Posts

Profissional liberal precisa de CNPJ? Entenda as vantagens do registro

A dúvida se um profissional liberal precisa de CNPJ ou não é muito antiga. Parte desse questionamento está enraizado na falta de entendimento sobre o que de fato é um profissional liberal.

Os profissionais ditos liberais são aqueles que exercem sua atividade de acordo com uma formação técnica, que pode vir por meio de uma graduação ou outro curso. Esses profissionais devem estar registrados no seu respectivo conselho, e a princípio, não há obrigação nenhuma para que o trabalho seja feito mediante CNPJ. É perfeitamente possível trabalhar como Pessoa Física também.

É importante não confundir profissional liberal com profissional autônomo. Os autônomos não precisam de formação e atuam de maneira totalmente independente, sem nenhum vínculo empregatício, o que pode ser diferente no caso dos profissionais liberais.

Nesta postagem, falaremos mais sobre as vantagens do registro do CNPJ e porque muitos optam por essa abordagem para crescer na carreira. Pronto para saber mais? Continue sua leitura!

Algumas das principais vantagens do CNPJ

Uma das principais vantagens em se tornar Pessoa Jurídica são os impostos. Como pessoa física, o abatimento do Imposto de Renda pode chegar até 27,5% do valor total dos recebimentos. Como PJ, esse número pode diminuir pela metade, dependendo da atividade e da sua empresa. Para verificar essas particularidades, é muito importante conversar com um contador.

Em linhas gerais, isso por si só significa um pouco mais de faturamento no final do mês, o que pode impactar positivamente na sua qualidade de vida e o gerenciamento do seu estabelecimento, seja ele uma clínica, consultório ou escritório.

Além do “abatimento” dos tributos que aliviam o lado financeiro, é válido dizer que os profissionais com CNPJ conseguem vários outros benefícios, como maior facilidade para conseguir crédito e financiamentos, conseguem fazer a emissão de nota fiscal e ficam com a alternativa de fornecer vários métodos de pagamentos diferentes. Tudo isso transpira profissionalismo e facilita a vida da sua clientela, que sempre está em busca das melhores alternativas para usufruir dos seus serviços.

Como você pode estruturar sua nova carreira

Se você se convenceu dos benefícios de ser PJ, saiba que fazer a transição de PF para CNPJ não é tarefa fácil. A maioria de nós está pronto para empreender e é natural que no meio do caminho surjam muitas dúvidas e medos sobre qual caminho seguir.

É importante compreender que é perfeitamente possível abrir seu próprio escritório ou estabelecimento. Apesar de ser um grande passo, ele pode ser dado com segurança, equilíbrio e muito planejamento.

Aqui na PD Gestão de Imagem e Carreira nós podemos auxiliar essa transformação da sua atividade profissional, ajudando você a estruturar seus novos objetivos e metas para os novos desafios que estão no horizonte.

O sucesso é uma questão de planejamento e ação na medida certa. Por isso, não deixe de contar com bons profissionais ao seu lado no momento dessa transição. O preparo para liderar uma equipe requer alguns cuidados e é possível encurtar em grande parte dos desafios com ajuda de quem já formou centenas de líderes em todo o Brasil. Bem, esperamos que você tenha finalmente conseguido resolver sua dúvida se o profissional liberal precisa de CNPJ ou não. Precisando de ajuda, conte com a gente!

Gostou do conteúdo? Siga nossas redes sociais! Estamos no: Facebook, Twitter, LinkedIn, YouTube e Instagram.

Análise SWOT pessoal: o que é e o que ela analisa?

A busca pelo autoconhecimento é algo extremamente recomendável para qualquer pessoa, especialmente para aquelas que desejam fazer sucesso na carreira profissional e procuram ocupar cargos de liderança no futuro. Diante desse contexto, entender o que é a análise SWOT pessoal e o que ela analisa pode ser muito interessante.

Embora a prática ainda esteja ganhando o seu espaço por aqui, pode ser uma estratégia interessante para quem deseja entender melhor seus pontos fortes, fracos e oportunidades, permitindo a realização de um planejamento mais assertivo em curto, médio e longo prazos. Continue sua leitura e descubra como fazer isso!

Afinal, o que é uma análise SWOT?

A análise SWOT é bastante conhecida nos Estados Unidos e foi criada na tradicional Universidade de Stanford, provavelmente na década de 60. No começo, foi mais difundida para empresas, administradores, líderes e gestores, como uma maneira estratégica de avaliar como o negócio estava se desenvolvendo e suas possíveis limitações.

No entanto, atualmente, a ferramenta foi adaptada para uso pessoal, com grande êxito. As iniciais de SWOT ajudam a entender a sua aplicação, pois significam Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças). Ou seja, a análise visa identificar justamente esses pontos e melhorar o desempenho individual.

Como é a estrutura da análise SWOT pessoal?

Por mais complexo que possa parecer o conceito, a verdade é que fazer uma análise SWOT pessoal não é algo muito complexo. Para ser estruturada, você deve dividi-la em dois quadrantes, sendo um no qual você preencherá características internas, que são as forças e fraquezas, colocando as externas no outro, que são as oportunidades e ameaças.

Tenha em mente que o que é considerado interno são aqueles fatores que podem ser controlados por você, como capacidade de aprendizado, inteligência emocional, habilidades e competências. Já o que é externo é aquilo sobre o que você não tem controle, como o mercado, o ambiente em que trabalha e assim por diante.

Como fazer uma análise SWOT pessoal?

Para colocar em prática a análise SWOT pessoal, você precisa separar um tempo e ser bastante honesto consigo mesmo. Nas forças, procure colocar todos os aspectos positivos que estão presentes no seu dia a dia, como competências, formação acadêmica, conhecimentos gerais, línguas estrangeiras e habilidades de relacionamento, por exemplo.

Nas fraquezas, faça o oposto, indicando todos os seus pontos fracos e, consequentemente, aqueles que precisam de maior atenção. Já em oportunidades, deve ser incluído o que você pode fazer para alcançar seus objetivos, como cursos e coaching. Por fim, em ameaças, inclua eventuais empecilhos externos, como crises que podem gerar cortes e demissões.

Pronto! Uma vez que você preencha os quadrantes, tem sua análise SWOT pessoal. Agora, analise os fatores o observe os sinais de alerta, para enxergar suas limitações e pontos positivos. Veja o que precisa ser mudado e quais são seus aliados para que você consiga conquistar o seu sonho.

Gostou de aprender a fazer sua análise SWOT pessoal? Então, confira nosso outro post que mostra como identificar seus pontos fortes e fracos!

Qual a diferença entre empatia e simpatia?

Empatia e simpatia são dois conceitos cujo entendimento é essencial para o melhor relacionamento no mundo dos negócios, não à toa que eles ganham cada vez mais espaço nas discussões, principalmente a empatia. Afinal, os termos podem representar a conexão entre o líder e as pessoas.

Apesar da importância de ambos os conceitos, empatia e simpatia são coisas distantes, o entendimento da diferença entre os dois e conhecer alguns exemplos é fundamental para que seja possível colocá-los em prática com maestria.

Pensando nisso, preparamos um sobre empatia e simpatia. Sentiu interesse no assunto? Continue a leitura!

O que é empatia?

Basicamente, a empatia é a capacidade de alguém se colocar no lugar do outro. Quer dizer, é possível entender as dificuldades que minorias sofrem — como negros, mulheres, LGBTs etc. — na sociedade e a necessidade de mudar essa realidade, mesmo não fazendo parte de uma minoria. 

Apesar de não ser possível sentir a exata dor e pensar da mesma maneira que outra pessoa, a empatia visa se aproximar o máximo possível disso, o que pode diminuir as distâncias entre o gestor e o colaborador, por exemplo. Tudo isso é importante para a construção conjunta de soluções que possam afastar os problemas existentes.

O que é simpatia?

Simpatia refere-se a um desejo íntimo de que outra pessoa passe por uma situação difícil ou simplesmente seja mais feliz. Sabe a expressão ‘’simpatia para arrumar emprego’’, que consiste em um conjunto de técnicas que podem ajudar na realização do desejo? Então, a simpatia vem de expressões como essas.

Porém, diferentemente da empatia, a simpatia não implica a capacidade de compartilhar do mesmo desejo, emoção ou até mesmo experiência. Apenas existe um interesse pelo que a outra pessoa passa, podendo aumentar a união entre ambas. Ainda assim, a semelhança entre os conceitos costuma confundir as pessoas no assunto. 

Qual a diferença entre simpatia e empatia?

Ainda não existe um consenso para afirmar com profundidade e mais clareza as diferenças entre empatia e simpatia, o que se sabe é que, por definição do dicionário, enquanto a empatia consegue compartilhar de um sentimento muito similar ao que outra pessoa sente, a simpatia apenas reconhece o sentimento do outro.

Como a empatia e simpatia são importantes para a liderança?

Mais do que nunca, empresas empáticas, capazes de se colocar no lugar dos colaboradores e consumidores, conseguem desenvolver produtos e serviços mais alinhados com as necessidades de cada um, de acordo com o público-alvo. Dessa maneira, as chances dos colaboradores se sentirem valorizados e motivados na empresa aumentam, assim como as dos consumidores apoiarem e até se fidelizarem a uma marca.

Porém, esses conceitos precisam ser constantemente estimulados para o desenvolvimento. Então, pratique sempre a escuta para ter um melhor entendimento do que o outro pensa e sente, além de ser gentil com o que foi compartilhado com você. Afinal de contas, diante da importância, a empatia e simpatia não podem deixar de ser estimuladas para que haja uma relação interpessoal mais positiva.

Que tal continuar aprendendo sobre o assunto? Baixe nosso e-book sobre liderança 360º!

Passo a passo: aprenda como criar a sua identidade profissional

A identidade profissional é um fator de diferenciação no mercado de trabalho. De forma semelhante ao branding, essa é a característica que faz com que as outras pessoas e até mesmo empresas reconheçam sua atividade profissional de maneira imediata.

Conseguir instaurar essa identidade não é tão difícil quanto você pode imaginar. Na verdade, tudo o que você faz e a maneira como você trabalha, ajuda a fazer com que as pessoas lembrem e te identifiquem como uma autoridade na sua área de atuação.

Nesta postagem, falaremos com um pouco mais de profundidade como intensificar essas características e reforçar ainda mais uma imagem positiva para todos aqueles que procuram pelos seus serviços. Gostou da ideia? Continue sua leitura até o final!

Mostre seus diferenciais e crie sua identidade profissional

Pense na última vez que você encontrou um excelente profissional. Certamente você deve ter visto algumas características que chamaram sua atenção, como prestatividade, pontualidade e domínio sobre a tarefa que deveria ser concluída.

Cada um desses pontos são diferenciais que fazem com que o profissional se destaque no mercado. E, se você teve uma boa experiência, certamente se lembrará e terá aquela excelente opção como a primeira alternativa para solucionar seu problema.

O fato é que cada uma dessas qualidades ajudam a construir uma identidade profissional de respeito. Adicione a esses fatores a pontualidade e outros pormenores e certamente nós teremos os ingredientes perfeitos para a criação de uma carreira de destaque e sucesso no mercado de trabalho.

Portanto, sua tarefa para se destacar, basicamente consiste na busca da excelência do seu ofício. Tratar as pessoas com carinho e atenção, ser solícito, buscar soluções de maneira imediata e sempre ser proativo são algumas das maneiras de deixar uma boa marca pessoal que ultrapassa qualquer certificado ou qualificação profissional.

Defina sua missão e valores

Além dos diferenciais que abordamos, os melhores profissionais sempre possuem um senso de missão. Esse ímpeto normalmente está relacionado com o prazer da atividade que eles exercem, uma vez que é praticamente impossível se destacar não gostando do seu próprio trabalho.

Com frequência vemos que grandes profissionais buscam melhorar as vidas das pessoas, não importando sua área de atuação. Um fisioterapeuta, por exemplo, sente que seu propósito é devolver a autonomia de um indivíduo lesionado, enquanto um médico, sabe que seu dever é curar e afastar doenças das pessoas.

O mesmo vale para qualquer outra área: administradores entendem que sua função é manter a saúde financeira de uma empresa enquanto alavanca seus resultados e contadores compreendem que seu rigor nas questões tributárias são verdadeiros diferenciais para grandes empresas emergirem.

Não importa qual seja seu ramo, é imprescindível demonstrar esse desejo e prazer para seus clientes. Atribuir a eles valores como honestidade e transparência só ajuda a agregar ainda mais valor ao seu tempo e a sua profissão e, por isso, é interessante contar com esses pontos para conseguir fortalecer ainda mais sua imagem.

Todos esses pontos que mencionamos aqui devem ser trabalhados de maneira rigorosa e constante. Quanto mais proficiente você for, mais fortalecida será sua identidade profissional e consequentemente seu reconhecimento no seu mercado. Por isso, não deixe de levar esses detalhes em consideração no momento da construção da sua carreira.

Profissionais que não se preocupam com esses fatores costumam ter crise de identidade profissional por não encontrarem reconhecimento nos seus esforços. Portanto, aprenda a se destacar e alavanque seus resultados com essas boas práticas.

Gostou do post? Sugerimos uma leitura complementar sobre identidade profissional — amplie seus conhecimentos e saia na frente da concorrência!

3 melhores dicas para desenvolver uma visão de mercado afiada

Ter conhecimentos amplos a respeito de qualquer área ou segmento permite que um profissional crie um diferencial competitivo, se tornando mais atrativo para contratantes ou mesmo mais eficiente para atuar de forma autônoma. Por isso, preparamos esse post com algumas das melhores dicas para desenvolver uma visão de mercado afiada.

Com isso, fica mais simples ter êxito no estabelecimento da sua marca pessoal, tirando suas metas do papel e traçando planos de ação orientados para o futuro, possibilitando uma abordagem muito mais proativa e eficaz da sua carreira. Continue lendo o artigo e descubra como fazer isso!

1. Saiba bem o que é visão de mercado

A visão de mercado pode ser conceituada com a capacidade e identificar o que está acontecendo dentro de determinado segmento e suas áreas adjacentes, observando quais caminhos estão sendo tomados por quem vem obtendo sucesso e quais as ações necessárias para se manter competitivo em relação à concorrência.

Com isso, você ganha maior capacidade de fazer um planejamento assertivo para o futuro do seu negócio ou da sua carreira, definindo objetivos a serem alcançados e ações que precisam ser adotadas em curto, médio e longo prazos. É uma forma de ganhar embasamento para a tomada de decisões, minimizando as chances de falhas e erros graves.

2. Invista no seu próprio desenvolvimento

Outra ação relevante para desenvolver uma visão de mercado afiada é investir no seu próprio desenvolvimento. Afinal, você precisará deixar o comodismo para trás e sair de sua zona de conforto, de forma que aprimore os seus atributos, abandone hábitos antigos e consiga ter um olhar voltado para a inovação e as novidades de seu setor de atuação.  

Uma forma inteligente de fazer isso é por meio de cursos que aperfeiçoem os seus pontos fortes e fracos, sobretudo naquelas qualidades mais preponderantes para o sucesso, como liderança, capacidade de comunicação e assim por diante. Outra atitude vantajosa por meio da leitura de obras ou biografias de profissionais de vanguarda na sua área.

3. Melhore as suas relações profissionais

Por fim, a última das dicas para desenvolver uma visão de mercado afiada consiste em melhorar as suas relações profissionais. Todo mundo sabe que, nos dias de hoje, o networking é um ativo importante em qualquer segmento, tanto para quem atua vinculado a uma empresa quanto para quem trabalha como autônomo.

Felizmente, existem muitas oportunidades para isso e você deve aproveitá-las sempre que possível, trocando experiências com aqueles que permitirão uma ampliação dos seus horizontes e o conhecimento de novos caminhos para alcançar o lugar que você deseja. Para isso, foque em palestras, simpósios, congressos, cursos e eventos em geral.

Agora você já sabe como desenvolver uma visão de mercado afiada. Isso é muito importante, sobretudo para quem atua como autônomo, pois permite antecipar tendências e descobrir os caminhos necessários para ganhar clientes e superar a concorrência!

Essas são 3 das melhores dicas para desenvolver uma visão de mercado afiada! Gostou do conteúdo? Então, não deixe de seguir nossos perfis no Facebook, no Twitter e no LinkedIn!

Uma mulher com sacolas de compra na mão e olhando para o celular

Conquiste seus consumidores no momento certo conhecendo a Jornada do Cliente

Com uma busca rápida no Google, nos deparamos com infinitas possibilidades de estratégias que prometem fazer nossas conversões crescerem em escalada. Entretanto, a grande maioria não passa de mera especulação. Isso porque, para que você consiga atrair mais clientes e desenvolver a sua empresa, é preciso primeiro conhecer o consumidor e entender como ele se comporta. Assim, para que você se torne referência no seu mercado, comece explorando e desenvolvendo a sua Jornada do Cliente!

Nesse conteúdo te explicaremos o que ela é, sua importância e também como mapear a sua jornada.

Se interessou pelo assunto? então continue conosco para aprender tudo o que precisa!

Como fazer a minha própria Jornada do Cliente?

Podemos entender a jornada do cliente, também conhecida por jornada do consumidor ou Mapa da Jornada do Cliente, como uma representação visual que mostra o passo a passo do comprador em relação a sua empresa.

Quase como um guia, essa jornada será desenvolvida através de uma relação dos comportamentos recorrentes dos clientes em união ao que se conhece deles, através de uma persona.

O resultado disso são soluções claras de que medidas devem ser tomadas para que o cliente seja atraído e convertido com maior facilidade pela empresa.

Dizemos que a jornada do cliente é essencial para todas as marcas pelo motivo de que ela não desenvolve apenas uma relação de tudo o que precisa saber sobre o consumidor – o que, por si só, já seria incrível – mas apresenta soluções para os problemas que encontrar.

Assim, ao desenvolver o seu mapa, você será capaz de compreender o cliente e ajudá-lo exatamente no que ele precisa.

Agora que já sabemos o que é e a importância da jornada, chegou a hora de aprender a mapeá-la!

Conheça o seu consumidor

O primeiro passo dessa estratégia de gestão, que é a jornada do cliente, é conhecer o seu consumidor.

Para isso, sugerimos o desenvolvimento de uma persona. A qual é uma personagem fictícia que exponha os seus clientes, de forma a representar o consumidor ideal de uma empresa.

A persona é composta por inúmeras características, sendo algumas delas:

  • Idade
  • escolaridade
  • Localização
  • Classe econômica
  • Dores
  • Necessidades
  • Objeções a sua empresa
  • Marcas que admira
  • canais de comunicação que mais usa

Entre muitos outros. Porém, vamos dar destaque às dores e necessidades aqui!

Uma vez que você sabe o que seu cliente precisa e deseja, é hora de organizar isso internamente. Desse modo, selecione palavras chave que correspondam a essas dores e necessidades.

Com as palavras em mãos, pense em formas de utilizá-las dentro do seu site. Possibilidades muito úteis são estratégias de SEO e de Marketing de conteúdo.

Dessa forma, você conseguirá se fazer presente no momento de escolha do seu cliente e iniciará ele na sua jornada!

Mapeie os pontos de contato

Assim, o passo seguinte para mapear a sua jornada é encontrar os pontos de contato, também conhecidos como touchpoints.

Eles nada mais são do que toda e qualquer interação que venha a acontecer entre um cliente e a marca. Desde de um clique no leia mais até o cadastro de um cartão, todas as interações precisam ser encontradas nesse momento.

Mas não se assuste, achar seus touchpoints é mais simples do que se pode imaginar. Para isso, basta seguir diferentes caminhos e realizar diferentes ações dentro da sua empresa. Anote cada uma dessas interações e, no fim, vai ter seu mapeamento dos pontos de contato completo.

Por fim, basta atribuir métricas para os pontos principais. Baseie elas em seus objetivos como empresa e encontre os touchpoints que precisam de mais atenção.

Crie uma hipótese

Na sequência, é hora de desenvolver uma hipótese. Isso significa que, durante sua jornada até aqui, você deve ter pensando em melhorias para a sua empresa, e encontrado brechas no seu mapeamento que precisam ser solucionados, certo?

Essa é a hora de encontrar as tais soluções e organizar sua nova jornada do cliente.

Entretanto, devemos lembrar que a jornada só pode ser vista como aprovada se seus clientes te disserem isso. Assim, precisamos primeiro criar uma hipótese e validá-la com alguns consumidores.

para saber se sua nova jornada está boa, peça para que alguns compradores a experimentem e os entreviste para saber o que acharam.

Implemente a Jornada

Uma vez que sua proposta foi aprovada, basta implementar a sua nova e aprimorada jornada do cliente!

Contudo, não se esqueça de armazenar todos os dados que encontrou, bem como suas soluções e até mesmo insights que não foram usados. A jornada é muito instável, ou seja, se modifica com extrema facilidade. Assim, é preciso que seja refeita constantemente.

Ao guardar suas informações, verá que ela se tornará muito mais simples e prática de ser revisitada e reestruturada.

Conclusão

A jornada do cliente é um mecanismo inteligente para quem deseja ver sua empresa crescer. com ela, você será capaz de atrair, converter e fidelizar cada vez mais consumidores.

Dessa forma, use a jornada para conhecer sua clientela e oferecer a ela exatamente o que deseja!

Antes, apenas não esqueça de nos deixar um comentário.

Patricia Dalpra no O Futuro das Coisas |Da Aparência à Essência

A tecnologia e os dispositivos móveis revolucionaram nossas vidas. Barreiras foram quebradas e distâncias encurtadas. A unidade de distância, medida por metro ou quilômetro, hoje também se resume a um clique para chegarmos a pontos do planeta até então inatingíveis. Estamos mais perto de todos e o mundo está mais perto de nós.

Os celulares colocaram o mundo, as pessoas e as empresas na palma das nossas mãos. Com a força da internet muitos ganharam vozes – alguns até tornaram-se juízes do comportamento alheio. As pessoas, de um modo geral, têm adotado um grau de exigência comportamental muito maior do que o necessário.

A era digital também nos apresentou o mundo da transparência. Há cada vez menos espaço para falsos personagens, mentiras, incoerências e incongruências. A velocidade da informação, por meio das ferramentas digitais, inibe e derruba tentativas neste sentido. Vivemos o padrão Big Brother em tempo integral: acompanhamos em tempo real o que acontece no mundo e é possível reunir informações de forma instantânea.

Nesse contexto, a busca da essência e da autenticidade passa a ser maior, ao invés de pensarmos apenas na aparência no sentido mais amplo. Mais do que nunca, precisamos estar atentos para que a nossa imagem esteja alinhada aos nossos valores. E mais: que nossos valores estejam alinhados ao que falamos e, principalmente, à maneira como agimos e nos comportamos. 

Nunca nos deparamos com tantas crises de imagem como agora. Somos a primeira geração que está aprendendo, com erros e acertos, a lidar com a gestão de imagem em um mundo onde quase não existe mais o privado. 

Da economia à política, passando pela moda, marcas, empresas ou pessoas, a transparência é cada vez mais valorizada. Hoje, muito mais do que vender produtos ou serviços, nós vendemos confiança. Quando procuramos um médico ou um advogado pautamos a escolha pela confiança que sentimos por estes profissionais.

Confira a matéria completa aqui.

Por que a identidade de marca é tão importante para a carreira?

Nos últimos anos, a forma pela qual os profissionais se relacionam com o mercado e buscam as melhores posições disponíveis nas empresas mudou drasticamente. Ter apenas uma boa formação ou um currículo bem-feito não é mais um diferencial. Por isso, você não pode deixar de entender como a identidade de marca é tão importante para a carreira.

Esse é um aspecto fundamental para a construção do branding pessoal, que mostra para a própria pessoa e para o mundo o quanto ela é única e o que ela tem a oferecer, ajudando a causar uma boa impressão para contratantes, empregadores, gestores e clientes. Continue lendo o post e aprenda mais sobre o assunto.

Afinal, o que é a identidade de marca?

Quando falamos de uma empresa, a identidade da marca nada mais é do que um conjunto de elementos visuais e até mesmo abstratos, que tem a finalidade de representar essa instituição perante o público, direcionando a percepção das pessoas, preferencialmente, de uma maneira positiva e que gere vantagens para o negócio.

Uma marca, conceitualmente, deve ter uma personalidade própria, estruturada e que seja identificada sem dificuldades, se tornado um dos pontos fortes das estratégias de marketing e causando uma boa impressão nos clientes, estabelecendo um posicionamento único no segmento de mercado em questão.

Como é formada a identidade da marca de uma empresa?

Via de regra, a identidade da marca de uma empresa é montada em consonância entre os gestores e a equipe de marketing, considerando algumas características importantes. Para traçar elementos visuais, sensitivos e estratégias de comunicação, é preciso conhecer o negócio como um todo, assim como seus objetivos em curto, médio e longo prazos. 

Um dos pontos avaliados é a visão da organização, que pode ser entendida como o futuro, o estado que se deseja alcançar. Isso inclui, também, em que direção os esforços devem ser apontados, como o empreendimento se relaciona com a sociedade na qual está inserida e as aspirações que existam em relação a isso. 

Já a missão de uma empresa é uma espécie de declaração do propósito fundamental da instituição, a finalidade pela qual ela atua. É comum uma espécie de DNA, que não muda com o passar do tempo. É muito importante compartilhar isso com os colaboradores e parceiros, para que todos laborem em favor desse propósito.

Por fim, temos outro item fundamental, que são os valores. Esse é um termo bastante comum, pois qualquer pessoa tem os seus e os mais briosos não abrem mão deles. No universo corporativo, ele está relacionado com as crenças que guiarão o comportamento e as decisões, de maneira que a missão e a visão sejam exercidas.

O que a identidade da marca faz por um profissional?

Como dissemos, o conceito de identidade da marca é muito aplicado por empresas em todo o mundo, como uma forma de gerar uma impressão assertiva e otimista, sobretudo no seu público-alvo. No entanto, isso não quer dizer que um profissional não possa utilizar essa estratégia, desde que adapte alguns aspectos e pontos para si mesmo. 

Quando interagimos com clientes, parceiros, colegas de trabalho ou com o líder da nossa equipe, todos têm a sua própria interpretação sobre a gente, que pode ser positiva ou negativa. Felizmente, por meio de algumas ações pontuais e atitudes corretas, é possível direcionar essa percepção, de forma vantajosa para nossas carreiras e relações.

A identidade da marca gera senso de originalidade, mostra para as pessoas quem e o que a empresa é. Também é uma maneira de fazer com que o mercado compreenda a capacidade e as intenções da marca, contribuindo para mais reconhecimento, maior fidelização e até uma longevidade mais extensa dentro do respectivo setor.

Como suas características formam sua identidade?

Você já compreendeu como a identidade da marca de uma empresa é montada, mas pode estar se perguntando como aplicar isso na sua vida profissional. Felizmente, os princípios são bastante similares e você deve extrapolar para a sua realidade. É muito importante, por exemplo, conhecer e considerar os seus próprios valores.

Em termos de missão e visão, você também deve compreender as razões pelas quais você está no ramo que atua e onde você quer chegar no futuro. Lembre-se que tudo isso é transmitido, em nível pessoal, pela sua postura e maneira de se comportar, por meio da sua personalidade, capacidade de comunicação, tom de voz e assim por diante.

Como a identidade da marca se relaciona com seu branding pessoal?

Não é difícil perceber como a identidade da marca se relaciona com o branding pessoal, que nada mais é do que a forma como você se posiciona como profissional, em um esforço consciente, intencional e direcionado para influenciar a percepção que as pessoas têm de você, se posicionando como uma autoridade e elevando a própria credibilidade.

Confira abaixo como construir o seu branding pessoal.

Aja sempre com transparência

A forma pela qual você age com os outros define o seu branding pessoal, assim como influencia na identidade da marca, no caso de uma empresa. Por isso, ser transparente é muito importante no curso do desenvolvimento da sua história profissional, transmitindo a sua perspectiva, enquanto indivíduo, de uma maneira autêntica e acessível.

Comunique-se com clareza

Pessoas que conseguem se comunicar bem com as outras têm uma espécie de marca pessoal positiva, que contribui para o seu branding. Por isso, você deve investir nesse quesito, apostando na qualidade do diálogo e no desenvolvimento desse atributo. Se for o caso, não hesite em buscar uma consultoria para ajudar nesse aspecto, pois os resultados costumam ser excelentes.

Dê valor à sua reputação

Por fim, você não pode deixar de valorizar a sua reputação. Mesmo que você tenha um perfil mais pacífico ou calado, é importante que você reconheça e, no momento oportuno, deixe claro o valor agregado que você tem enquanto profissional. Isso é ainda mais crucial em algumas fases, como em processo de contratação, transição de carreira, entre outros.

Como você pôde ver, a identidade da marca e o branding pessoal são fortemente relacionados, sendo essenciais para a carreira de qualquer profissional. Uma consultoria especializada ajuda a reconhecer essas características, assim como a transmitir sua mensagem para quem realmente deve receber.

Gostou de aprender mais sobre a identidade da marca? Quer contar com uma consultoria especializada de alta qualidade? Então entre em contato conosco.

gestão de marca pessoal

Gestão de marca pessoal: por que todo líder precisa dessa estratégia?

Você já parou para pensar que, muitas vezes, investimos esforços demais na capacitação profissional e em habilidades técnicas, mas esquecemos um fator essencial para conquistarmos nossas posições desejadas, a gestão de marca pessoal?

Esse é um erro clássico que vemos no mercado hoje, no qual empreendedores, gestores e profissionais de todos os ramos acabam encontrando barreiras e desafios maiores em suas profissões, não por falta de capacitação, mas principalmente por não saberem lidar com sua imagem de forma mais estratégica.

E é justamente por isso que resolvemos preparar este post exclusivo para abordar a importância da gestão de marca pessoal e seus benefícios práticos no dia a dia.

Vamos conferir?

Afinal, o que define a gestão de marca pessoal?

A gestão de marca pessoal nada mais é do que o branding profissional. Na prática, o objetivo dessa estratégia é agregar valores à sua imagem, muito além de suas habilidades e conhecimentos.

Em outras palavras, o branding pessoal é perceptível a partir do momento em que, aos olhos do mercado, você é visto como uma referência naquilo que faz, antes mesmo de iniciar sua apresentação ou venda.

Ou seja, podemos considerar que uma boa gestão de marca pessoal é aquela que permite transmitir uma imagem ideal de sua pessoa e profissão, sem necessariamente depositar esforços extras para uma primeira apresentação, demonstrando assim mais confiança, credibilidade e segurança a quem você se dirige.

Como a gestão de marca pessoal é aplicada na prática?

Há infinitas ações e estratégias que podem ser trabalhadas por um líder que queira desenvolver melhor seu branding pessoal.

No entanto, antes de tudo, vale reforçar que, apesar disso, não haverá nunca uma “receita pronta” para todos os profissionais, cabendo, assim, uma adequação e desenvolvimento contínuo dessa pessoa.

Com isso, podemos destacar alguns conselhos básicos sobre como construir melhor a gestão de marca pessoal de um líder, mas sempre com um aspecto personalizável, conforme as necessidades e características de sua profissão. Confira!

Invista em autoconhecimento

Esse sempre será o primeiro passo de uma gestão de marca pessoal! Afinal, a ideia é mostrar aquilo que você realmente é, mas de uma forma mais estratégica e vendável.

Sendo assim, busque mensurar os pontos mais relevantes em sua trajetória, suas fraquezas, suas conquistas e, de uma forma geral, colocar isso tudo em um plano que seja capaz de inspirar ou auxiliar as pessoas.

Fique atento aos comportamentos

Suas posições, ideias, defesas e ideologias são pilares de sua marca pessoal. Portanto, devem ser levadas em consideração em uma gestão de branding.

Vale ressaltar, aqui, que seus comportamentos refletirão diretamente nos olhos de quem te segue ou se inspira em você. Porém, isso não significa dizer que você deve se engessar a essas ideias para a vida toda. Posicionamentos podem mudar (e devem) sempre que houver necessidade. Isso faz parte de nosso autodesenvolvimento.

Preze pela comunicação

Outro pilar indispensável na gestão de marca pessoal é a comunicação. Não há líder sem ela! Além disso, diferentemente do que muitos pensam, o poder da comunicação não é um dom intransferível. Pelo contrário! É um processo de aprendizado e desenvolvimento em que todos nós somos capazes de trabalhar.

No entanto, a boa comunicação depende basicamente de outros fatores já citados, como autoconhecimento, segurança, confiança e domínio daquilo que se propõe.

Enfim, essas são algumas dicas sobre marca pessoal e a importância de líderes investirem nessa estratégia, não apenas como forma de “se venderem” melhor, mas também como fator essencial para demonstrar suas melhores competências, interagir com o próximo, tornar-se referência e, principalmente, conquistar seus desafios.

Gostou? Quer começar agora mesmo a investir em sua gestão de marca pessoal? Então, aproveite para baixar nosso guia completo sobre autoconfiança e desfrute de dicas essenciais para melhorar seu branding. Boa leitura!

Como descobrir meu talento? Aqui tem 3 passos para te guiar

Independentemente da nossa profissão e até mesmo das nossas convicções pessoais, o passar do tempo costuma ressaltar a importância de investirmos em um processo de autoconhecimento e de transformação, o que se reflete até na vida profissional. Mas você já se perguntou: como descobrir meu talento?

O fato é que, ao determinarmos competências ou habilidades que temos como um diferencial em relação aos outros, temos maiores chances de sucesso e podemos imprimir uma espécie de marca pessoal em tudo o que fazemos. Quer descobrir como fazer isso? Aqui tem 3 passos para te guiar. Confira!

1. Reconheça suas paixões e valores

O primeiro passo para descobrir seu talento consiste em avaliar e reconhecer quais são suas paixões e valores. Por mais óbvio que isso possa parecer, o fato é que, por conta das exigências sociais e da rotina estressante que somos submetidos com o passar dos anos, não é raro que percamos essas memórias e definições tão valiosas.

Existem muitas maneiras de fazer isso e, sem sombra de dúvidas, observar o passado é um dos melhores caminhos. Pense naquilo que te encantava quando criança ou adolescente. Busque as atividades que produzem equilíbrio e reforçam sua inteligência emocional. Via de regra, aquilo que você ama é o que desenvolve a sua personalidade como adulto.

2. Liste seus pontos fortes e fracos

O passo seguinte para descobrir seu talento pode ser a elaboração de uma lista com os seus pontos fortes e pontos fracos. Logicamente, essas características não devem ser determinantes em um nível que faça com que você simplesmente desista de uma carreira ou área, mas servem para direcionar suas escolhas e promover seu autoconhecimento.

Não se exima de seguir à moda antiga e colocar tudo no papel. Para os mais modernos, um smartphone ou notebook podem cumprir essa função. Pense nos seus diferenciais, naquilo que as pessoas elogiam em você, nas críticas que recebeu, nos feedbacks de antigos gestores e assim por diante, até não se lembrar de mais nada.

3. Conheça seu propósito de vida

A fase final consiste em conhecer seu propósito de vida. Para conseguir fazer isso, as duas etapas anteriores são imprescindíveis, pois essa é uma definição que depende, também, das suas paixões e valores, bem como dos seus pontos fortes e fracos. Por isso, não hesite em revisar ou refazer os passos anteriores, caso seja necessário.

Se o que lhe traz felicidade é se relacionar com outras pessoas e interagir com o público, pouco adianta estar em uma profissão na qual você lide exclusivamente com máquinas ou não tenha contato com mais gente. Esse é apenas um exemplo: foque naquilo que fará com que você se sinta especial e traga uma finalidade prazerosa para sua existência!

Agora a pergunta “como descobrir meu talento” não faz mais sentido para você! Siga esses passos e entenda, de uma ver por todas, qual é o diferencial que você pode oferecer para o mundo!

Gostou de aprender como descobrir seu talento? Então não deixe de seguir nossas páginas no Facebook, Twitter e LinkedIn!