em consumidores, criando uma identificação forte e duradoura.

Como você pôde ver, a comunicação corporativa é extremamente importante, principalmente em tempos de alta competitividade como os dias de hoje. Por isso, se você não está valorizando esse aspecto, é hora de mudar e adotar ações assertivas nesse sentido.

Gostou de aprender o que é comunicação corporativa e quais as vantagens de otimizá-la? Quer aprender a usar o seu papel de liderança para aplicá-la na sua empresa? Então, não perca mais tempo e entre em contato com a nossa empresa!

5 sinais que vão te ajudar a saber se está na hora de mudar de emprego

Uma das grandes qualidades na vida profissional é saber quando agarrar ou largar determinadas oportunidades. Afinal, algumas podem trazer aprendizagem e crescimento. No entanto, outras tendem a estagnar o profissional, principalmente depois de um tempo. Assim, uma das aprendizagens essenciais é descobrir quando é a hora de mudar de emprego.

Você saberia dizer quando é o momento ideal para isso? É possível que essa dúvida já tenha surgido na sua cabeça em algum momento. Porém, a insegurança e até mesmo o comodismo podem ter falado mais alto. Por outro lado, também é possível que a decisão de permanecer no emprego ocorra porque realmente não era o momento de sair. Confuso, não é?

Para ajudar você a interpretar melhor os sinais e entender quando é a hora de mudar de emprego, preparamos este post. Tem interesse no assunto? Continue a leitura e fique por dentro de X sinais!

1. O cansaço e o estresse têm sido muito comum

É natural que o trabalho cause cansaço e estresse em algum momento. Afinal, empregos no geral podem trazer muita pressão, convivência intensa com pessoas de visões diferentes etc. No entanto, não é saudável e nem produtivo que esses problemas sejam recorrentes a ponto de causar o esgotamento físico e mental

Inclusive, o excesso de trabalho pode desencadear a síndrome de Burnout, que já afeta 30% dos brasileiros, segundo pesquisa do Isma. Como consequência, o profissional que sofre desse problema tem uma maior propensão a depressão, tentativas suicidas e outros desequilíbrios. 

Por isso, se o seu emprego atual gera desgaste de forma recorrente, pode ser o momento de repensar a permanência nele. Normalmente, essa sobrecarga é ocasionada pela demanda excessiva nas mãos de uma única pessoa ou desvio de funções. 

E ainda, existe a possibilidade do seu corpo simplesmente não se acostumar com o ritmo daquele trabalho específico. Nesse caso, não insista em permanecer por achar que todo trabalho deva ser árduo e sofrido. Lembre-se que você possivelmente passa a maior parte da sua vida com essas demandas. Assim, certifique-se de que elas ofereçam também prazer. 

2. Você não se encaixa mais na cultura organizacional

Você já tentou vestir uma roupa cuja numeração é muito abaixo da sua? Naturalmente, isso apertou o seu corpo e gerou desconforto, que tende a ser maior a médio e longo prazo de uso. A mesma lógica serve para quando um profissional continua em um emprego desalinhado com a cultura organizacional.

Isto é, toda empresa tem uma cultura específica, algumas são mais claras e definidas e outras não. Para que o trabalho funcione adequadamente neste local, é necessário que os colaboradores estejam alinhados com a cultura. 

Caso contrário, é possível que surjam discussões com os superiores. Quanto mais recorrente isso ocorra, maior a tensão no trabalho e menor a produtividade com as demandas. Considere também que mesmo se você ignorar suas discordâncias e fazer o que foi solicitado, é natural perder gradativamente a motivação. Assim, a produtividade também é afetada.

Pense também que se a cultura organizacional se desviar dos valores e princípios pessoais do colaborador, as consequências são ainda maiores. Isto é, você se sentiria confortável em trabalhar diretamente em algo que vai contra suas crenças? Se a resposta for negativa, pode ser a hora de mudar de emprego. 

3. A sua qualidade de vida é muito afetada

Você já ouviu a expressão “trabalhe para viver e não viva para trabalhar’’? Ela deixa claro que a vida profissional precisa ser valorizada, mas não pode ser o elemento principal de nossas vidas. Afinal, dessa maneira, você pode descuidar da sua saúde física e mental, além de deixar os laços sociais em segundo plano. 

Em algum momento, os efeitos dessa escolha serão percebidos. Isso pode ocorrer com o já mencionado burnout, ou até mesmo com depressão, problemas cardiovasculares, diabetes e muitos outros. Por isso, um emprego que valoriza realmente a sua força de trabalho entende a importância de cuidar da qualidade de vida. 

Isso é percebido com uma remuneração justa, direito a descansos, incentivo do bom relacionamento com os membros, promoção de ambientes agradáveis e ergonômicos etc. Se isso não ocorrer e a sua qualidade de vida passar a ser afetada, pode ser a hora de mudar de emprego. 

4. Seu salário não te valoriza

Um bom profissional não pode se acomodar e precisa se atualizar frequentemente. Na prática, isso ocorre com a busca de especializações ou cursos livres, por exemplo. Assim, é possível oferecer mais valor para o cargo ocupado e se alinhar com as necessidades atuais. 

Logo, a empregadora ganha com os resultados do seu empenho, mas ela recompensa você adequadamente por isso? Isto é, o seu salário condiz com as suas competências técnicas e comportamentais e os benefícios oferecidos a empresa? 

Se a resposta for negativa, é sinal de que ela não valoriza o seu trabalho como deveria. Em situações como essas, é natural se desmotivar com o emprego e até diminuir a produtividade. Então, trocar de trabalho tende a ser a melhor escolha para evitar esse problema. Por isso é tão importante acompanhar a remuneração no mercado de trabalho para sua área.

5. Você não enxerga perspectivas de crescimento

Conforme mencionado, um dos motivos para mudar de emprego pode ser evitar a estagnação. Afinal, algumas vezes não existe um plano de carreira da empresa para que você evolua ou simplesmente o seu desejo é buscar por desafios diferentes. Se identificou com a situação, mas ainda assim tem medo? 

Isso é normal, o que leva muitas pessoas a permanecerem no emprego por mais tempo do que o recomendado, para não sair da zona de conforto. Entretanto, a inércia tem consequências e os seus sonhos profissionais podem ser afetados com isso. 

Então, conseguiu descobrir quando é a hora de mudar de emprego? Assim, ao perceber que o seu momento chegou, não tome decisões precipitadas. Planeje cuidadosamente sua busca por uma nova empresa, identifique segmentos em crescimento, busque novos conhecimentos, trabalhe sua marca pessoal etc. Tudo isso ajuda em uma transição bem-sucedida.

Nós da PH Gestão de Imagem podemos auxiliá-lo nesse processo para controlar o seu nervosismo e redobrar as chances de sucesso. Quer saber como? Entre em contato conosco!

Como conseguir ser um profissional feliz dentro do ambiente de trabalho?

Independentemente do ramo do mercado, quando alguém trabalha sem felicidade no seu dia a dia, as chances de ter um desempenho satisfatório acabam diminuindo consideravelmente, não é verdade? Diante de tal realidade, resolvemos preparar um post trazendo dicas de como conseguir ser um profissional feliz dentro do ambiente de trabalho.

O lado bom dessa história é que, pode meio de algumas ações específicas e atitudes relativamente simples, você pode mudar esse cenário, exercendo seu ofício de uma melhor forma e deixando a sua marca pessoal dentro da organização. Quer aprender como fazer isso? Então, continue a sua leitura!

Descubra sua verdadeira vocação

Não tem jeito: para conseguir ser um profissional feliz dentro do ambiente de trabalho, você precisa descobrir a sua verdadeira vocação. Alguém que nasceu para ser médico, dificilmente ficará satisfeito na engenharia, um artista tende a fica bastante incomodado preso em um escritório e algo do gênero pode perfeitamente estar acontecendo com você.

Se for o caso, pode ser interessante cogitar uma transição de carreira ou mudança de posição, desde que isso seja feito de forma estruturada e racional. Questione-se quanto ao que poderia trazer mais motivação, se você vem se sentindo valorizado na empresa e assim por diante. Se você concluir que está no lugar certo, é hora de partir para a dica seguinte.

Cultive bons relacionamentos

Em qualquer local no qual atuam e convivem diversas pessoas, cultivar bons relacionamentos será imprescindível para conseguir ser um profissional feliz dentro do ambiente de trabalho. Por isso, você precisa ser proativo e colaborar desinteressadamente com os outros, tratando a todos com respeito e tolerando bem eventuais diferenças.

Quanto à organização em si, seja uma empresa, escritório ou qualquer outro tipo de estabelecimento, a dica é envolver-se verdadeiramente com seus propósitos e objetivos, se colocando no lugar dos líderes e participando de todas as soluções. Esteja disponível para contribuir com o que for preciso e demonstre isso sempre que possível.

Aposte na gestão de imagem

Se você ainda não conta com uma boa gestão de imagem, chegou a hora de mudar esse cenário. Ademais, isso é algo que pode te ajudar bastante a conseguir ser um profissional feliz dentro do ambiente de trabalho. Tenha em mente que uma consultoria especializada pode contribuir para que você faça uma autoanálise e a auxiliar nas mudanças necessárias. 

É um serviço complexo e, sem um acompanhamento adequado, as chances de erros são enormes. Além disso, é algo que pode encurtar o seu caminho para o sucesso, mostrando quais são suas melhores habilidades e pontos de melhoria, potencializando seu desempenho e trazendo resultados excepcionais em muito menos tempo.

Como você pode ver, ser um profissional feliz dentro do ambiente de trabalho depende de uma série de escolhas e atitudes inteligentes, que mudarão a forma pela qual você encara sua carreira e reage diante das diferentes situações que se apresentam no dia a dia.

Gostou de aprender como conseguir ser um profissional feliz dentro do ambiente de trabalho? Então, não deixe de curtir nossa página no Facebook!

O que é Marketing de Conteúdo e por que você deve tê-lo em sua estratégia

Existem várias estratégias de marketing que podem ser aplicadas em uma empresa. Mas, você sabe o que é marketing de conteúdo e o impacto desse método para o sucesso do negócio?

Na internet, as pessoas estão expostas diariamente a diversos conteúdos, sejam fotos, textos, vídeos, dentre outros. Mas, para obter diferencial, é necessário aplicar estratégias que agreguem mais valor, fazendo com que a pessoa se interesse pelo seu material e veja que pode contribuir com informações, interesses ou problemas.

Por isso, neste artigo, apresentaremos como fazer e quais benefícios seu negócio pode obter por meio do marketing de conteúdo. Confira mais detalhes a seguir!

O que é o marketing de conteúdo?

O primeiro passo é que você compreenda em detalhes sobre o que é Marketing de Conteúdo

Esse tipo de estratégia tem como foco atrair potenciais clientes e promover o engajamento desses usuários com a marca. 

Geralmente, para que esses conteúdos sejam efetivos, eles consideram que tais pessoas têm características semelhantes e de interesse para a marca, formando o público-alvo da sua empresa, ou mesmo as personas, personagens mais específicos em dores e interesses.

Ao considerar tais aspectos e produzir conteúdo de valor, é possível fazer com que sua empresa tenha o aumento de clientes ou de leads (que são clientes em potencial). 

Por meio desse material é possível atrair novos clientes, assim como envolvê-los com o conteúdo, criando uma boa percepção acerca da sua marca e negócio, criando valor e um relacionamento de confiança a longo prazo. 

Sua empresa precisa conhecer o público, pois ele tem algumas preferências e conteúdos que considera relevantes. 

Por isso, esse trabalho visa que a empresa crie um conteúdo que seja relevante, atrativo e que consiga chamar a atenção do público-alvo, aproximando-o de forma natural do negócio e possibilitando novos negócios.

Para chamar a atenção do cliente, o conteúdo precisa agregar algum tipo de benefício, seja tirar uma dúvida ou esclarecer algum tema, por exemplo.

Por isso, esse tipo de ação de marketing trabalha no conhecimento da jornada de compra do consumidor e nos temas que ajudam na evolução da jornada de compra, considerando os objetivos da marca. 

Conheça a jornada de compra do consumidor

O marketing de conteúdo precisa trabalhar integrado com as estratégias de marketing da sua empresa. 

Para isso, é essencial conhecer o processo de jornada de compra do consumidor. Isso é importante porque o cliente nem sempre tem a certeza do que precisa consumir.

Muitas vezes, a pessoa ainda não identificou quais são os seus problemas e nem tem uma marca ou empresa como referência. 

Já em outros casos, pode estar mais decidida, já sabe que quer realizar um processo de compra ou, até mesmo, tem interesse em se cadastrar para receber algum conteúdo da empresa, por meio de uma newsletter ou email-marketing, pois compreende que tem relevância em um nicho que pode resolver uma necessidade.

Como elaborar uma boa estratégia de marketing de conteúdo?

Para montar uma boa estratégia de marketing de conteúdo precisamos falar sobre a estratégia do Inbound Marketing, que é voltado para o marketing de atração do cliente. 

A partir disso, é possível elaborar uma estratégia levando em conta 5 elementos:

  • Planejamento;
  • Definição de persona e público-alvo;
  • Desenvolvimento de conteúdos relevantes;
  • Distribuição dos conteúdos;
  • Mensuração de resultados. 

Entendendo cada uma dessas etapas é possível visualizar uma melhor estratégia para a divulgação da marca, alcançando novos públicos com cada vez mais qualidade;

Na prática, o planejamento consiste em um plano que vai definir as metas e objetivos da empresa, quais canais podem ser utilizados e quais conteúdos podem ser desenvolvidos. Tudo isso, a partir de uma identidade visual da marca e conhecimento do mercado.

O processo de elaborar uma persona parte da escolha do público-alvo. A persona, nada mais é que um personagem fictício que representa os clientes. Conforme os nichos de público e atuação, é possível desenvolver mais de um a persona, permitindo criar campanhas mais segmentadas e que promovem resultados. 

O processo de criar o conteúdo pode ser feito a partir de vários formatos, como vídeos, e-books, fotografias e artes. A ideia é fazer esse material a partir das características do público, assim como do canal de veiculação, fazendo com que seja atrativo, de valor e informativo o suficiente para fazer o lead evoluir na jornada de compra. 

Além do processo de criação dos conteúdos, é fundamental saber onde eles serão distribuídos. Por exemplo, você pode criar um conteúdo para redes sociais, assim como para o disparo via email marketing. Assim, é preciso considerar a profundidade e objetivo do material, bem como as especificidades de cada canal, para que o material seja efetivo.

Para fechar nossa lista, é crucial investir na mensuração de resultados, que compreende em ações para visualizar quais foram os resultados das campanhas, levando em conta o objetivo traçado, com métricas como tráfego obtido, taxas de conversão, ROI, o tempo de permanência do cliente na página, dentre outros aspectos importantes. 

Redes sociais

Para divulgar o seu conteúdo, é possível investir em anúncios publicitários, levando em conta o poder de atração e possibilidade de segmentação desses materiais, isso sem perder as características do marketing de conteúdo, visto que materiais educativos podem ser patrocinados. 

Além disso, nas redes sociais, essas ações se destacam, possibilitando atingir um maior público que tem potencial de conversão, aproximando a marca ainda mais da rotina dos consumidores. Afinal, diariamente as pessoas acessam suas redes, tendo contato direto com a marca.

Outra vantagem é a possibilidade de mensurar o alcance do conteúdo nessas plataformas, que oferecem campanhas menos custosas e facilitam a produção de materiais orgânicos e patrocinados, visto que é possível acompanhar o comportamento e os interesses da audiência, conhecendo melhor o consumidor, seja usando o Instagram ou o Twitter Ads

Dessa forma, sua empresa tem a possibilidade de atingir o público correto por meio de bons conteúdos e estratégias que visam a escolha de palavras-chaves para identificação dos algoritmos e dos próprios usuários sobre o segmento de atuação.

Consequentemente, os potenciais clientes podem encontrar e interagir com as publicações, conhecendo melhor os produtos e serviços, agregando novas oportunidades de negócio e sucesso ao empreendimento.

Conheça os 4 tipos de temperamento e descubra qual é o seu

Não é novidade para ninguém que cada pessoa tem uma personalidade única, marcada por características e peculiaridades diferentes. Compreender isso é muito importante para saber como direcionar as energias e fazer escolhas na vida profissional. Pensando nisso, preparamos esse post mostrando quais são os tipos de temperamento que existem.

Via de regra, são eles que caracterizam nossos comportamentos e atitudes, estando amplamente relacionados com a maneira pela qual entendemos o mundo à nossa volta e reagimos aos estímulos que surgem, de acordo com nossas habilidades e valores pessoais. Continue lendo o conteúdo e descubra qual é o seu!

1. Sanguíneo

Um dos tipos de temperamento mais marcantes que existe é o sanguíneo. Como o próprio nome já diz, pessoas assim são calorosas, ativas, extrovertidas e repletas de energia. Em linhas gerais, não gostam de perder tempo e estão dispostas a arriscar.

Por outro lado, como em tudo na vida, também existe um lado negativo. Os sanguíneos são mais explosivos e podem ter problemas com a estabilidade emocional. Embora a impulsividade seja boa em alguns momentos, também pode expor o indivíduo ou sua empresa a riscos desnecessários.

2. Melancólico

Você já deve ter ouvido falar que a depressão é um dos males do século e vem sendo amplamente estimulada pelo estilo de vida moderno, no qual há pouca preocupação com questões de saúde e relacionamentos sociais, com foco total no trabalho e na execução de tarefas profissionais.

No entanto, existe um tipo de temperamento que pode ser mais suscetível ao quadro: o melancólico. Indivíduos assim são bastante sensíveis em suas emoções e sentimentos, com dificuldades em expor o que sentem. Por outro lado, costumam ser muito detalhistas e fieis, embora desconfiados.  

3. Colérico

Dentre os tipos de temperamento que existem, este é um dos que mais se assemelha com o sanguíneo. No entanto, existem boas diferenças entre eles. Ambos podem ter comportamentos mais explosivos e até agressivos, mas os coléricos podem ser ainda mais intensos.

Tratam-se de pessoas dominadoras, ambiciosas e determinadas, que nasceram com o ímpeto para o conflito e o combate. Por isso, conseguem liderar com grande eficiência, mas podem perder a mão na hora de pensar no bem coletivo ou se sacrificarem pelo grupo.

4. Fleumático

Por fim, o último dos tipos de temperamento que vamos explicar em nossa lista é o fleumático. Ele é o extremo oposto do colérico e faz de tudo para evitar conflitos. Ainda que isso possa parecer muito positivo na maioria das situações, quando ocorre em excesso também pode ser um problema.

Ao mesmo tempo em que os fleumáticos são dóceis, pacíficos e positivos, eles também podem ser tornar acomodados e perder em produtividade quando se encontram em ambientes muito competitivos ou desarmônicos, como o mundo corporativo costuma ser.

Agora você já sabe quais são os tipos de temperamento e pode descobrir qual é o seu. Lembre-se que, na maioria das vezes, temos uma combinação entre eles na formação da nossa personalidade!

Gostou de aprender mais sobre os tipos de temperamentos? Quer conferir mais conteúdos como este? Então, não deixe de seguir nossa página no Facebook!

carreira e proposito

Carreira e propósito: entenda a relação entre eles

Vivemos uma era na qual as pessoas não estão mais satisfeitas em apenas terem um bom salário ou estabilidade dentro de uma empresa. Todos querem fazer a diferença, viver experiências únicas e deixar sua marca no mundo. Pensando nisso, preparamos um conteúdo explicando os conceitos de carreira e propósito, além de mostrar a relação entre eles.

São aspectos que, quando bem alinhados, podem promover resultados surpreendentes, garantindo uma sintonia incrível entre vida pessoal e profissional. No entanto, para isso, pode ser necessária uma transição, o desenvolvimento de habilidades e alguma coragem. Continue sua leitura e aprenda mais sobre o tema!

O que é carreira?

Muita gente pode achar que sabe o que é carreira, mas o fato é que seu conceito pode ser um pouco mais complexo do que parece. Em linhas gerais, ela engloba não apenas os cargos e empresas nas quais você trabalhou, mas também as experiências, contatos, networking, conhecimentos acumulados, competências e habilidades, por exemplo.

Não é incomum que, eventualmente, as carreiras sequer estejam diretamente ligadas com uma graduação ou especialização realizada, pois os caminhos do mercado podem nos levar para lados completamente diferentes do que imaginávamos. Porém, se esse direcionamento não estiver em sintonia com nosso propósito, as chances de sucesso diminuem bastante.

O que é propósito?

De uma maneira resumida, podemos dizer que um propósito é uma intenção, um objetivo para alguém que pretende alcançar algo. Ele pode (e deve) estar presente em muitos campos da vida, mas também precisa fazer parte de nossa carreira profissional. Nesse sentido, ter um propósito pode significar projetos ou um trabalho no qual você encontra um sentido.

Infelizmente, esse era um tema que sequer era considerado há alguns anos, pois boa parte das pessoas se preocupava apenas em fazer uma boa formação, conseguir um cargo estável e um salário alto. Entretanto, com o passar do tempo, era comum que a desmotivação tomasse conta, porque a pessoa não fazia algo que realmente gosta ou valoriza.

Qual a relação entre carreira e propósito?

Depois de conferir os conceitos de carreira e propósito, não é difícil perceber que eles estão intimamente relacionados, especialmente na época em que vivemos. Ter um propósito de carreira implica em acordar com motivação, ter força para a definição de objetivos e aproveitar o máximo do seu potencial, estando em constante evolução.

Para isso, você precisa conhecer seus objetivos, pontos fortes e competências, de forma que suas futuras escolhas permitam uma realização plena. Por mais que pareça um clichê, todos nós queremos realizar sonhos e deixar nossa marca pessoal no mundo, o que só será possível com bastante esforço, determinação e alguma dose de coragem.

Como você pôde ver, a relação entre carreira e propósito é bastante clara e é cada vez mais difícil ter sucesso na vida profissional sonegando parte pessoal. A PD Gestão de Imagem e Carreira pode ajudar muito nesse sentido, ajudando a identificar os melhores caminhos para você!

Gostou de entender a relação entre carreira e propósito? Quer ajuda para uma transição profissional de sucesso? Então, não perca mais tempo e entre em contato com a nossa empresa!

foto-mulhres-juntas-analisando-técnicas-de-gerenciamento-de-tempo

7 técnicas de gerenciamento de tempo para a rotina do líder

A vida da grande maioria das pessoas dos dias de hoje é extremamente atribulada e, eventualmente, não tempos horários disponíveis para aperfeiçoar os nossos conhecimentos, curtir a família ou simplesmente descansar o suficiente. Por isso, aprender algumas técnicas de gerenciamento de tempo para a rotina do líder pode ser fundamental.

Quando você tem outros profissionais sob o seu comando, é preciso estar disponível para eles em diversos aspectos, dando um exemplo positivo e estando sempre pronto para resolver os desafios que surgirem no horizonte. Quer descobrir como fazer isso? Então, continue lendo o conteúdo de hoje!

1. Método Getting Things Done

O Método Getting Things Done, também conhecido pela sua sigla GTD, pode ser traduzido como “Deixando as Coisas Prontas” ou algo do tipo. Na prática, ele consiste no uso de algumas estratégias para não procrastinar e resolver logo as pendências da rotina. Para isso, é preciso de um pouco de planejamento, além de estabelecer objetivos e traçar seus passos.

São cinco etapas, que consistem em recolher (anotar as atividades a serem feitas); processar (estipular prioridades e delegar tarefas); organizar (usar agendas ou ferramentas de tecnologia para definir prazos); executar (fazer efetivamente o que foi proposto) e rever (detectar falhas e eliminar dificuldades para que não tornem a se repetir no futuro). 

2- Método Pomodoro

Definitivamente, o método Pomodoro é um dos mais conhecidos dessa lista e ganhou muita popularidade nos últimos tempos, sobretudo por alunos universitários que tinham dificuldades em estudar todas as matérias e manter a motivação. No entanto, a técnica é perfeitamente aplicável por que já se encontra inserido no mercado de trabalho, inclusive por um líder.

A ideia é fazer uma lista do que precisa ser realizado e depois marcar 25 minutos em um cronômetro. Assim que o período determinado acabar, é obrigatório fazer uma pausa de 5 minutos, usando esse momento para fazer algo agradável. Depois de 4 ciclos, é preciso dar uma parada maior, de 30 minutos. É uma boa tática para manter a concentração e o ânimo.

3- Método Kanban

O método Kanban é mais uma das técnicas de gerenciamento de tempo para a rotina do líder que pode ser muito útil para sua rotina. Ao contrário dos exemplos anteriores, ela é mais comumente utilizada no universo empresarial, embora seja apenas uma maneira de conseguir um melhor planejamento para o seu dia.

A ideia é agrupar tarefas em um quadro, que é posteriormente dividido em listas. Isso pode ser feito de formal manual ou por uma solução em tecnologia, como um software. Muitas pessoas utilizam cartões e vão transferindo-os de acordo com o andamento do processo. As listas podem ser intituladas, por exemplo, como “iniciar”, “em andamento” e “concluídas”.

4. Método Time Tracking

O método de Time Tracking pode ser considerado como uma das metodologias mais básicas e simples de gerenciamento de tempo para a rotina do líder. Se você não tem muitas habilidades para controlar o seu horário ou não quer fazer maiores investimentos nesse sentido, podemos dizer que se trata de uma alternativa a ser avaliada com carinho.

Para isso, como o próprio nome já indica, basta que você cronometre e coloque no papel quanto tempo você passa fazendo cada tarefa. Depois disso, você deve pegar os resultados obtidos e avaliar os dados, de forma a encontrar pontos de melhoria. É possível fazer isso com papel e caneta, planilhas de computador ou mesmo aplicativos de celular.

5. Método da Matriz GUT

O foco do método da Matriz GUT tem como base três elementos que formam a sigla Gravidade, Urgência e Tendência. Embora tenha sido criada nos já distantes anos 80, vem se popularizando entre alguns líderes mais recentemente, como uma ferramenta que promete ajudar no gerenciamento de tempo e na definição estratégica de prioridades.

Para isso, você pode usar uma coluna de Excel ou uma folha, na qual deverá colocar colunas, dividindo as tarefas e atribuindo notas de 1 a 5, de acordo, obviamente, com sua gravidade, urgência e tendência, que é uma estimativa das consequências se ela for ignorada. Depois de multiplicar os valores, você encontrará o peso e a relevância de cada atividade.

6. Método da Gamificação

De acordo com a evolução da tecnologia e o desenvolvimento do mundo dos videogames, temos cada vez mais interessados nesta indústria em todo o planeta. Por isso, é interessante saber que uma das mais curiosas e eficazes técnicas de gerenciamento de tempo para a rotina do líder nos dias de hoje é chamada justamente de método da gamificação.

Por meio da estratégia, você transforma cada tarefa em uma espécie de jogo, trazendo um componente lúdico e divertido para sua realização. Existem aplicativos, sites e até consultorias especializadas nesse sentido, com recompensas que podem ser convertidas em incentivos reais, como bonificações, premiações, períodos de descanso e assim por diante.

7. Método do Impacto x Esforço

Por fim, não poderíamos deixar de falar no método do Impacto x Esforço como uma das técnicas de gerenciamento de tempo para a rotina do líder. Como o nome já ajuda a compreender, trata-se de uma tática na qual é criado uma espécie de quadro, que é dividido em quatro partes iguais, que formam quadrinhos menores.

Em cada uma, você pode colocar indicações específicas, na ordem de Alto Impacto e Baixo Esforço, Alto Impacto e Alto Esforço, Baixo Impacto e Baixo Esforço e Baixo Impacto e Alto Esforço. Com isso, fica muito mais simples priorizar as ações importantes e que terão melhores resultados, em detrimento das que são trabalhosas, mas não proporcionam grande retorno.

Depois de conhecer as técnicas de gerenciamento de tempo para a rotina do líder, você é capaz de estimular sua equipe, atender melhor os clientes, aumentar os seus conhecimentos e até ter um pouco mais de disponibilidade para a sua vida pessoa. Por isso, escolha a sua opção favorita e coloque logo em prática!

Gostou de aprender as 7 técnicas de gerenciamento de tempo para a rotina do líder? Então, que tal conferir também nosso outro post aqui no blog sobre gestão de tempo?

Análise SWOT pessoal: o que é e o que ela analisa?

A busca pelo autoconhecimento é algo extremamente recomendável para qualquer pessoa, especialmente para aquelas que desejam fazer sucesso na carreira profissional e procuram ocupar cargos de liderança no futuro. Diante desse contexto, entender o que é a análise SWOT pessoal e o que ela analisa pode ser muito interessante.

Embora a prática ainda esteja ganhando o seu espaço por aqui, pode ser uma estratégia interessante para quem deseja entender melhor seus pontos fortes, fracos e oportunidades, permitindo a realização de um planejamento mais assertivo em curto, médio e longo prazos. Continue sua leitura e descubra como fazer isso!

Afinal, o que é uma análise SWOT?

A análise SWOT é bastante conhecida nos Estados Unidos e foi criada na tradicional Universidade de Stanford, provavelmente na década de 60. No começo, foi mais difundida para empresas, administradores, líderes e gestores, como uma maneira estratégica de avaliar como o negócio estava se desenvolvendo e suas possíveis limitações.

No entanto, atualmente, a ferramenta foi adaptada para uso pessoal, com grande êxito. As iniciais de SWOT ajudam a entender a sua aplicação, pois significam Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças). Ou seja, a análise visa identificar justamente esses pontos e melhorar o desempenho individual.

Como é a estrutura da análise SWOT pessoal?

Por mais complexo que possa parecer o conceito, a verdade é que fazer uma análise SWOT pessoal não é algo muito complexo. Para ser estruturada, você deve dividi-la em dois quadrantes, sendo um no qual você preencherá características internas, que são as forças e fraquezas, colocando as externas no outro, que são as oportunidades e ameaças.

Tenha em mente que o que é considerado interno são aqueles fatores que podem ser controlados por você, como capacidade de aprendizado, inteligência emocional, habilidades e competências. Já o que é externo é aquilo sobre o que você não tem controle, como o mercado, o ambiente em que trabalha e assim por diante.

Como fazer uma análise SWOT pessoal?

Para colocar em prática a análise SWOT pessoal, você precisa separar um tempo e ser bastante honesto consigo mesmo. Nas forças, procure colocar todos os aspectos positivos que estão presentes no seu dia a dia, como competências, formação acadêmica, conhecimentos gerais, línguas estrangeiras e habilidades de relacionamento, por exemplo.

Nas fraquezas, faça o oposto, indicando todos os seus pontos fracos e, consequentemente, aqueles que precisam de maior atenção. Já em oportunidades, deve ser incluído o que você pode fazer para alcançar seus objetivos, como cursos e coaching. Por fim, em ameaças, inclua eventuais empecilhos externos, como crises que podem gerar cortes e demissões.

Pronto! Uma vez que você preencha os quadrantes, tem sua análise SWOT pessoal. Agora, analise os fatores o observe os sinais de alerta, para enxergar suas limitações e pontos positivos. Veja o que precisa ser mudado e quais são seus aliados para que você consiga conquistar o seu sonho.

Gostou de aprender a fazer sua análise SWOT pessoal? Então, confira nosso outro post que mostra como identificar seus pontos fortes e fracos!

3 fatores que mais contribuem com a insegurança no trabalho

A insegurança no trabalho é um tópico que não tem a atenção que deveria. Todos os anos, milhares de pessoas se formam, mas não se sentem seguras para atuar. Esse é um sentimento natural e esperado, entretanto, é preciso entendê-lo rapidamente para não “frear” a ascensão profissional e gerar outros problemas mais sérios, como a síndrome do impostor, por exemplo.

Uma das maneiras de resolver esse incômodo é entender alguns dos fatores que levam a essa insegurança. Depois de compreender os problemas, fica fácil evoluir e ir melhorando como pessoa e como profissional ao longo do tempo.

Nesta postagem nós listamos 3 fatores que podem estar influenciando negativamente a sua vida. Cada um deles é muito importante, e se você se sente inseguro atualmente é provável que pelo menos um deles esteja atrapalhando a sua carreira. Ficou interessado em saber mais sobre eles? Continue sua leitura até o final!

1. Baixa autoconfiança

A autoconfiança é um fator determinante para o sucesso. Muitas pessoas não se sentem confortáveis sob sua própria pele, e isso pode se tornar um baita problema. Primeiro de tudo, é preciso fazer uma análise pessoal ou, até mesmo, contar com um profissional da área da saúde mental para trabalhar, diagnosticar ou corrigir questões que levam à criação de falsas crenças.

Depois dessa etapa, é imprescindível entender que a confiança profissional só vem depois da experiência. A qualificação e a busca pelos melhores resultados é o que faz com que a pessoa se sinta segura para atuar. Portanto, um bom remédio para a insegurança é navegar no desconhecido, sempre em busca de resultados.

Falhar é natural e é um processo intrínseco ao sucesso em qualquer ofício. Quando perdemos o medo de errar é quando começamos a aprender. Por isso, abrace a sua insegurança e siga em frente!

2. Falta de instrução

A falta de instrução é um fator que deixa muita gente de cabelo em pé. A ausência de qualificação profissional pode provocar uma sensação horrível de desconhecimento e de falta de capacidade. Por isso, é preciso observar se esse é o seu caso.

Ao identificar esse problema, faça tudo o que estiver ao seu alcance para aprender. O estudo e a qualificação é o que ajuda a garantir o domínio sobre qualquer que seja a área. Bons profissionais normalmente são aqueles com maior bagagem teórica e prática, por isso, pergunte, peça ajuda e utilize parte do seu tempo livre para eliminar essas dúvidas que te deixam inseguro no dia a dia.

3. Comparação excessiva a outros profissionais

Se comparar de maneira constante a outros profissionais também pode gerar insegurança, especialmente se você estiver se comparando às maiores referências do seu mercado.

Ao fazer isso, é comum que surjam dúvidas como: será que eu posso chegar nesse nível? Eu tenho essa capacidade? Eu não sou tão inteligente quanto ele, ou será que sou? Como você pode perceber, esses questionamentos constantes geram ainda mais perguntas sobre a sua própria competência e, com isso, é quase impossível não se sentir inseguro.

Esteja você começando agora ou não, entenda que ninguém alcança o topo rapidamente. O importante é se comparar com quem você foi ontem e sempre progredir na sua carreira de maneira plena e segura, tendo um bom planejamento para alcançar cargos cada vez maiores. Dessa forma, você evita perder tempo com dúvidas pessoais e passa a colher o fruto dos seus esforços de maneira objetiva.

Se você se enquadrou em um ou mais desses fatores que geram insegurança no trabalho, sugerimos que trabalhe em cima de cada um deles com algumas das dicas que acabamos de mencionar. Outra boa atitude é procurar por uma consultoria para conseguir traçar um plano de ação eficiente e voltado para resultados. Em pouco tempo, temos certeza que você se tornará um profissional seguro, competente e muito bem requisitado no seu setor.

Gostou da post? Então leia o nosso artigo sobre como superar insegurança e se destacar e dê um salto na sua carreira!