Posts

transição profissional

Transição profissional: 6 ações para ter sucesso nessa caminhada

A transição profissional é quando um indivíduo busca maior satisfação com sua carreira, trocando parcialmente ou por completo seu ramo de atuação para uma escolha que traga mais bem-estar e qualidade de vida.

Apesar de parecer impossível, é preciso ressaltar que praticamente todas as pessoas conseguem realizar essa mudança complicada. Tudo depende de um planejamento realista e calculado para que no futuro não surjam imprevistos financeiros ou, até mesmo, uma sensação de arrependimento durante o caminho ou com a nova escolha.

Vale ressaltar que, normalmente, leva-se algum tempo para conseguir fazer uma transição bem-sucedida e, portanto, nenhuma atitude “brusca” ou inconsequente pode ser vista como uma boa alternativa para quem busca atuar em uma nova área.

Neste post falaremos mais sobre como você pode fazer essa mudança com total segurança e sucesso com 6 dicas práticas. Ficou interessado no assunto? Continue a sua leitura até o final!

1. Identifique os motivos da transição profissional

A princípio, a ideia inicial é entender a razão por trás da transição. Muitas pessoas simplesmente desejam mudar de ramo acreditando que essa é a solução para todos seus problemas, mas, na prática, elas podem estar criando maiores desafios e complicações do que conseguem imaginar no momento de dificuldade.

É preciso lembrar que ao mudar de carreira você precisa aprender (quase sempre) uma nova profissão, com novas obrigações, novo método de trabalho e uma infinidade de pequenas particularidades.

Em alguns casos, o problema pode estar simplesmente na sua companhia ou na sua região, portanto, não deixe de fazer uma autoanálise séria e competente antes de ingressar em uma nova aventura.

2. Planeje seu tempo e orçamento

Com uma autoanálise bem estabelecida e com a total certeza de que a escolha mais apropriada é a transição para outra área, chegou o momento de planejar seu tempo e orçamento para os próximos meses.

Afinal, uma mudança dessas exige (na maioria dos casos) uma nova formação, o que envolvem gastos e um espaço de tempo considerável. Por isso, sente com calma e comece a analisar quais são suas disponibilidades e alternativas.

Os cursos são de graduação? São técnicos? De especialização? Quanto custa a opção mais vantajosa para seu currículo? Quantas horas de estudo durante a semana você vai precisar? É necessário estagiar? Todas essas particularidades devem ser colocadas no papel antes da mudança. 

Não se esqueça de incluir seus gastos e demais informações que movimentem seu orçamento mensal — especialmente se seu objetivo for a troca de emprego em um curto espaço de tempo, o preferível é que você tenha uma folga financeira de pelo menos 6 meses antes de iniciar essa nova empreitada.

3. Avalie seus interesses e habilidades

Ainda no momento da escolha do seu curso, não se esqueça de levar em conta seus principais interesses e habilidades. Na dúvida, opte por aqueles assuntos que você mais gosta de estudar e que costuma passar o tempo aprendendo.

Tudo isso auxilia você a escolher um trabalho descomplicado e que seja alinhado com sua personalidade e propósito de vida. Durante essa avaliação, não se esqueça de ser sincero em relação às principais habilidades — o ideal é focar nos pontos fortes em vez dos fracos, simplesmente por uma questão de retorno do investimento (tanto de tempo quanto de dinheiro).

Essa dica deve ser feita em conjunto com a anterior e, sem dúvida, essa é uma das partes mais importantes durante a sua transição profissional. Evite áreas muito diferentes da sua ou que você tem pouco ou nenhum conhecimento e experiência. Idealmente, sua escolha deve estar dentro dos seus interesses atuais. Como dica extra, não persiga somente o retorno financeiro.

4. Estude o mercado de trabalho

Estudar o mercado de trabalho também é imprescindível para o sucesso. Será que daqui a alguns anos sua nova carreira estará firme no mercado? Existe crescimento? Qual o tamanho da concorrência profissional? Tudo isso deve ser levado em consideração.

Obviamente, não é possível prever o futuro com exatidão, mas é sempre importante ouvir e procurar pelos profissionais que já atuam e que apresentam um prognóstico realista para os anos que estão por vir.

Isso também auxilia você durante sua nova formação (se necessária) e sobre suas principais estratégias para o futuro. Esse planejamento deve sempre levar em consideração o médio e longo prazo, por isso, é preciso ter um pouco de criatividade e assiduidade nos estudos para conseguir ter, pelo menos, uma ideia geral do que os próximos anos podem reservar para sua nova carreira.

5. Potencialize seu currículo com novos treinamentos

Durante sua transição, é mais do que recomendado que você comece a potencializar seu currículo de forma contínua. Procure por experiências (mesmo como voluntário), pequenos cursos e demais qualificações que possam transformar por completo o seu currículo.

Algumas dessas alternativas podem ser feitas de forma prática e em curto espaço de tempo nas suas horas vagas. Portanto, aproveite o ensino a distância e todas as ferramentas que estão à disposição.

Quanto maior for seu investimento e interesse na sua nova área, maiores serão as probabilidades de sucesso no futuro. Inclusive, não se esqueça de colocar sua experiência e competências atuais para conseguir fomentar ainda mais as suas principais atividades.

6. Busque apoio profissional

Por fim, lembre-se de que o apoio profissional para esse tipo de mudança existe e é extremamente recomendável. Como pôde ser percebido, o caminho a ser trilhado é longo e existe uma série de passos que devem ser dados de maneira proativa até uma transição segura e com reais chances de sucesso.

Os profissionais que trabalham com gestão de carreira estão aptos e amplamente treinados a auxiliar em todas essas análises e abordagens, fazendo com que um plano realista, mensurável e aplicável seja criado em um curto espaço de tempo (e com menor risco).

Aqui na PD Gestão de Imagem e Carreira fazemos esse trabalho e ainda auxiliamos você a criar uma marca pessoal forte, entre outros diferenciais que te colocam a frente de toda a concorrência, seja durante a sua transição profissional ou a sua carreira atual.

Gostou do post? Visite o nosso site e conheça mais sobre o nosso trabalho — estamos à disposição e prontos para lhe ajudar!

tipos de carreira

Você conhece os tipos de carreira? Veja quando vale a pena mudar

Existem vários tipos de carreira e a maioria das pessoas sequer sabe disso. Durante nossa vida, é muito comum seguirmos o tradicional caminho no mundo corporativo, sem nos darmos conta de que existem várias outras opções que podem estar mais alinhadas com nossa personalidade e objetivo de vida.

A escolha equivocada de um desses tipos pode provocar uma constante sensação de infelicidade, além de outros sintomas emocionais como falta de ânimo ou até mesmo ansiedade e estresse excessivo.

Neste post, falaremos mais sobre o tema e informaremos quando é a hora ideal para fazer a troca da sua atividade profissional de maneira eficaz e com pouco risco. Ficou interessado? Continue sua leitura até o final!

Quais os principais tipos de carreira?

A carreira tradicional (ou burocrática)

A carreira tradicional é aquela que todos nós conhecemos: uma atividade profissional em uma empresa de porte variável que normalmente apresenta um plano de carreira que está vinculado às metas e ao tempo de trabalho.

Esse caminho é famoso por sua estabilidade financeira e pelo baixo risco e menor qualificação. Diversas empresas do varejo, por exemplo, costumam apresentar e disponibilizar oportunidades para quem precisa de um emprego e deseja fornecer sua mão de obra.

O ponto negativo é que os ganhos financeiros costumam ser dentro da média salarial do país e a chance de crescimento, apesar de existir, quase sempre está presa aos prazos e requisitos apresentados durante a contratação (em alguns casos, não há grande possibilidade de ascensão). Líderes e pessoas com mais proatividade podem sentir-se presos ou descontentes com esse tipo de carreira.

A carreira empreendedora 

A carreira empreendedora é aquela em que um indivíduo abre uma empresa. Apesar de parecer impossível, é importante mencionar que não é preciso iniciar grande ou, até mesmo, com investimentos multimilionários — é possível começar uma atuação com investimentos modestos ou bem pequenos.

Esse tipo de carreira é marcada pelo alto risco, mas pelas grandes chances de ganhos financeiros no futuro. Diferente do que a maior parte das pessoas pensam, a carga de trabalho tende a ser maior, além do estresse e das demandas diárias.

Apesar disso, muitas pessoas preferem essa abordagem em relação às outras por conta da liberdade criativa e da chance de controle total. Indivíduos mais proativos e com ideias mais visionárias tendem a querer perseguir esse caminho, que normalmente é mais indicado para os mais experientes no ramo em que se deseja empreender.

A carreira acadêmica

A carreira acadêmica dificilmente é levada em consideração, mas é outra que pode gerar grandes ganhos financeiros e um destaque no mercado de trabalho que poucos podem se dar o luxo de conquistar.

Apesar disso, vale destacar que esse crescimento pode levar, pelo menos, uma década, além de uma profunda e constante vida dedicada aos estudos para a área de interesse. Para perseguir o caminho é importante estar se qualificando constantemente e, principalmente, produzindo conteúdo acadêmico (como pesquisas com metodologia apropriada) de forma regular. Ir da graduação para um doutorado leva tempo, mas é extremamente gratificante.

Esse tipo de carreira é mais voltada para pessoas que apresentam profundo interesse em alguma área do conhecimento, e, sem dúvidas, é necessário ter aptidão e muita vontade de querer ensinar, uma vez que normalmente o mercado de trabalho está voltado para área do ensino (em grande parte).

Quando é hora de mudar e como fazer isso com segurança?

Como você pôde ver, existem alguns tipos de carreiras que podemos seguir para alcançar o sucesso profissional e a autorrealização. Lembrando que existem indivíduos que alternam entre essas áreas durante algumas vezes em sua vida.

A hora para mudar de ramo normalmente acontece quando há insatisfações profundas e um interesse cada vez maior e gradativo por outras questões profissionais, como salário, qualidade de vida ou chance de crescimento.

Por isso, é indicado que você pratique o autoconhecimento para saber, entre os tipos de carreira, qual o seu em especial e quais são as alternativas que mais servem para seu caso — não existe uma resposta correta e somente você pode encontrar o ideal para sua vida.

Gostou do post? Aproveite a visita e veja como fazer e qual a importância da avaliação de carreira. Aprenda mais sobre esse importante tema!

Agora é o momento certo para mudar de carreira?

A pandemia fez muita gente rever prioridades e repensar suas escolhas profissionais. Mas será que este é um bom momento para mudar de carreira?

“Tomar a decisão de mudar de empresa ou de profissão não é tarefa fácil. Fazer uma transição exatamente agora, em meio a esse contexto de caos e com um futuro cheio de incertezas exige ainda mais cautela”, diz Patrícia Dalpra, especialista em Personal Branding e Gestão de Carreira.

Não importa se você é funcionário de uma organização ou profissional liberal, se você está enfrentando o dilema sobre fazer uma transição agora ou esperar a pandemia passar, é preciso lembrar que qualquer mudança pode trazer satisfação e sucesso, mas, em contrapartida, envolve riscos, desafios e muito planejamento.

Segundo a especialista, insatisfações momentâneas com a sua empresa ou negócio, modismos temporários ou até dificuldades pessoais não devem ser encarados como o combustível principal para uma mudança. “O segredo dessa iniciativa deve suscitar de seus gostos, desejos, sonhos e propósitos de vida. Não troque a sua história e a formação meramente por uma oportunidade que está em alta ou que simplesmente pague melhor naquele momento”, destaca.

Patrícia ressalta que, em certos casos, “ficar onde está” não é necessariamente sinônimo de estagnação. “Pode ser uma estratégia para ganhar mais tempo, planejar-se melhor e acertar nas escolhas”, diz.

A seguir, ela lista alguns pontos que devem ser levados em conta para uma decisão sem erros ou arrependimentos futuros.

Confira a matéria completa aqui.

mudança de área

Você sabe qual o momento certo para a sua mudança de área?

O que falta para você crescer profissionalmente e conquistar aquela tão sonhada mudança de área na empresa? Ou, se você é autônomo e sempre sonhou em atuar em outro setor, será que vale esperar mais algum tempo para apostar nessa transição? 

Não importa se você é liberal ou funcionário de uma organização, a mudança de área pode sempre ser um desejo e um objetivo dentro da profissão, ainda mais em se tratando das gerações mais modernas e mais motivadas pela busca do “novo”

Para tentarmos ajudar nessa iniciativa e, principalmente, orientar quanto à hora certa de decisão, preparamos este post com dicas preciosas de como deve ser realizada essa mudança de área, sem erros ou arrependimentos futuros. Vamos conferir? 

Afinal, o que deve motivar realmente a mudança de área? 

Mudar de área, muitas vezes, reflete em mudança de profissão e, portanto, a alteração não deve ser feita por meio de ações impensadas ou impulsionadas por emoções temporárias. É preciso traçar objetivos e metas e ter total ciência de que o caminho de volta pode ser mais difícil ou mesmo nem existir. 

Sendo assim, de primeira, insatisfações momentâneas com a sua empresa ou negócio, modismos temporários ou até dificuldades pessoais não devem ser encarados como o combustível principal para uma mudança de área. O segredo dessa iniciativa deve suscitar de seus gostos, desejos, sonhos e propósitos de vida. Não troque a sua história e a formação meramente por uma oportunidade que está em alta ou que simplesmente pague melhor naquele momento.

Em certos casos, “ficar onde está” não é necessariamente sinônimo de estagnação. Pode ser uma estratégia para ganhar mais tempo, planejar-se melhor e acertar nas escolhas.

Vale a pena mudar de área? 

Não é uma regra, mas, evidentemente, mudar para algo que realmente lhe preencha profissionalmente é o melhor caminho. No entanto, é importante destacarmos que qualquer mudança de área pode trazer satisfação e sucesso para a pessoa, mas, em contrapartida, envolve riscos, desafios e muito planejamento. 

Pensando nisso, separamos algumas vantagens e desvantagens que devem ser levadas em consideração na hora dessa decisão. Confira! 

Vantagens 

Sem dúvidas, a mudança de área pode proporcionar muitas vantagens ao profissional, especialmente no quesito satisfatório e de reconhecimento por vencer um desafio importante em sua vida. Por isso, os pontos a seguir são alguns dos principais benefícios que você poderá conquistar nessa jornada: 

  • satisfação pessoal; 
  • possibilidade de ganhos maiores, mais tempo livre, realizações etc.; 
  • conquistas e realizações pessoais; 
  • sucesso profissional. 

Desvantagens 

Por outro lado, ainda que os resultados possam ser satisfatórios, o trajeto a ser percorrido na mudança de área nem sempre é o mais confortável e fácil. Assim, para que se tenha ciência disso, a lista abaixo destaca alguns desses possíveis desafios pelo caminho. Confira: 

  • riscos com a antiga profissão; 
  • possíveis gastos e investimentos iniciais; 
  • instabilidades (especialmente para autônomos); 
  • necessidade de maior disciplina e de planejamentos; 
  • vontade de voltar atrás. 

Em resumo, o desejo pela mudança de área é algo natural na vida de qualquer profissional. No entanto, é fundamental que qualquer ação tomada seja motivada por propósitos e objetivos reais, e não apenas por emoções e fenômenos temporários.

Portanto, antes de buscar fazer uma nova faculdade ou de enviar currículos para uma nova empresa, pare, pense, estude, converse com o chefe e com outros profissionais, analise bem a situação, enxergue além dos horizontes, conheça todas as alternativas e aja mais com a cabeça e menos com o coração nessa hora. 

Gostou deste post que trata da mudança de área? Quer mais dicas para a sua carreira? Então, não deixe de ler também o nosso próximo artigo e saiba como alcançar as suas metas com o autodesenvolvimento pessoal

transicao-de-carreira-era-digital

Entrevista da Patricia Dalpra para NUBE sobre Transição de carreira na era digital

Conforme as inovações tecnológicas se intensificam, atividades envolvendo máquinas passam por transformações ao mesmo tempo. Então, esse momento, se bem gerido, pode se desdobrar em uma nova era de empregabilidade e expansão do mercado de trabalho global.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial de 2018, as empresas já esperavam uma quebra na fronteira entre humano-máquina. Assim, a estimativa até 2022 é de 75 milhões de empregos extintos e 133 milhões de novos adaptados ao ciclo digital. 

O ponto divisor de águas nesta fase está relacionado ao bem-estar, esclarece a Estrategista em Personal Branding e Gerenciamento de Carreira, do Rio de Janeiro, Patrícia Dalpra. “A relação com o trabalho está muito ligada ao propósito. Como fazer algo com essência. O financeiro ainda é importante, mas não mais determinante. O novo profissional quer ser feliz agora”, explica.

Com a mudança de cenário corporativo surgem algumas dúvidas. “Gosto das minhas atividades diárias?”, “qual o meu objetivo nesse setor?”, “só estou nesse lugar por causa do salário?”. Por consequência, o conhecimento de si é decisivo. 

Foi o caso de Juliana Farias, formada em Design de Interiores, mas atualmente cursando e atuando em marketing. Ela descobriu a falta de sinergia como designer quando já fazia estágio e estava em processo de trabalho de conclusão de curso (TCC). “Eu não era feliz naquela área, fazia minhas tarefas muito ‘empurrada’. Então, comecei a me questionar e busquei me conhecer melhor. Foi um processo de seis meses mais ou menos até me encontrar”, comenta Juliana. 

A transição na prática

Por isso, é preciso entender quais são os seus talentos, suas forças, seus valores, além das habilidades a serem desenvolvidas. Isso é, saber ligar os pontos. “O processo de autoconhecimento é incontestável”, defende Patrícia. Dessa forma, a prática da mudança de rotina corporativa é essencial e passa por algumas fases:

  1. Entender os motivos pelos quais quero mudar de ramo. Onde quero chegar? Quais as minhas motivações? São alguns questionamentos interessantes para instigar nossa mente. 
  2. Analisar o mercado e perceber as oportunidades. Logo, é primordial entender as necessidades e comparar com as suas competências para obter a melhor sincronia. 
  3. Apoio de um especialista. Nessa etapa é imprescindível o suporte de um especialista do assunto para um gerenciamento do caminho. Ele auxilia, inclusive no seu personal branding, ou seja, a fazer presença digital e participar ativamente de discursos relacionados ao seu novo nicho de mercado.

Veja a matéria completa aqui.

transição de carreira

Afinal, como superar o medo da transição de carreira?

Nos tempos atuais, boa parte das pessoas não está satisfeita com um emprego comum. Muitas vezes, queremos saber que estamos contribuindo para a sociedade e deixando nossa marca pessoal, qualquer que seja o nosso ramo ou o segmento de atuação. Por isso, você não pode deixar de saber como superar o medo da transição de carreira.

Esse pode ser um momento de incertezas e desafios, mas que é necessário para a realização de sonhos e a conquista de objetivos, ainda que isso possa ser difícil de ser percebido nas etapas iniciais. Você também está vivendo esse dilema? Então, não deixe de conferir o conteúdo a seguir.

Por que alguém investe na transição de carreira?

Uma transição de carreira não tem implicações apenas na vida profissional. O fato é que, dependendo da escolha e da mudança, essa é uma atitude que pode gerar uma quebra de paradigmas dentro de nós mesmos, aumentando os nossos níveis de felicidade, reduzindo o estresse e trazendo satisfação pessoal.

No entanto, como precisamos pagar as contas no final do mês e, na maioria das vezes, temos outras pessoas que dependem da gente, é comum ter medo e diversos outros sentimentos negativos nesse momento. É crucial, então, ter autoconfiança para superar os desafios e, com o passar do tempo, prosperar profissionalmente.

Quais as dicas para uma boa transição de carreira?

Como você pôde ver acima, é natural que alguém invista na transição de carreira não apenas por questões pessoais, mas também porque isso implica uma satisfação pessoal e uma maior autorrealização, sobretudo em médio e longo prazo. Continue lendo e confira algumas dicas para ter sucesso nessa empreitada!

Desenvolva o autoconhecimento

O primeiro passo para uma boa transição de carreira é elevar seus níveis de autoconhecimento. Afinal, é muito importante que você saiba o que lhe traz felicidade e quais são os seus pontos fortes, de maneira que possa cruzar essas informações e, dessa forma, escolher um novo ofício ou ramo de atuação no qual você possa prosperar. 

Analise seus maiores interesses

O passo seguinte do autoconhecimento é analisar quais são os seus principais interesses na área em que deseja atuar. Você deve explorar minuciosamente as novas opções de carreira que se apresentam, mas não deixando de revisar os projetos bem-sucedidos que você já executou, identificando as suas habilidades mais desenvolvidas.

Esquematize a sua transição

Agora que você já domina os elementos relacionados a si mesmo e ao seu passado profissional, chegou a hora de olhar para o futuro. Avalie qual é a sua reserva financeira, quais são os cursos que você deve realizar e como pode melhorar o seu networking. Coloque no papel o passo a passo e veja de quanto tempo você precisará para alcançar o seu objetivo.

Como você pôde ver, o medo da transição de carreira é um sentimento comum, mas que pode ser minimizado com um bom autoconhecimento e com o planejamento adequado. Um suporte especializado pode auxiliar nesse processo, sobretudo se estiver relacionado com serviços e soluções de coaching!

Quer contar com uma ajuda para superar o medo da transição de carreira? Entre em contato com a nossa empresa e conheça as soluções que temos para oferecer!

mudar-de-carreira-confira-8-erros-que-voce-nao-deve-cometer.jpeg

Mudar de carreira: confira 8 erros que você não deve cometer

Ao escolher uma profissão no início da vida adulta não significa que vamos permanecer nela até a aposentadoria, não é mesmo? Afinal, estamos sempre evoluindo e mudar de carreia pode ser o primeiro sinal de que estamos desejando alçar novos voos.

No entanto, a tarefa não é simples, uma vez que é necessário ter um preparo psicológico e buscar qualificação profissional referente à nova atividade. Diante de um mercado tão competitivo como o atual, é fundamental investir em conhecimentos a fim de alcançar o sucesso, seja profissional, financeiro ou pessoal.

A seguir, você vai conhecer 8 erros que não deve cometer ao mudar de carreira. Então siga a leitura e descubra quais são eles!

1. Não ter autoconhecimento

Investir em autoconhecimento é o pontapé inicial para fazer uma transição de carreira que realmente vai mudar a sua vida para melhor. Contudo, antes é preciso fazer as seguintes perguntas para si mesmo:

  • como você imagina a sua vida nos próximos 10 anos?
  • quem você quer ser como profissional?
  • qual é cargo que mais daria satisfação?
  • quais são as suas melhores habilidades?

Se você domina o autoconhecimento, certamente, saberá responder a essas questões. Entretanto, se ainda há dúvidas para respondê-las, então, a dica é esperar mais um tempo para tomar uma atitude.

2. Tomar decisões sozinho

Embora a decisão vai partir de você, muitas vezes pedir auxílio a um coach ou mesmo para um mentor poderá facilitar a mudança de carreira. O profissional vai ajudá-lo no processo de amadurecimento, assim como oferecer ferramentas para pesquisar mais sobre a nova profissão.

Além disso, é possível adquirir autoconfiança e tornar-se preparado para enfrentar os desafios que vão surgir pelo caminho. Ademais, você vai conhecer mais sobre a realidade do mercado no qual pretende atuar e qual é o passo a passo para chegar aonde deseja.

3. Não fazer planejamento

Muitas vezes, os profissionais erram ao pensar em mudar de carreira, porque não fazem um planejamento prévio da ação. Em vista disso, agem por impulso e acabam não enxergando os pontos que precisam ser trabalhados e como vai ser o processo de transição.

Portanto, tenha em mente que a mudança não vai ocorrer do dia para a noite. Em geral, essa etapa leva de 6 meses até 2 anos para que seja concretizada com êxito. Pesquise sobre a nova carreira, as tendências de mercado, as ações dos concorrentes diretos e indiretos etc.

4. Sentir medo de arriscar

Se a pessoa não está preparada para enfrentar os tropeços que acontecem no início de carreira, provavelmente, vai ter medo de se arriscar. Contudo, isso não significa que deva aceitar a primeira proposta que aparece ou, ainda, que deverá lançar tudo para o alto sem nem sequer pensar nas consequências.

É preciso saber que todas as profissões apresentam prós e contras e estar consciente disso é essencial para dar o primeiro passo. Contudo, também não fique esperando pela oportunidade perfeita, mas analise cada uma delas com muita objetividade!

5. Escolher apenas pelo salário

Muitas vezes, a insatisfação do profissional se dá pelo baixo salário que recebe. Ao optar por uma profissão, é comum que o indivíduo se iluda pela possibilidade de ganhar mais dinheiro, assim como as funções desempenhadas, o local de trabalho, a economia do país, entre outros fatores. Entretanto, mudar de carreira somente por dinheiro, ou ainda, por conta de outros itens, pode levar você a ter novas frustrações e mais uma vez se iludir com a outra profissão.

Sendo assim, antes de tomar qualquer atitude, avalie as oportunidades do mercado e converse com outros profissionais que estejam atuando na área na qual pretende trabalhar. Também considere as suas habilidades e competências, pois de nada adiantará querer ser um engenheiro, se você não gosta de matemática, concorda?

6. Não fazer networking

Nos dias de hoje, o profissional que não faz networking, seja no segmento no qual atua ou com outros grupos, permanece estagnado e diminui consideravelmente os seus contatos. Desse modo, não consegue trocar experiências com outras pessoas, nem tampouco visualizar novas oportunidades.

Logo, invista no relacionamento com colegas de cursos, amigos próximos, familiares e até com ex-chefes. Mantenha atualizado os seus perfis nas redes sociais, participe de grupos, tenha vida social ativa, sempre lembrando de que algumas das melhores vagas do mercado são preenchidas por meio de indicações de terceiros.

7. Não manter o foco

Sem dúvidas que manter o foco no trabalho é algo essencial para obter maior produtividade, independentemente da área de atuação. Se o profissional não dispende atenção às tarefas, ou mesmo, não as executa bem, provavelmente não vai ter o destaque que tanto almeja.

Principalmente, se você deseja mudanças de carreira, ter foco vai ajudá-lo a traçar metas e objetivos para alcançá-los de modo mais rápido. Não caia na tentação de pular ou adiar etapas importantes do planejamento que já deve ter sido feito anteriormente.

8. Deixar de se capacitar

Como citamos, a mudança de carreira não costuma ser fácil, assim como não acontece da noite para o dia. No entanto, para aqueles que já apresentam uma graduação, por exemplo, pensar em investir em uma pós-graduação pode significar um grande salto profissional.

Hoje em dia, a quantidade de cursos e especializações é enorme, o que faz com que muitos profissionais não percam tempo entre um estudo e outro. Entretanto, é importante destacar que apenas frequentar as aulas não é o suficiente. Também é necessário atualizar-se por meio de livros, sites, blogs ou qualquer outro que acrescente conhecimento e não simplesmente informação.

Ao longo do post, foi possível conhecer os 8 erros mais comuns que um profissional pode cometer ao querer mudar de carreira. Por isso, na maioria das vezes é indicado que o indivíduo procure ajuda de empresas especializadas em gestão de carreira e imagem pessoal.

A PD é uma empresa especializada em gestão de carreira e imagem pessoal que oferece o suporte necessário para quem deseja mudar de atividade. Portanto, comece a investir em você agora mesmo!

Entre em contato com a PD e saiba mais como poderemos ajudá-lo a encontrar boas soluções para o seu futuro profissional!

desafios-profissionais

Saiba como vencer os desafios profissionais para equilibrar a vida pessoal e profissional

Atualmente, saber equilibrar a vida pessoal com o trabalho pode ser considerado um dos principais desafios profissionais enfrentados pela mulher moderna em transição de carreira. Afinal, além de ter que conciliar o seu tempo com a família e o trabalho, ela também precisa dar atenção às tarefas de casa e aos relacionamentos com parentes e amigos.

Esses são diferentes setores da vida que exigem tempo e dedicação e que, se não forem devidamente cuidados, podem causar frustração, desmotivação e uma imensa perda de tempo e energia.

No entanto, seguindo algumas dicas, é totalmente possível ter um equilíbrio entre esses dois mundos. E a boa notícia é que vamos listar as principais neste post! Quer saber quais são? Então, continue a leitura e confira!

Defina suas metas e objetivos

O equilíbrio não existe sem a organização. Então, para enfrentar os desafios profissionais de equilibrar a vida pessoal com o trabalho, é fundamental definir suas principais metas e objetivos. Se você quer subir de cargo ou está morrendo de vontade de viajar para o exterior com a família no final do ano, por exemplo, coloque esses desejos em uma lista e os tenha como direcionamento para todos os seus próximos passos.

Delegue funções no trabalho

Logo após definir suas metas, delegue aquelas tarefas que tomam o seu tempo e não têm tanta importância para colegas ou subordinados no trabalho. Além de deixá-la bem menos atarefada, isso fará com que eles se sintam contentes e valorizados pela sua demonstração de confiança. Só não se esqueça de que delegar não significa abrir mão, e sim permitir que alguém em quem confia faça aquilo por você.

Divida as tarefas da casa

Foi-se o tempo em que as mulheres eram as únicas responsáveis pelas tarefas da casa, não é verdade? Sendo assim, a melhor coisa a se fazer é dividi-las com o cônjuge para que você tenha mais tempo para curtir a família. Caso você esteja solteira, o melhor é organizar as obrigações por períodos. Procure estipular um dia da semana para a limpeza, outro para as compras no mercado e assim por diante.

Essa simples programação vai ajudá-la a economizar tempo, evitando repetir tarefas que poderiam ser feitas apenas uma ou duas vezes. Por isso, pegue um calendário, defina as datas e siga-as corretamente.

Não leve trabalho para casa

Se você deseja conciliar a vida pessoal com a profissional, pare agora mesmo de levar trabalho para casa. Isso confunde as delimitações entre essas duas dimensões da sua vida que devem ser levadas de uma maneira saudável, principalmente no período de transição de carreira. Essa dica vale também para o famoso celular corporativo: tente mantê-lo desligado pelo menos aos finais de semana.

Reserve um tempo para você

Quando você não reserva um tempo somente para você, sua qualidade de vida corre o risco de descer por água abaixo. E isso poderá se tornar um ciclo, afetando seu desempenho profissional e pessoal e fazendo com que você perca mais tempo tentando dar conta do que antes conseguia realizar facilmente.

Portanto, tente reservar um tempinho para fazer o que mais gosta, como assistir uma série, meditar ou buscar conhecer a si mesma no silêncio do seu quarto. É importante entender como seus pensamentos funcionam e o que causa mais motivação e alegria. Assim, seu dia passará a render muito mais.

Por fim, podemos notar que equilibrar a vida pessoal com o trabalho é um dos principais desafios profissionais enfrentados no período de transição de carreira. No entanto, isso fará com que você influencie positivamente todas as outras mulheres à sua volta e ainda possa ser reconhecida como uma excelente profissional e líder. Não é demais?

E aí, gostou de saber como enfrentar os desafios profissionais de uma carreira em transição? Quer descobrir como trabalhar de maneira remota e otimizar o seu tempo? Então, aproveite que está por aqui e leia agora mesmo o post “Trabalho remoto: como se organizar e continuar produzindo com qualidade”!

como-se-reinventar-em-um-cenario-profissional-com-constantes-mudancas.jpeg

Entenda como se reinventar em um cenário profissional com constantes mudanças

A vida profissional nem sempre é como esperamos e, às vezes, é preciso fazer alguns pequenos ajustes para atender às necessidades do mercado de trabalho. Diante disso, repensar a carreira e seguir por novos caminhos pode ser a melhor solução de como se reinventar ou até mesmo enfrentar uma mudança de rumo e explorar novas oportunidades.

Só que antes de fazer essa mudança, é importante saber que o autoconhecimento e a percepção de mercado são os principais pontos que precisam ser considerados para se renovar em sua própria carreira ou em uma nova.

Sendo assim, preparamos um post especial com as principais dicas para que você aprenda a se reinventar em um cenário profissional com tantas mudanças e conquiste o seu merecido sucesso. Quer saber como? Então, continue a leitura!

Planeje-se e esqueça os resultados

Para começar as dicas de como se reinventar, anote tudo o que precisa ser feito em um caderno ou planilha. Inclua todos os seus objetivos profissionais, pessoais, emocionais e financeiros.

O segredo é distribuir o desempenho e a evolução pretendida em pequenos passos diários, semanais ou até mesmo mensais, e esquecer os possíveis resultados, para evitar a ansiedade e não atrapalhar o processo. O ideal é estabelecer uma meta e focar-se no desempenho durante o percurso para atingi-la.

Aprenda a dominar novas habilidades

Se você deseja se tornar um profissional ainda melhor e renovar a imagem transmitida no ambiente de trabalho, é fundamental conquistar cada vez mais conhecimento e experiência.

Manter-se ativo no mercado e também em projetos permite que você utilize seus conhecimentos para promover a diferença no resultado final e, ao mesmo tempo, fazer com que os outros notem sua energia e proatividade nessa nova etapa.

Independentemente da sua área, você poderá dominar novas habilidades lendo livros, aprendendo com seus mentores ou participando de cursos e aulas. Assim, você permitirá que todos conheçam suas novas capacidades.

Entenda como as pessoas veem você

Você tem múltiplos talentos e qualidades quando se trata do seu trabalho, mas será que está destacando-os do jeito certo? Para ter certeza de que está passando a imagem correta para seu chefe e colegas de equipe, peça para as pessoas próximas a você para descrevê-lo em 3 palavras.

Assim, você poderá avaliar quais são seus pontos fortes e fracos, as principais características da sua personalidade ou suas habilidades mais marcantes, que precisam ser trabalhadas para que se destaquem ainda mais.

Crie novos relacionamentos profissionais

É natural criar certos vínculos com os colegas de trabalho, não é verdade? O cargo, o departamento e a idade são os principais fatores que levam você a se aproximar mais de um companheiro do que de outro.

No entanto, para crescer e saber como se reinventar no ambiente profissional é preciso expandir e, até mesmo, mudar esse círculo. Afinal, pessoas diferentes podem ajudá-lo a descobrir novas ideias e identificar seus pontos fortes.

Para tanto, estabeleça como principal meta se conectar com pelo menos um novo profissional por mês. Essas conexões poderão fornecer a orientação necessária para criar uma marca pessoal muito mais forte.

Mostre interesse nas habilidades dos novos colegas e, durante o horário de almoço ou na pausa para o café, pergunte como eles chegaram ao cargo que ocupam e peça para que compartilhem seus conhecimentos sobre a empresa. Essas simples atitudes poderão se tornar habilidades muito importantes no futuro. Acredite!

Procure referências

Quando temos uma referência, conseguimos enfatizar melhor o nosso objetivo de reinvenção para nós mesmos, tornando a mudança muito mais leve. Além disso, sentimos muito mais prazer em ver a nossa nova versão. Portanto, para saber como se reinventar no trabalho e assumir uma postura totalmente nova, procure pensar em pessoas que inspiram você, como coachs ou celebridades bem-sucedidas.

Em seguida, tente se conectar com elas em busca de inspiração, tanto pessoalmente quanto pelas redes sociais. Iniciar um networking com gente de outras empresas ou de profissões completamente diferentes da sua também é uma ótima forma de tornar sua transição muito mais divertida e suave. Dessa forma, você vai conhecer pessoas com os mesmos interesses que os seus e ainda aprender sobre quais habilidades você precisará trabalhar para ter sucesso em sua área. Não é demais?

Renove o visual

A aparência é um dos principais fatores que determinam a presença profissional e o modo em que as pessoas veem as outras, não é verdade? Por isso, quando falamos sobre como se reinventar, o fator visual também é importante. Se a sua principal meta for um determinado cargo ou posição, procure avaliar o modo como as pessoas que atuam nessa mesma área se vestem.

Não é preciso fazer nenhuma mudança drástica e esquecer a sua personalidade e suas próprias características. Mude apenas o necessário para que você se sinta mais confiante em sua reinvenção profissional e transmita a imagem correta que seus colegas de trabalho terão sobre você.

Relacione-se com pessoas diferentes

Engana-se quem pensa que as oportunidades estão escondidas por meio de cargos. Claro que manter certo contato com profissionais de posições mais altas é fundamental, mas também é importante entender que networking é uma questão de troca, e não oportunismo.

As pessoas têm experiências diferentes e isso pode ensinar várias coisas e agregar em assuntos que talvez sejam desconhecidos por você, além de promoverem total diferença em um futuro próximo.

Então, para que você possa se preparar para ele, expanda seu círculo de amizades e não se prenda somente àquelas pessoas mais próximas do seu dia a dia. Mudar suas ideias pode ser uma excelente opção para alavancar o seu processo de reinvenção.

Não tente fazer tudo de uma vez

Quem se apressa para fazer tudo acontecer rapidamente, acaba não fazendo nada. Então, tenha muita paciência e respeite seu tempo para que a mudança seja o mais natural e agradável possível, tornando sua determinação cada vez mais forte. Saber definir seus sonhos e ter a clareza exata de onde se quer chegar é fundamental para que as mudanças ocorram de acordo com o planejado.

Por fim, agora que você já sabe como se reinventar em um cenário profissional com tantas mudanças, lembre-se de não desistir e manter-se firme e forte na busca por seus sonhos e objetivos. Assim, você perceberá que seu trabalho valeu a pena, receberá o seu devido valor e, ainda, se sentirá cada vez mais realizado.

E aí, gostou de saber como se reinventar no cenário profissional? Quer mais dicas incríveis como essas? Então, aproveite que está por aqui e assine a newsletter. Assim, você receberá todas as nossas atualizações em sua caixa de entrada!

gestao-financeira-para-o-pos-carreira-profissional

A importância da gestão financeira para o pós-carreira de um profissional

Geralmente, profissionais a partir dos 40 anos já começam a pensar sobre a transição de uma vida profissional ativa para o período de aposentadoria, ou pós-carreira. E, claro, passar do âmbito corporativo para a nova fase exige planejamento.

É importante ressaltar que essa fase não diz respeito somente à aposentadoria de fato, mas também a um período em que o profissional poderá, finalmente, fazer o que sempre desejou e no qual poderão ser desenvolvidas novas habilidades.

Portanto, não há dúvidas: é preciso ter um planejamento financeiro bem estruturado.

A seguir, vamos entender a importância da gestão financeira para o pós-carreira de um profissional e conferir outras informações relevantes.

Então, vamos à leitura?

Veja quais questões considerar na fase de transição

Se você já está pensando na gestão financeira visando a transição para a fase pós-carreira, se pergunte:

  • O que pretendo fazer depois que parar de trabalhar?
  • O que me motiva e me realiza como pessoa?
  • Como meus talentos e habilidades poderão ser aproveitados?
  • Quais novas habilidades eu gostaria de desenvolver, mas ainda não tive tempo ou oportunidade?
  • Eu e minha família teremos o mesmo padrão de vida atual?
  • Desejo fazer algo em prol da comunidade?
  • Fora os custos com necessidades básicas, o que mais demandará gastos?
  • Tenho dívidas antigas? Em quanto tempo consigo quitá-las?
  • Quanto será preciso ter em minha reserva financeira?

Essas perguntas ajudarão a compreender objetivos e mensurar a dimensão dos gastos, questões fundamentais para passarmos para o tópico seguinte.

Agora, entenda a importância da gestão financeira para o pós-carreira

Há três elementos fundamentais para ter sucesso e aproveitar a fase pós-carreira:

  • dinheiro para realizar seus objetivos;
  • saúde;
  • projeto de vida definido.

Então, depois de responder às questões do tópico anterior, entenda agora o porquê elas são relevantes.

Ter o controle de gastos

Muitos acreditam que seus gastos são menores do que o valor que realmente gastam.

Se você precisa custear a qualidade de vida de sua família e seus novos empreendimentos, mesmo que sejam vistos como hobbies, é preciso ter o controle de suas finanças para não gastar mais do que deveria.

Resumidamente, sem a gestão financeira os processos pensados para a pós-carreira não andam.

O cartão de crédito, aliás, pode ser um dos vilões quando se trata de controle de gastos — se possível, o descarte. Além disso, planeje-se para quitar dívidas e cortar assinaturas, itens ou mensalidades dispensáveis.

Manter a reserva financeira

A gestão das finanças também auxilia o cuidado à reserva financeira.

Sabe por que a educação financeira é tão relevante nesse sentido?

Porque com ela você aprende a investir em títulos ou fundos de renda fixa, renda variável, imóveis etc. a fim de manter sua reserva financeira e aproveitar os rendimentos.

Entretanto, antes de qualquer investimento, procure saber o que você tem em:

  • sua conta corrente/poupança;
  • patrimônio;
  • outros tipos de aplicações financeiras ou investimentos, como Tesouro Direto.

Investir no que sempre desejou fazer

Como você vai investir no que sempre desejou fazer se não tem recursos para isso ou se depois de certo tempo eles acabaram?

Para não depender de financiamentos ou se apoiar somente em programas do governo, a gestão financeira surge como auxílio durante todo o período pós-carreira.

Ela garante o suficiente para você se manter, adquirir itens necessários e investir no aprimoramento das habilidades que precisa para fazer o que sempre quis.

Lidar com imprevistos

Imprevistos ocorrem o tempo todo, não é?

Sem a gestão financeira, como você vai lidar com eles na fase pós-carreira?

A renda mensal pode não ser o suficiente, principalmente se você tiver vários dependentes. Portanto, o controle financeiro também ajuda a lidar com imprevistos e se manter na ativa, sem precisar desistir dos seus novos objetivos por razões financeiras.

Enfim, vimos neste artigo a importância da gestão financeira para o pós-carreira de um profissional. Lembre-se de que um planejamento prévio é muito importante para que você possa continuar mantendo o padrão de vida da sua família, por exemplo, enquanto se dedica aos seus novos objetivos de vida.

Se você tem seu negócio próprio, sabe que finanças pessoais e empresariais andam lado a lado, certo?