Posts

Por que descobrir sua identidade profissional pode influenciar no sucesso da carreira?

Muitos pensam que a identidade profissional, relacionada a marca deixada que ajuda as pessoas a nos identificarem, é construída apenas com o início do mercado de trabalho e nas relações com outros profissionais. Porém, essas características são construídas desde a entrada na Universidade, projetos de pesquisas, contatos com demais profissionais da área e muito mais.

Assim, a partir de como você se mostrou dentro desse contexto de trabalho é possível definir uma identidade profissional, que pode envolver pontos positivos como paciência, dedicação, liderança, criatividade etc.) ou negativos (como desatenção, falta de ética, insegurança, inflexibilidade e correlatos.). Seja como for, essas características vão sendo moldadas aos poucos, de acordo com as experiências vividas e os aprendizados coletados.

Conseguiu perceber a importância da identidade profissional para ter uma trajetória de sucesso? Preparamos este post para falar sobre o assunto. Continue a leitura!

O que significa ter identidade profissional? 

Sabe quando você associa um ator ou atriz a um bordão utilizado por uma personagem em alguma produção? Podemos chamar isso de uma das identidades profissionais do artista, que corresponde a marca deixada para quem trabalha com ele ou simplesmente acompanha o trabalho.

Quer dizer, a identidade profissional é que torna o indivíduo único, seja por algo positivo ou negativo que tenha feito. Pense agora em um contexto de contratação dentro de uma empresa. 

Por exemplo, ambas as opções do recrutador podem ter uma formação de alto nível, mas enquanto um tem facilidade em trabalhar em equipe, o outro prefere o individualismo. Essas características contam muito na hora do recrutamento ou indicação para determinado cargo e não precisam necessariamente ter relação direta com a área de atuação ou cargo ocupado.

Qual a importância de ter identidade profissional?

Conforme mencionado, a identidade profissional contribui para que os recrutadores e colegas de trabalho conheçam você e façam uma escolha e/ou indicação mais direcionada em cargas de trabalho. 

Além disso, isso também é indispensável para o autoconhecimento profissional, já que ao saber suas características fica mais fácil entender o que precisa ser melhorado e quais os pontos fortes, por exemplo. Esse conhecimento é fundamental na hora de tomarmos uma decisão no campo profissional.

Lembre-se que passar por momentos de decisões e até os que são necessários optar por um ou outro colaborador é extremamente comum na vida profissional. Por esse motivo, a identidade profissional funciona como um indício de quem você é para facilitar na tomada de decisão e aumentar a credibilidade diante do mercado.

Como descobrir a identidade profissional?

Diante da importância desse assunto, é preciso investir tempo em métodos que contribuam para a descoberta da identidade profissional. Assim, você tem um melhor direcionamento de ações, aumenta a credibilidade com os recrutadores, não se limita nas escolhas e muitos outros benefícios.

Identifique habilidades

Pense em sua formação profissional até aqui, tente identificar os aspectos mais agradáveis e que você mais teve facilidade de lidar. Aprender com as experiências obtidas é um passo importante para que você se conheça. 

Além disso, não se limite apenas ao que já foi feito: converse com seus mentores, pesquise em sites de carreira e de discussão profissional para continuar essa descoberta. Tudo isso contribui para que você identifique suas habilidades e entenda o que mais desperta o seu interesse.

Destaque suas habilidades

Ao identificar suas habilidades é importante relacioná-las com seus objetivos e metas profissionais. Assim, você trabalha os pontos fortes para que ele seja mais perceptível e trabalha para melhorar os pontos fracos que podem afastar dos seus planos.

Por exemplo, se você futuramente quiser ser o gestor de uma empresa, mais do que falar sobre isso é preciso demonstrar sua vontade e capacidade para tal. Isso pode ocorrer ao trabalhar as principais características de um líder lidando com os membros de uma equipe, como empatia, autocrítica, saber tomar decisões, adaptabilidade etc. 

Desenvolva habilidades

É preciso deixar claro que as características que formam você não precisam necessariamente serem inatas. Muitas das mais valorizadas, como a criatividade, só existem quando exercitamos nosso cérebro para tal e temos repertório suficiente para gerar ideias inspiradoras, o que exige uma constante busca.

Assim, se você é bem-visto por ter determinada qualidade, a ponto disso ser associado como marca sua, não acha que não é necessário continuar desenvolvendo tais habilidades. Da mesma maneira, é possível se livrar ou atenuar pontos negativos quando se conhece e batalha para afastá-los. 

Nesse sentido, uma das habilidades mais importantes a ser desenvolvida é a comunicação, que pode auxiliar para que sua mensagem seja transmitida da maneira correta, para as pessoas corretas e no local adequado. 

Trabalhe sua rede de contatos

A rede de contatos tem um papel fundamental não apenas para direcionar seu futuro profissional a partir do que conhecem da sua identidade profissional, mas também para contribuir com o seu autoconhecimento. Isso porque, conselheiros acadêmicos, supervisores e colegas podem ajudar no desenvolvimento de suas habilidades e até no conhecimento de cada uma delas.

Assim, é importante conversar com essa rede de contatos e saber filtrar as críticas e opiniões emitidas por cada um deles. A partir disso, é possível classificar seus interesses, caminhos por onde encontrar oportunidades etc. 

Invista em capacitação

Para conseguir se preparar e desenvolver habilidades que auxiliam na construção da identidade profissional e do marketing pessoal, investir em capacitação é indispensável. Esse passo prepara você para os desafios que surgirão. 

Um exemplo disso é a pandemia do coronavírus, que pegou muitos de surpresa e exigiu capacidade de inovação e rápida adaptabilidade. Os mais preparados para o mundo digital, especialmente quem investiu em capacitação, teve mais vantagem ao lidar com esse desafio surgido.

Como você pôde perceber, a identidade profissional permite que você se destaque e abra oportunidades no mundo do trabalho que são imprescindíveis para a sua carreira. Afinal de contas, trata-se da marca transmitida para outras pessoas. Você queira ou não, ela causará uma impressão nos outros. Assim, para que essa impressão seja positiva, investir em um profissional especializado é indispensável.

Conseguiu entender a relevância do assunto? Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudá-lo!

Como dar feedback negativo para um colaborador?

O feedback negativo pode ser associado pelo senso comum a um processo prejudicial que inibe e constrange os colaboradores. Entretanto, a verdade é que, dependendo da maneira como você executa o feedback, o desempenho do colaborador e consequentemente da empresa, pode ser otimizado.

Da mesma maneira, o feedback negativo pode atrapalhar a motivação e produtividade da sua equipe, o que também leva ao baixo desempenho empresarial. Tudo vai depender de como esse processo é executado pelos gestores, além do empenho dos colaboradores em transformar isso em evolução. 

Ou seja, considerando que o feedback negativo pode resultar em dores ou delícias dentro de um negócio, de acordo com a forma com que é aplicado, é importante conhecer as melhores práticas para dar retorno. Assim, confira nosso post!

1. Tenha clareza

É preciso considerar que o momento de receber feedbacks costuma ser tenso para a maior parte das pessoas, que podem não se sentir confortáveis com a ideia de serem avaliados e terem os esforços questionados. Por isso, é comum que o nível de concentração diminua, assim como a confiança para pedir melhores explicações do que foi dito pelos superiores.

Dessa maneira, prezar pela clareza é uma das estratégias mais importantes para evitar ruídos na comunicação e diminuir as chances dos colaboradores fazerem interpretações diferentes do que foi dito, o que dificultaria a evolução de cada um, como a identificação de forma coletiva do que pode ter contribuído para erros ou desempenhos insuficientes.

Para isso, é válido ser didático e utilizar recursos visuais, se necessário, como gráficos e dados mensuráveis que contribuem para apresentação do feedback com mais clareza. Estruturar ideias, fornecer exemplos e sugestões também são maneiras de colocar o procedimento em prática.

2. Seja gentil

Constranger o colaborador não apenas pode não ter resultado nenhum na melhoria do desempenho, como pode contribuir para a queda na qualidade do trabalho, já que o profissional pode se sentir desmotivado para tentar o seu melhor. 

Então, seja gentil e comece falando sobre os pontos positivos, como o bom desempenho de cada um em determinada atividade, e depois fale sobre o que precisa ser aprimorado, reforçando que existe potencial para alcançar a evolução.

Quer um exemplo? Fale dos motivos que levaram a contratação do colaborador. Isso aumenta a confiança e diminui a tensão do momento, o que também é importante para aumentar a busca pela solução de problemas.

3. Utilize a Comunicação Não-Violenta

A CNV é um conceito desenvolvido por psicólogos que visam uma relação de mais parceria e cooperação, em que a comunicação predominante é sem violência e com empatia. Saber fazer isso contribui para um melhor clima organizacional, o que deve evitar críticas pessoais e grosseiras. Além disso, o princípio dela também inclui saber ouvir o colaborador, para que o feedback seja aplicado com mais eficácia.

Como você pôde perceber, a comunicação adequada pode ser a chave para que o feedback negativo passado aos colaboradores tenha bons frutos tanto do ponto de vista individual quanto coletivo, aumentando o potencial da empresa, que pode se tornar mais produtiva e alinhada com as propostas do negócio. 

Por esse motivo, que tal continuar aprendendo sobre o assunto? Confira o nosso post sobre estratégia de comunicação!

Por que a identidade de marca é tão importante para a carreira?

Nos últimos anos, a forma pela qual os profissionais se relacionam com o mercado e buscam as melhores posições disponíveis nas empresas mudou drasticamente. Ter apenas uma boa formação ou um currículo bem-feito não é mais um diferencial. Por isso, você não pode deixar de entender como a identidade de marca é tão importante para a carreira.

Esse é um aspecto fundamental para a construção do branding pessoal, que mostra para a própria pessoa e para o mundo o quanto ela é única e o que ela tem a oferecer, ajudando a causar uma boa impressão para contratantes, empregadores, gestores e clientes. Continue lendo o post e aprenda mais sobre o assunto.

Afinal, o que é a identidade de marca?

Quando falamos de uma empresa, a identidade da marca nada mais é do que um conjunto de elementos visuais e até mesmo abstratos, que tem a finalidade de representar essa instituição perante o público, direcionando a percepção das pessoas, preferencialmente, de uma maneira positiva e que gere vantagens para o negócio.

Uma marca, conceitualmente, deve ter uma personalidade própria, estruturada e que seja identificada sem dificuldades, se tornado um dos pontos fortes das estratégias de marketing e causando uma boa impressão nos clientes, estabelecendo um posicionamento único no segmento de mercado em questão.

Como é formada a identidade da marca de uma empresa?

Via de regra, a identidade da marca de uma empresa é montada em consonância entre os gestores e a equipe de marketing, considerando algumas características importantes. Para traçar elementos visuais, sensitivos e estratégias de comunicação, é preciso conhecer o negócio como um todo, assim como seus objetivos em curto, médio e longo prazos. 

Um dos pontos avaliados é a visão da organização, que pode ser entendida como o futuro, o estado que se deseja alcançar. Isso inclui, também, em que direção os esforços devem ser apontados, como o empreendimento se relaciona com a sociedade na qual está inserida e as aspirações que existam em relação a isso. 

Já a missão de uma empresa é uma espécie de declaração do propósito fundamental da instituição, a finalidade pela qual ela atua. É comum uma espécie de DNA, que não muda com o passar do tempo. É muito importante compartilhar isso com os colaboradores e parceiros, para que todos laborem em favor desse propósito.

Por fim, temos outro item fundamental, que são os valores. Esse é um termo bastante comum, pois qualquer pessoa tem os seus e os mais briosos não abrem mão deles. No universo corporativo, ele está relacionado com as crenças que guiarão o comportamento e as decisões, de maneira que a missão e a visão sejam exercidas.

O que a identidade da marca faz por um profissional?

Como dissemos, o conceito de identidade da marca é muito aplicado por empresas em todo o mundo, como uma forma de gerar uma impressão assertiva e otimista, sobretudo no seu público-alvo. No entanto, isso não quer dizer que um profissional não possa utilizar essa estratégia, desde que adapte alguns aspectos e pontos para si mesmo. 

Quando interagimos com clientes, parceiros, colegas de trabalho ou com o líder da nossa equipe, todos têm a sua própria interpretação sobre a gente, que pode ser positiva ou negativa. Felizmente, por meio de algumas ações pontuais e atitudes corretas, é possível direcionar essa percepção, de forma vantajosa para nossas carreiras e relações.

A identidade da marca gera senso de originalidade, mostra para as pessoas quem e o que a empresa é. Também é uma maneira de fazer com que o mercado compreenda a capacidade e as intenções da marca, contribuindo para mais reconhecimento, maior fidelização e até uma longevidade mais extensa dentro do respectivo setor.

Como suas características formam sua identidade?

Você já compreendeu como a identidade da marca de uma empresa é montada, mas pode estar se perguntando como aplicar isso na sua vida profissional. Felizmente, os princípios são bastante similares e você deve extrapolar para a sua realidade. É muito importante, por exemplo, conhecer e considerar os seus próprios valores.

Em termos de missão e visão, você também deve compreender as razões pelas quais você está no ramo que atua e onde você quer chegar no futuro. Lembre-se que tudo isso é transmitido, em nível pessoal, pela sua postura e maneira de se comportar, por meio da sua personalidade, capacidade de comunicação, tom de voz e assim por diante.

Como a identidade da marca se relaciona com seu branding pessoal?

Não é difícil perceber como a identidade da marca se relaciona com o branding pessoal, que nada mais é do que a forma como você se posiciona como profissional, em um esforço consciente, intencional e direcionado para influenciar a percepção que as pessoas têm de você, se posicionando como uma autoridade e elevando a própria credibilidade.

Confira abaixo como construir o seu branding pessoal.

Aja sempre com transparência

A forma pela qual você age com os outros define o seu branding pessoal, assim como influencia na identidade da marca, no caso de uma empresa. Por isso, ser transparente é muito importante no curso do desenvolvimento da sua história profissional, transmitindo a sua perspectiva, enquanto indivíduo, de uma maneira autêntica e acessível.

Comunique-se com clareza

Pessoas que conseguem se comunicar bem com as outras têm uma espécie de marca pessoal positiva, que contribui para o seu branding. Por isso, você deve investir nesse quesito, apostando na qualidade do diálogo e no desenvolvimento desse atributo. Se for o caso, não hesite em buscar uma consultoria para ajudar nesse aspecto, pois os resultados costumam ser excelentes.

Dê valor à sua reputação

Por fim, você não pode deixar de valorizar a sua reputação. Mesmo que você tenha um perfil mais pacífico ou calado, é importante que você reconheça e, no momento oportuno, deixe claro o valor agregado que você tem enquanto profissional. Isso é ainda mais crucial em algumas fases, como em processo de contratação, transição de carreira, entre outros.

Como você pôde ver, a identidade da marca e o branding pessoal são fortemente relacionados, sendo essenciais para a carreira de qualquer profissional. Uma consultoria especializada ajuda a reconhecer essas características, assim como a transmitir sua mensagem para quem realmente deve receber.

Gostou de aprender mais sobre a identidade da marca? Quer contar com uma consultoria especializada de alta qualidade? Então entre em contato conosco.

O que é o círculo dourado e como ele ajuda a definir seu propósito?

E se você lembrasse do seu propósito toda vez que a desmotivação com a vida profissional surgisse? É justamente dentro desse contexto que entra o círculo dourado, um conceito apresentado pelo palestrante TED, Simon Senek, em 2009, que incentiva as pessoas a buscarem o ‘’porquê’’, antes de qualquer coisa.

Afinal de contas, a motivação é parte fundamental da produtividade e sucesso rumo ao cumprimento de metas e objetivos — pesquisas realizadas pela Right Management mostram que colaboradores motivados podem produzir até 50% mais. Quando não temos um propósito, que é a razão por trás de todo esforço investido, é fácil se desmotivar, o que atrapalha a busca por um melhor posicionamento de carreira. 

Então, quer entender como o círculo dourado interfere nisso e pode ajudar na identificação da essência individual, que dá sentido à sua carreira? Continue conosco e descubra!

O que é o círculo dourado e como ele ajuda na carreira profissional?

Conforme mencionado, o círculo dourado foi apresentado por Simon Senek, e trata-se de uma metodologia simples, mas com grande impacto ao ajudar empresas a alcançarem o sucesso e se tornarem mais inspiradoras a partir da criação de um novo valor para o negócio, ideia, serviço ou produto oferecido. 

Quer dizer, para que uma marca tenha mais sucesso e se torne inspirada, apenas estimular os clientes a consumirem determinado objetivo não é suficiente, é preciso fazer com que eles amem aquilo. 

É o caso da Coca-Cola, que muito além de vender a ideia de refrescância com o refrigerante, tem como propósito compartilhar alegria e otimismo na vida das pessoas. Isso é sentido em suas campanhas publicitárias, por exemplo.

Levando esse exemplo para grandes lideranças, pense em Steve Jobs, que revolucionou o mundo da computação e iniciou seus projetos muito além do lucro, para tornar as pessoas mais felizes e inspiradas.

Como funciona o círculo dourado?

Para conseguir colocar o círculo dourado em prática e impulsionar sua carreira, é preciso entender a estrutura desse conceito.

O que

Neste primeiro momento deixe de lado a emoção e foque nas qualidades técnicas que são necessárias para que você realize o trabalho de forma bem-sucedida. Quer dizer, deseja empreender? Então dedique toda sua atenção para pensar e promover as melhores características no produto e/ou serviço oferecido.

Como

Esta é a etapa em que você constrói um plano de ação para que sua carreira profissional ou empresa alcance os objetivos almejados, o que inclui a formulação de estratégias e definição de valores e crenças existentes. Isso é o que destaca você dos demais.

Por quê

Trata-se do real propósito da empresa ou profissional, que move todas as ações e esforços depositados rumo ao objetivo e metas. A partir de então, as campanhas, produtos e serviços construídos terão isso como lema para atrair os consumidores.

Em outras palavras, o círculo dourado estrutura o caminho necessário para o autoconhecimento, que leva à construção do propósito tão indispensável para estimular a motivação e produtividade no trabalho.

Gostou do post e quer continuar aprendendo? Confira o nosso conteúdo sobre como descobrir o propósito de vida profissional!

Qual a importância do gestor de carreira para sua vida profissional?

Quando uma pessoa decide estudar para uma determinada carreira ou decide o ramo no qual ela deseja atuar, é bastante comum que sua escolha não reflita, necessariamente, suas habilidades, competências, necessidades e anseios. Por isso mesmo, você não pode deixar de conhecer a importância do consultor de carreira para sua vida profissional.

Esse especialista pode ajudar a mudar esse cenário, contribuindo para o aprimoramento, ajudando você a encontrar a sua marca pessoal, estimulando as suas capacidades e agregando com tudo aquilo que possa servir como um diferencial para futuros empregadores. Continue lendo o post e aprenda mais sobre essa possibilidade!

Afinal, o que é um gestor de carreira?

O gestor de carreira é, antes de mais nada, um profissional em sintonia com o futuro e as necessidades mais recentes da sociedade e do mercado como um todo, inclusive da grande demanda que as empresas modernas têm por trabalhadores qualificados e especializados. Sendo assim, não é difícil perceber que é um ofício em alta.

Não existe uma regra muito definida sobre a sua formação, embora conhecimentos sobre psicologia humana e economia, por exemplo, sejam sempre bem-vindos. O gestor de carreira ajuda os seus clientes a planejarem o seu crescimento, descobrirem aptidões, traçarem metas e conquistarem as funções que sempre sonharam.

O que faz um consultor de carreira na prática?

O gestor, na prática, age fazendo uma espécie de mentoria de carreira, preparando o cliente, enquanto profissional, para que ele se capacite para vencer todos os maiores desafios do mercado. Isso pode ser útil em diversos momentos da nossa vida, como na entrada no mercado, realocações, transição de carreira e assim por diante.

Entre diversas funções, o gestor de carreira pode descobrir quais são as empresas, por exemplo, precisam do talento que o seu cliente tem a oferecer. Da mesma maneira, ele verifica habilidades, valores, interesses e características de quem está recebendo a consultoria, assim como até mesmo as suas condições psicológicas.

Isso é chamado de análise de perfil e é o ponto inicial para fazer um bom planejamento, que demanda uma boa autoanalise e autoconhecimento, para montar um histórico e elaborar um currículo mais acertado e eficaz. Tudo será estruturado para identificar os pontos fortes e as principais competências, além de eventuais pontos de melhoria.

Outra situação com a qual o gestor de carreira pode contribuir é fazendo simulações de entrevistas, para que os clientes ganhem mais segurança para quando se encontrarem com os recrutadores de verdade. Isso serve para ajustar o estilo de comunicação, motivar e lapidar as qualidades que poderão impressionar o entrevistador.

Vale ressaltar que o trabalho do gestor de carreira não termina aí. Ele continuará prestando sua assessoria ao cliente ao longo de todo o período estipulado por ambos, podendo auxiliar a rever e a reformular estratégias quando necessário. Tudo isso é feito de forma personalizada e sigilosa, proporcionando lições importantes para o mercado e para a vida!

Quais os benefícios de um consultor de carreira?

Agora que você já entendeu um pouco melhor o que é um gestor de carreira e observou como ele atua com seus clientes, vamos enumerar alguns benefícios que você pode experimentar ao contar com esse tipo de consultoria. Acompanhe.

Contribui na autoanálise profissional

Um dos grandes benefícios de um gestor de carreira é que ele contribui para uma boa autoanálise profissional. De tempos em tempos, essa é uma ação imprescindível para que qualquer pessoa compreenda melhor a sua situação na empresa, no mercado e as suas expectativas para o futuro em curto, médio e longo prazos.

Eventualmente, essa não é uma tarefa das mais simples de serem feitas quando estamos sozinhos. A ajuda do gestor de carreira vem nesse sentido, de saber observar o que realmente interessa e identificar se é hora de uma mudança, um novo treinamento de capacitação ou até mesmo uma conversa franca com seu líder.

Ajuda a definir metas de carreira

O gestor também faz uma excelente mentoria de carreira, ajudando não apenas na definição de novas metas, como também nas decisões que você precisa tomar. Isso ocorre, por exemplo, quando você quer descobrir quais competências e habilidades precisa desenvolver quando desejar uma realocação ou melhores remunerações.

A consultoria funciona de diversas maneiras, como na aplicação de perguntas específicas, que o seu mentor poderá fazer para ajudar a encontrar as respostas que você precisa. Isso é feito por meio de estratégias mercadológicas e pela avaliação dos perfis de cada assessorado, ele te desenhando um novo planejamento com previsões promissoras.

Revisa o currículo e perfil do LinkedIn

O currículo é um dos meios pelos quais os recrutadores escolhem os candidatos ideais para a ocupação das vagas disponíveis. Embora esse recurso tenha perdido um pouco de espaço com os avanços da tecnologia, ele ainda é muito importante no mercado. Por isso, uma das funções do consultor de carreira é ajudar na sua elaboração.

Entretanto, o LinkedIn também é imprescindível, embora muitas pessoas não saibam ao certo como montar o seu. A consultoria ajudará a preencher tudo com informações diretas e necessárias, que sejam relevantes para os recrutadores. Além disso, ele faz dessa rede social uma verdadeira ferramenta de marketing pessoal.

Melhora a postura de entrevista

Por fim, como dissemos, um dos maiores benefícios de um gestor de carreira é que ele ajuda a melhorar a postura dos assessorados durante as entrevistas de emprego ou até mesmo na comunicação interna da empresa. Isso é muito importante, pois quem anseia pelo sucesso precisa saber se expressar.

Por meio de simulações e treinamentos, é possível educar e ampliar a inteligência emocional para esse tipo de situação. O processo pode, inclusive, ser filmado para posterior análise, promovendo ainda mais autoconhecimento e autodesenvolvimento. É uma oportunidade excepcional, inclusive para acertar na escolha das palavras.

Como você pôde ver, o gestor de carreira pode ser justamente o que você precisava para dar uma guinada na sua vida profissional!

Gostou de aprender qual a importância do gestor de carreira para sua vida profissional? Ficou interessado em contar com um especialista de alta qualidade para ajudá-lo nesse processo? Então não perca mais tempo e entre em contato com a nossa empresa!

Patricia Dalpra para o site Inteligência & Inovação sobre a importância do personal branding na gestão de carreira

O futuro do trabalho sinaliza mudanças sensíveis num cenário muito próximo. Como comunicar de forma mais eficiente e transparente seu verdadeiro potencial ao mercado e, consequentemente, fazer a diferença num ambiente altamente competitivo.

É cada vez maior o impacto da Inteligência Artificial sobre algumas profissões. O futuro do trabalho sinaliza mudanças ainda mais sensíveis num cenário muito próximo, já que cada vez mais as máquinas ocuparão o lugar dos humanos em inúmeras posições. Um estudo do McKinsey Global Institute revela que 5% das atividades profissionais podem desaparecer em pouco tempo e que 60% delas podem ter um terço das tarefas automatizadas. E o que isso quer dizer na prática? Que o cenário será muito diferente muito antes do que imaginamos e que processos e formas de pensar o trabalho precisam ser revistos por empresas e profissionais.

Assim como aconteceu com o movimento de globalização, ocorrido na década de 1990, no qual acreditava-se que aconteceria uma homogeneização em função da “queda” das fronteiras geográficas, o que se viu foi um movimento contrário. A diferenciação, ou seja, a singularidade surgiu como um contramovimento muito forte.

Estrategista em Gestão de Imagem e Carreira, Patrícia Dalpra explica que ao mesmo tempo em que o movimento de globalização se consolidava, o Branding – conjunto de ações alinhadas ao posicionamento e valores de uma marca – também começava a ganhar força. O objetivo era descobrir o que cada marca – de uma pessoa, empresa ou mesmo de um país – apresentava de singular para posicioná-la no mercado diante de uma nova realidade.

“Atualmente, percebemos novamente um contramovimento. Ao contrário do que se espera em um cenário em que a inteligência artificial ganha força, características mais humanizadas tornam-se um grande diferencial, um valor determinante dentro do mundo profissional”, afirma a estrategista, referindo-se à valorização das chamadas Soft Skills.

Para aqueles que ainda não estão familiarizados com a expressão, Soft Skills são habilidades comportamentais que diferenciam um profissional no ambiente de trabalho e a forma como ele reage a determinadas situações do cotidiano profissional. Neste momento, características como inteligência emocional, criatividade, empatia, curiosidade e proatividade são altamente valorizadas na hora de uma empresa contratar um profissional.

“Uma vez ouvi o publicitário e administrador de empresas Walter Longo falar sobre o seu processo de seleção de candidatos. Ele contou que nos últimos anos tem buscado profissionais que sejam sustentáveis, ou seja, que saibam reciclar ideias, conceitos e visão de futuro e CEOs. De uma forma mais simples, o que ele e muitas empresas buscam no momento são profissionais mais criativos, engajados e otimistas”, ressalta Patrícia Dalpra.

A estrategista em gestão de imagem e carreira enfatiza que no mercado de trabalho atual, especialmente com o prolongamento da pandemia, habilidades técnicas e acadêmicas não são mais as determinantes para uma contratação. As soft skills passaram a ter um peso muito importante para as empresas na hora de escolher um profissional para o seu time de colaboradores.

Diante desse cenário, o autoconhecimento torna-se fundamental. Conhecer sua marca pessoal, identificar suas forças, talentos inatos, pontos fracos e habilidades a serem desenvolvidas é fundamental. Todo e qualquer profissional que pretende ser protagonista da sua carreira, e fazer parte da revolução do novo em uma economia criativa, precisa descobrir sua marca pessoal. Nessa nova evolução disruptiva, é necessário ser diferente para fazer a diferença.

“O momento é efêmero, tudo é fugaz. Para se viver, e não apenas sobreviver neste cenário, é preciso se conhecer profundamente, entender seu potencial, e, principalmente, se comunicar de forma adequada. O mercado tem demonstrado que, no que se refere à carreira, esses movimentos são fundamentais e estratégicos”, orienta a especialista.

Na opinião de Patrícia Dalpra, a gestão de carreira hoje precisa ser muito mais “Waze” do que “GPS”. No GPS, basta que se coloque o local em que se quer chegar. O aparelho traça uma rota e segue o caminho que foi definido. Com o Waze, o destino é conhecido, mas, muitas vezes, não se sabe como chegar lá. O trajeto vai mudando e o condutor precisa se adaptar às transformações de cenário até chegar ao seu objetivo. A única condição é não perder o foco de onde se pretende chegar. É um cenário que exige flexibilidade, adaptabilidade, velocidade de reação e alinhamento não linear.

Para ler mais acesse o site Inteligência & Inovação.

Patricia Dalpra para o Jornal Extra: Como Karol Conká pode dar a volta por cima?

Para quem saiu com um recorde de 99,17% de rejeição do ”Big Brother Brasil 21”, Karol Conká tem muito o que fazer aqui fora em relação à sua imagem e carreira. Desde que foi eliminada no paredão da última terça-feira (23), a rapper vem se desculpando sobre as atitudes tomadas dentro da casa mais vigiada do Brasil. Mas será que pedir desculpas é o suficiente?

Saiba o que Karol Conká pode fazer para reverter sua situação Foto: Reprodução

Segundo Patrícia Dalpra, estrategista em personal branding e gerenciamento de carreira, este é apenas o primeiro passo. A especialista explica que nunca foi de acompanhar o reality de perto, mas decidiu se inteirar sobre o assunto quando viu a repercussão sobre. Karol. Segundo ela, a cantora demonstrou falta de empatia, de sensibilidade humana e incapacidade de se relacionar com os outros brothers.

— Nesta edição eu comecei a prestar mais atenção no que estava acontecendo justamente por causa dos comentários que estavam sendo feitos em cima da Karol Conká. Logicamente, na terça-feira, eu assisti porque eu queria ver o índice de rejeição dela e como o Tiago iria conduzir — explica, referindo-se à recepção de Karol pelo apresentador do reality.

A gestora de imagem acredita que a rapper aceitou o convite para participar do programa para tentar alavancar a carreira, mas que não esperava que tudo daria errado.

— Eu quero realmente acompanhar esse processo de como ela irá resgatar a imagem. Quando você entra no BBB, você tem como objetivo trazer uma visibilidade, aparecer e se posicionar mais, gerar mais valor agregado à sua imagem, e no caso dela a gente viu um comportamento e consequências completamente contrárias — afirma, citando também a perda massiva de seguidores nas redes sociais de Karol Conká.

Confira a matéria completa aqui!


gestão do tempo

Quais os benefícios e como colocar em prática a gestão do tempo?

A gestão do tempo é uma importante ferramenta para quem busca melhores resultados e patamares cada vez mais altos na carreira. A produtividade, em grande parte, depende de como você consegue gerenciar seu dia, e, portanto, é praticamente impossível encontrar alguém bem sucedido que não controle seu tempo de forma prática e produtiva.

Para muitos que estão começando essa jornada pode parecer complicado, ou até mesmo uma coisa sem grande importância. Mas é difícil conhecer alguma pessoa que não encontrou nenhum tipo de resultado seguindo as dicas e orientações que mencionaremos em seguida. Ficou interessado no assunto? Continue sua leitura até o final!

Os benefícios da gestão do tempo

A princípio, é muito importante falarmos sobre os benefícios que a gestão de tempo pode provocar na sua vida pessoal e profissional. Eles são inúmeros e, mesmo que o trabalho para montar um cronograma pareça desafiador, ele pode proporcionar:

  • menos estresse;
  • maior facilidade para trabalhar;
  • maior produtividade pela falta de dúvidas sobre o que fazer;
  • mais clareza mental;
  • maior facilidade para tomar decisões importantes;
  • mais tempo para investir em lazer ou outra atividades pessoais sem culpa ou dificuldade.

Tudo isso pode ser percebido em poucas semanas. Basta permanecer firme na maneira com a qual você planejou e estipulou a forma de gastar o seu tempo. 

Algumas dicas práticas que funcionam

1. Planeje suas tarefas do dia

O primeiro passo para gerir seu tempo é saber como você deve gastá-lo de forma produtiva. Não sabe como? É fácil de resolver: pegue um pedaço de papel (ou qualquer documento de texto no seu computador) e liste todas as tarefas mais importantes relacionadas ao seu trabalho. Em seguida, crie outra menor sobre suas principais responsabilidades. O ideal é só manter o que é realmente importante para que não haja sobrecarga ou dificuldades de implementação.

2. Defina em ordem de prioridades

Muitas pessoas fazem a dica número 1, mas esquecem que para atingir o sucesso é preciso manter tudo organizado em prioridades. Afinal, sempre temos obrigações que são mais importantes do que outras e, por isso, é sempre prudente deixar essas tarefas em primeiro lugar no seu dia. Portanto, seu segundo passo consiste na reorganização dos seus itens. A forma mais simples de atingir uma boa padronização é numerando suas tarefas, onde a primeira é a mais importante e as últimas são aquelas que não fazem tanta diferença.

3. Estabeleça essa nova rotina

Agora que você já tem suas tarefas ordenadas levando em conta a prioridade, chegou o momento de instaurar todos esses hábitos, tanto de execução quanto de planejamento do que deve ser feito no seu dia. Para conseguir manter a sua gestão de tempo de forma eficaz, é preciso fazer todo esse procedimento por pelo menos 21 dias, que costuma ser o número ideal para quem deseja se adaptar a novos hábitos. Inclusive, esse é um bom período de testes para colher os benefícios que mencionamos. Certamente você verá melhoras extraordinárias.

4. Faça pausas ao longo do dia e divirta-se

Por fim, não se esqueça de que é improdutivo e pouco eficaz trabalhar por longas horas sem nenhum tipo de pausa ou descanso. Por essa razão, é recomendado que a cada 1 hora de trabalho duro e concentrado você tire cerca de 10 a 15 minutos para descansar, alongar, beber água ou ir ao banheiro — isso é o suficiente para recarregar as energias para o que está por vir e também ajuda a manter a saúde.

Outro ponto que deve ser amplamente mencionado é que é preciso se divertir em todo o processo. Sempre deixe momentos livres no seu dia para seu divertimento e não esqueça que, sem o lazer, é impossível permanecer em uma rotina produtiva por muito tempo. Sempre planeje o dia que você quer ter e não crie um que mudará seu humor para pior.

Seguindo todas essas orientações, temos certeza que você conseguirá colocar em prática a gestão de tempo sem grandes complicações.

Gostou do post? Assine nossa Newsletter e não perca mais nenhum conteúdo como este!

transição profissional

Transição profissional: 6 ações para ter sucesso nessa caminhada

A transição profissional é quando um indivíduo busca maior satisfação com sua carreira, trocando parcialmente ou por completo seu ramo de atuação para uma escolha que traga mais bem-estar e qualidade de vida.

Apesar de parecer impossível, é preciso ressaltar que praticamente todas as pessoas conseguem realizar essa mudança complicada. Tudo depende de um planejamento realista e calculado para que no futuro não surjam imprevistos financeiros ou, até mesmo, uma sensação de arrependimento durante o caminho ou com a nova escolha.

Vale ressaltar que, normalmente, leva-se algum tempo para conseguir fazer uma transição bem-sucedida e, portanto, nenhuma atitude “brusca” ou inconsequente pode ser vista como uma boa alternativa para quem busca atuar em uma nova área.

Neste post falaremos mais sobre como você pode fazer essa mudança com total segurança e sucesso com 6 dicas práticas. Ficou interessado no assunto? Continue a sua leitura até o final!

1. Identifique os motivos da transição profissional

A princípio, a ideia inicial é entender a razão por trás da transição. Muitas pessoas simplesmente desejam mudar de ramo acreditando que essa é a solução para todos seus problemas, mas, na prática, elas podem estar criando maiores desafios e complicações do que conseguem imaginar no momento de dificuldade.

É preciso lembrar que ao mudar de carreira você precisa aprender (quase sempre) uma nova profissão, com novas obrigações, novo método de trabalho e uma infinidade de pequenas particularidades.

Em alguns casos, o problema pode estar simplesmente na sua companhia ou na sua região, portanto, não deixe de fazer uma autoanálise séria e competente antes de ingressar em uma nova aventura.

2. Planeje seu tempo e orçamento

Com uma autoanálise bem estabelecida e com a total certeza de que a escolha mais apropriada é a transição para outra área, chegou o momento de planejar seu tempo e orçamento para os próximos meses.

Afinal, uma mudança dessas exige (na maioria dos casos) uma nova formação, o que envolvem gastos e um espaço de tempo considerável. Por isso, sente com calma e comece a analisar quais são suas disponibilidades e alternativas.

Os cursos são de graduação? São técnicos? De especialização? Quanto custa a opção mais vantajosa para seu currículo? Quantas horas de estudo durante a semana você vai precisar? É necessário estagiar? Todas essas particularidades devem ser colocadas no papel antes da mudança. 

Não se esqueça de incluir seus gastos e demais informações que movimentem seu orçamento mensal — especialmente se seu objetivo for a troca de emprego em um curto espaço de tempo, o preferível é que você tenha uma folga financeira de pelo menos 6 meses antes de iniciar essa nova empreitada.

3. Avalie seus interesses e habilidades

Ainda no momento da escolha do seu curso, não se esqueça de levar em conta seus principais interesses e habilidades. Na dúvida, opte por aqueles assuntos que você mais gosta de estudar e que costuma passar o tempo aprendendo.

Tudo isso auxilia você a escolher um trabalho descomplicado e que seja alinhado com sua personalidade e propósito de vida. Durante essa avaliação, não se esqueça de ser sincero em relação às principais habilidades — o ideal é focar nos pontos fortes em vez dos fracos, simplesmente por uma questão de retorno do investimento (tanto de tempo quanto de dinheiro).

Essa dica deve ser feita em conjunto com a anterior e, sem dúvida, essa é uma das partes mais importantes durante a sua transição profissional. Evite áreas muito diferentes da sua ou que você tem pouco ou nenhum conhecimento e experiência. Idealmente, sua escolha deve estar dentro dos seus interesses atuais. Como dica extra, não persiga somente o retorno financeiro.

4. Estude o mercado de trabalho

Estudar o mercado de trabalho também é imprescindível para o sucesso. Será que daqui a alguns anos sua nova carreira estará firme no mercado? Existe crescimento? Qual o tamanho da concorrência profissional? Tudo isso deve ser levado em consideração.

Obviamente, não é possível prever o futuro com exatidão, mas é sempre importante ouvir e procurar pelos profissionais que já atuam e que apresentam um prognóstico realista para os anos que estão por vir.

Isso também auxilia você durante sua nova formação (se necessária) e sobre suas principais estratégias para o futuro. Esse planejamento deve sempre levar em consideração o médio e longo prazo, por isso, é preciso ter um pouco de criatividade e assiduidade nos estudos para conseguir ter, pelo menos, uma ideia geral do que os próximos anos podem reservar para sua nova carreira.

5. Potencialize seu currículo com novos treinamentos

Durante sua transição, é mais do que recomendado que você comece a potencializar seu currículo de forma contínua. Procure por experiências (mesmo como voluntário), pequenos cursos e demais qualificações que possam transformar por completo o seu currículo.

Algumas dessas alternativas podem ser feitas de forma prática e em curto espaço de tempo nas suas horas vagas. Portanto, aproveite o ensino a distância e todas as ferramentas que estão à disposição.

Quanto maior for seu investimento e interesse na sua nova área, maiores serão as probabilidades de sucesso no futuro. Inclusive, não se esqueça de colocar sua experiência e competências atuais para conseguir fomentar ainda mais as suas principais atividades.

6. Busque apoio profissional

Por fim, lembre-se de que o apoio profissional para esse tipo de mudança existe e é extremamente recomendável. Como pôde ser percebido, o caminho a ser trilhado é longo e existe uma série de passos que devem ser dados de maneira proativa até uma transição segura e com reais chances de sucesso.

Os profissionais que trabalham com gestão de carreira estão aptos e amplamente treinados a auxiliar em todas essas análises e abordagens, fazendo com que um plano realista, mensurável e aplicável seja criado em um curto espaço de tempo (e com menor risco).

Aqui na PD Gestão de Imagem e Carreira fazemos esse trabalho e ainda auxiliamos você a criar uma marca pessoal forte, entre outros diferenciais que te colocam a frente de toda a concorrência, seja durante a sua transição profissional ou a sua carreira atual.

Gostou do post? Visite o nosso site e conheça mais sobre o nosso trabalho — estamos à disposição e prontos para lhe ajudar!

tipos de carreira

Você conhece os tipos de carreira? Veja quando vale a pena mudar

Existem vários tipos de carreira e a maioria das pessoas sequer sabe disso. Durante nossa vida, é muito comum seguirmos o tradicional caminho no mundo corporativo, sem nos darmos conta de que existem várias outras opções que podem estar mais alinhadas com nossa personalidade e objetivo de vida.

A escolha equivocada de um desses tipos pode provocar uma constante sensação de infelicidade, além de outros sintomas emocionais como falta de ânimo ou até mesmo ansiedade e estresse excessivo.

Neste post, falaremos mais sobre o tema e informaremos quando é a hora ideal para fazer a troca da sua atividade profissional de maneira eficaz e com pouco risco. Ficou interessado? Continue sua leitura até o final!

Quais os principais tipos de carreira?

A carreira tradicional (ou burocrática)

A carreira tradicional é aquela que todos nós conhecemos: uma atividade profissional em uma empresa de porte variável que normalmente apresenta um plano de carreira que está vinculado às metas e ao tempo de trabalho.

Esse caminho é famoso por sua estabilidade financeira e pelo baixo risco e menor qualificação. Diversas empresas do varejo, por exemplo, costumam apresentar e disponibilizar oportunidades para quem precisa de um emprego e deseja fornecer sua mão de obra.

O ponto negativo é que os ganhos financeiros costumam ser dentro da média salarial do país e a chance de crescimento, apesar de existir, quase sempre está presa aos prazos e requisitos apresentados durante a contratação (em alguns casos, não há grande possibilidade de ascensão). Líderes e pessoas com mais proatividade podem sentir-se presos ou descontentes com esse tipo de carreira.

A carreira empreendedora 

A carreira empreendedora é aquela em que um indivíduo abre uma empresa. Apesar de parecer impossível, é importante mencionar que não é preciso iniciar grande ou, até mesmo, com investimentos multimilionários — é possível começar uma atuação com investimentos modestos ou bem pequenos.

Esse tipo de carreira é marcada pelo alto risco, mas pelas grandes chances de ganhos financeiros no futuro. Diferente do que a maior parte das pessoas pensam, a carga de trabalho tende a ser maior, além do estresse e das demandas diárias.

Apesar disso, muitas pessoas preferem essa abordagem em relação às outras por conta da liberdade criativa e da chance de controle total. Indivíduos mais proativos e com ideias mais visionárias tendem a querer perseguir esse caminho, que normalmente é mais indicado para os mais experientes no ramo em que se deseja empreender.

A carreira acadêmica

A carreira acadêmica dificilmente é levada em consideração, mas é outra que pode gerar grandes ganhos financeiros e um destaque no mercado de trabalho que poucos podem se dar o luxo de conquistar.

Apesar disso, vale destacar que esse crescimento pode levar, pelo menos, uma década, além de uma profunda e constante vida dedicada aos estudos para a área de interesse. Para perseguir o caminho é importante estar se qualificando constantemente e, principalmente, produzindo conteúdo acadêmico (como pesquisas com metodologia apropriada) de forma regular. Ir da graduação para um doutorado leva tempo, mas é extremamente gratificante.

Esse tipo de carreira é mais voltada para pessoas que apresentam profundo interesse em alguma área do conhecimento, e, sem dúvidas, é necessário ter aptidão e muita vontade de querer ensinar, uma vez que normalmente o mercado de trabalho está voltado para área do ensino (em grande parte).

Quando é hora de mudar e como fazer isso com segurança?

Como você pôde ver, existem alguns tipos de carreiras que podemos seguir para alcançar o sucesso profissional e a autorrealização. Lembrando que existem indivíduos que alternam entre essas áreas durante algumas vezes em sua vida.

A hora para mudar de ramo normalmente acontece quando há insatisfações profundas e um interesse cada vez maior e gradativo por outras questões profissionais, como salário, qualidade de vida ou chance de crescimento.

Por isso, é indicado que você pratique o autoconhecimento para saber, entre os tipos de carreira, qual o seu em especial e quais são as alternativas que mais servem para seu caso — não existe uma resposta correta e somente você pode encontrar o ideal para sua vida.

Gostou do post? Aproveite a visita e veja como fazer e qual a importância da avaliação de carreira. Aprenda mais sobre esse importante tema!