caso-rawvana-responsabilidade-youtuber-influencer

Caso da youtuber Rawvana e a responsabilidade dos influencers

Com a exposição gerada pelas redes sociais, as polêmicas nunca acabam e recentemente apareceu mais uma: o caso Rawvana.

rawvana-1

Você sabe quem é Rawvana?

Se você é havy user de redes sociais e tem um lifestyle saudável é capaz de já ter passado por algum vídeo dela. Yovana Mendoza Ayres, mais conhecida como Rawvana, é uma youtuber de San Diego – Califórnia (EUA), que contava com mais de três milhões de seguidores (YouTube e Instagram) e se tornou ídola de crudiveganos ao compartilhar, desde 2013, vídeos em inglês e em espanhol mostrando seu estilo de vida e sua alimentação sem produtos de origem animal e à base de alimentos crus.

Até esse ponto, tudo parece perfeito. No entanto, Rawvana se envolveu em uma polêmica que custou a sua imagem, a perda de milhares de fãs e também de patrocinadores que financiavam o conteúdo produzido por ela.

Durante uma viagem a Bali, sua amiga publicou um vídeo no Instagram onde aparece Rawvana prestes a comer um peixe e esses poucos segundos destruíram anos de reputação. Se pensarmos que ela construiu sua imagem através de um estilo de vida crudivegano que ela prega e dizia praticar, ela aparecer em um vídeo comendo um peixe é algo bastante contraditório, não é mesmo? E foi exatamente essa contradição que foi criticada. Ela, então, foi chamada de fraudulenta, com direito a petição para tirar seu canal do ar.

Ela explicou que estava com sérios problemas de saúde e, por isso, foi obrigada a incluir alimentos cozidos na sua dieta. No entanto, já era tarde demais porque, além de ser algo contraditório com seu estilo de vida, ela não contou isso para seus seguidores. Foi mais um “flagra” das redes sociais.

Já sabemos que para uma marca se tornar top of mind, ela precisa de transparência, autenticidade, consistência de imagem, relevância em meio ao seu público e ter uma história por trás de seu sucesso. No caso Rawvana faltou transparência e consistência de imagem, o que foi determinante para o seu fracasso.

Agora, por que isso é tão grave?

Vamos entender que um youtuber é uma marca pessoal que tem grande influência sobre milhares de pessoas e, no caso de Rawvana, ela era uma marca pessoal de grande sucesso. Se analisamos os dados da pesquisa realizada pelo Youtube no Brasil em parceria com a Provokers em 2018, “o consumo de vídeo online no Brasil teve alta de 135% nos últimos quatro anos”. Além disso, o “YouTube atingiu a marca de mais de 800 canais no Brasil que ultrapassam a base de um milhão de inscritos”. Ou seja, um canal de youtube de grande sucesso exerce influência sobre milhares de pessoas e isso, de certa forma, é delicado e um pouco perigoso.

Rawvana não é médica e nem especialista em saúde ou nutrição, ela é uma produtora de conteúdo que compartilhava seu lifestyle e suas receitas. Ela ficou doente devido à falta de um especialista para avaliar a dieta que ela mesma compartilhava. Quantas outras pessoas também não devem ter perdido qualidade de saúde depois de seguir a dieta da youtuber?

De acordo com um levantamento do órgão de pesquisa americano Pew Research Center feito com jovens com idade entre 13 a 17 anos nos Estados Unidos, o YouTube “se destacou como líder de acessos, sendo a preferência de 85% dos jovens”. Quantos jovens ela não deve ter influenciado? Precisamos pensar que nesta fase da vida os jovens estão passando por questões hormonais que modificam seus corpos e alguns estão sofrendo bullying nas escolas devido a sua aparência física. E muitos estão construindo seus valores, o que os deixa mais abertos a opiniões e, por isso, são mais influenciáveis. Veja quanta responsabilidade tem um youtuber.

Eu li uma frase muito interessante no artigo “YouTube, o grande radicalizador”, que saiu no The New York Times, que dizia que nós estamos “testemunhando a exploração computacional de um desejo humano natural: o de olhar “por trás da cortina”, ir a fundo em algo que nos interessa”. É exatamente isso. Quando passamos de meramente consumidores para criadores de conteúdo, passamos a estar cada vez mais expostos a informação. E essa informação nem sempre é segura, ela beira o limite do real/falso, aparentemente saudável/fraudulento, moderado/radical, etc. As Fake News é um grande exemplo disso.

Nós presenciamos a vitória de Donald Trump para presidência nos EUA e a de Bolsonaro no Brasil que teve grande influência das Fake News de ambos os lados: direita e esquerda. Fora isso, tem a questão das opiniões que se disseminam e podem causar grande efeito negativo na vida de milhares de pessoas. Um exemplo disso é o caso da youtuber que compartilha ideias antifeministas que causa grande indignação em muitas pessoas, mas acaba lucrando com esses “views” e influenciando outras jovens mulheres a pensar igual. Ou então o caso do youtuber Júlio Cocielo que fez “piada” racista em relação ao jogador francês Kylian Mbappé no Twitter. Cocielo tem um canal visto por milhares de jovens que o idolatram por seus vídeos engraçados e são influenciados por ele, tanto que o youtuber contava com vários patrocinadores antes da polêmica. Aceitar uma “piada” racista é aceitar o racismo porque a verdade é que todos os dias milhares de jovens e adultos sofrem racismo disfarçado em forma de “piada”.

Se pensamos em youtubers/influencers e seus patrocínios, de acordo com uma pesquisa feita pelo Instituto QualiBest, os influenciadores são “a segunda fonte de informações para a tomada de decisão na compra de um produto, citada por 49% dos respondentes, perdendo apenas para amigos e parentes, citados por 57% dos respondentes”. Ou seja, é muita responsabilidade para uma pessoa só!

Então, para concluir, é preciso pensar na influência que nós temos sobre as pessoas. Tanto você quanto eu somos uma marca pessoal e precisamos ter consistência de imagem e transparência para construir uma marca de credibilidade e boa reputação. E, acima de tudo, ser responsáveis pelo conteúdo que criamos.

Patricia Dalpra é Estrategista em personal branding e gerenciamento de carreira.

O trabalho que Patricia Dalpra desenvolve surgiu de uma vontade e de uma certeza: vontade de levar pessoas e empresas a crescer, alcançar seus objetivos de negócios e de imagem e se relacionar melhor com outras pessoas e empresas; e certeza de que um trabalho estruturado de gestão de imagem e carreira é um dos melhores caminhos para se chegar lá. Ao longo de mais de uma década, a Patricia Dalpra já trabalhou para centenas de profissionais, executivos, empresários, atletas, instituições e empresas.

Specialties: Gestão de imagem, gestão de carreira e coaching. Personal branding, branding executivo, brand on, brand off, estudo do dna pessoal e corporativo e comunicação.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *